Novo romance de Mia Couto encerra trilogia histórica africana

(0 Estrelas - 0 Votos)

Lançado em março, O bebedor de horizontes retrata a saga final do imperador moçambicano Gugunhana

Um dos principais escritores africanos da atualidade, Mia Couto ganha cada vez mais espaço nas livrarias brasileiras. Sensíveis, os textos do autor traduzem a alma humana, o que torna impossível para alguém permanecer indiferente após a leitura. Em março deste ano, ele encerrou a trilogia As Areias do Imperador, com o lançamento do livro O bebedor de horizontes. Contextualizada no período em que Moçambique foi colônia de Portugal, a obra mostra a saga final do imperador moçambicano Gugunhana, o último imperador de Gaza, parte atual do país.

Conhecido pela resistência contra os portugueses, o imperador reinou de 1884 a 1895, quando foi levado como prisioneiro pelo oficial da cavalaria de Portugal Mouzinho de Albuquerque. Depois, ele foi transportado para Lisboa e enviado aos Açores, onde ficou até o fim da vida. O exílio de Gugunhana e de outros prisioneiros é retratado no último livro da trilogia.

LEIA TAMBÉM: Sete obras essenciais de Mia Couto

Na mesma comitiva há a presença da jovem negra Imani Nsambe, que estudou em uma missão católica e serve como intérprete entre os nativos e as autoridades portuguesas. Ela está grávida do sargento Germano de Melo, alocado em outra parte de Moçambique. No livro, a tradutora narra os trágicos acontecimentos do fim do império de Gaza, que também se alternam no romance com as cartas do sargento.

Sobre o autor

O escritor Mia Couto, pseudônimo de António Emílio Leite Couto, é um dos principais nomes da literatura contemporânea e é aclamado por onde passa. Nascido em Beira, Moçambique, no dia 5 de julho de 1955, ele iniciou os estudos em Medicina, mas abandonou o curso no terceiro ano. Em seguida, o profissional passou a atuar como jornalista, foi nomeado diretor da Agência de Informação do país e da revista Tempo, além de trabalhar no jornal Notícias.

Em 1983, Mia Couto publicou o primeiro livro de poesia, Raiz de Orvalho, que foi considerado contra a propaganda marxista. Ele pediu demissão, em 1985, e começou a cursar a universidade de Biologia. O autor lançou o primeiro romance, Terra Sonâmbula, em 1992. Três anos depois, conquistou o Prêmio Nacional de Ficção da Associação dos Escritores Moçambicanos. Já em 2013, o escritor foi homenageado com o Prêmio Camões.

O bebedor de horizontes, Mia Couto

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas