8 livros de autores que estão na Flip 2018

(0 Estrelas - 0 Votos)

Está chegando a hora do principal festival literário do país!

Uma das principais feiras de literatura do Brasil, a Festa Literária Internacional de Paraty – Flip 2018 – divulgou os nomes dos convidados para o evento deste ano. A lista inclui 33 participantes, sendo 17 mulheres e 16 homens, como autores, fotógrafos, diretores, cineastas, atores e músicos. A programação reúne autores estrangeiros, como o norte-americano Colson Whitehead, vencedor do Prêmio Pulitzer de ficção, e a jornalista argentina Selva Almada, e brasileiros, como Geovani Martins e Sérgio Sant’Anna.

Quando será realizada a Flip?

A Flip será realizada entre os dias 25 e 29 de julho. Com a promessa de ser mais artístico do que nos outros anos, o festival fará um paralelo com as obras de Hilda Hilst, a grande homenageada nesta edição. Paulista de Jaú, ela foi considerada pela crítica especializada como uma da maiores escritoras de língua portuguesa do século XX. Hilda foi poeta, ficcionista, cronista e dramaturga.

Os organizadores do evento explicam que as mesas literárias estão estruturadas em temas característicos das obras da escritora, como amor, sexo, religião, finitude e transcendência. Algumas palavras-chave que vão guiar a programação são liberdade, dimensão mística-religiosa, monólogo, vozes, escuta e som. Conheça oito obras de autores que participarão da Flip 2018!


The underground railroad – Os caminhos para a liberdade, de Colson Whitehead

Além do Prêmio Pulitzer, The underground railroad – Os caminhos para a liberdade, de Colson Whitehead, conquistou o Man Booker Prize, em 2016. O livro retrata o racismo latente nos Estados Unidos. O autor conta a história da personagem Cora, uma jovem escrava que vive em uma plantação de algodão na Geórgia. A vida é sofrida e dura para todos os escravos, principalmente para ela. Cora decide fugir de seus algozes Caesar, um recém-chegado da Virgínia, descobre uma rota de fuga. Mas nada sai como o planejado e a dupla é perseguida.

Caminhos para a liberdade, Colson Whitehead


O sol na cabeça, de Geovani Martins

O carioca Geovani Martins é um dos fenômenos literários brasileiros do último ano. Em O sol na cabeça, seu livro de contos de estreia, o autor narra as angústias e dificuldades de jovens nas favelas do Rio. Um dos principais textos é “Rolézim”, que conta a história de adolescentes que vão à praia e veem a repressão de policiais militares contra um outro grupo de jovens. A obra é fundamental para enxergarmos a realidade e as mazelas de quem mora nas comunidades.

O Sol na Cabeça, Geovani Martins


Garotas mortas, de Selva Almada

A jornalista Selva Almada tem sido considerada pela crítica como uma das grandes revelações da literatura latino-americana. Em Garotas mortas, a autora relembra os casos de três assassinatos de mulheres, que não estamparam manchetes de jornais e nem mobilizaram a cobertura de canais na TV. Os crimes ocorreram na década de 1980, quando a Argentina comemorava o retorno da democracia, e até hoje não foram solucionados. Selva expõe o feminicídio latente no país e mostra como esses tipos de crime são considerados como “normais” na sociedade.

Garotas mortas, Selva Almada


Anjo noturno – Narrativas, de Sérgio Sant’anna

Em Anjo noturno – Narrativas, o escritor Sérgio Sant’anna explora um gênero híbrido em nove narrativas: contos, memórias e novelas. Os temas dos textos giram em torno de infância e velhice, morte e vida, paixão carnal e amor fraternal. No conto “Talk show”, o autor retrata a participação de um escritor em um programa de auditório, no qual ele passa por sucessivas situações embaraçosas e eletrizantes. A prosa de Sérgio Sant’Anna percorre com engenhosidade e maestria as memórias e seus próprios anseios.

Anjo noturno, Sergio Sant'anna


Me chame pelo seu nome, de André Aciman

Um dos sucessos do Oscar de 2018, Me chame pelo seu nome também conquistou o público pelo livro de André Aciman. A obra conta a história de uma família italiana que recebe vizinhos, artistas e intelectuais de todos os lugares durante os verões. O filho do casal, Elio, se encanta por um americano que chega à residência. Espontâneo e atraente, ele passa uma temporada no local para trabalhar em seu manuscrito sobre Heráclito e ainda desfrutar do verão mediterrâneo. Me chame pelo seu nome tem uma narrativa magnética, inquieta e tocante.

Me chame pelo seu nome, André Aciman


Era uma vez uma mulher que tentou matar o bebê da vizinha, de Liudmila Petruchévskaia

Considerada a maior autora russa viva, Liudmila Petruchévskaia combina o contexto soviético com uma realidade povoada por assombrações, pesadelos, acontecimentos macabros e personagens sinistras. A escritora reúne histórias sobrenaturais que retomam a tradição dos contos folclóricos, mas com humor contemporâneo e carga política.

Era uma vez uma mulher que tentou matar o bebê da vizinha


Nadinha de nada, de Laura Erber

A nossa lista também não podia deixar de fora a literatura infantil. Em Nadinha de nada, Laura Erber conta a história de um rato que encontra uma mala no meio da sala e não sossega até saber o que tem lá dentro. A bolsa está fechada e parece impossível de abrir. O ratinho até consegue destrancar a mala, mas o que ela guarda não é bem o que ele esperava.

Nadinha de nada, Laura Erber


Irmã-estrela, de Alain Mabanckou

Em Irmã-estrela, o escritor congolês Alain Mabanckou mostra a história de um menino de 10 anos, cuja vida é marcada por muitas dificuldades, aprende com uma estrela a lidar com a morte. De forma delicada e encantadora, o autor retrata a cultura de seu país ao tratar do tema da morte e de sua aceitação na infância.

Irmã-estrela, Alain Mabanckou

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Maze Runner: Conheça os livros da saga Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses