Veja os principais semifinalistas do Prêmio Jabuti 2019

(0 Estrelas - 0 Votos)

Os finalistas serão revelados no próximo dia 31. Já a cerimônia final da premiação está prevista para 28 de novembro

O Prêmio Jabuti chega à 61ª edição com um novo recorde: foi registrado um aumento de 11% no número de inscrições neste ano. Na última quinta-feira (3), a Câmara Brasileira do Livro (CBL) divulgou os semifinalistas das 19 categorias da principal premiação de literatura do Brasil. Assim como no ano passado, o Jabuti foi dividido em quatro grandes eixos: Literatura, Ensaio, Livro e Inovação.

Os finalistas serão revelados no próximo dia 31, enquanto a cerimônia final da premiação está prevista para o dia 28 de novembro. A grande homenageada do Jabuti deste ano é a escritora Conceição Evaristo, que conquistou o prêmio em 2015, com o livro Olhos d’água.

Entre os autores indicados na edição deste ano estão os escritores Geovani Martins, com O sol na cabeça, na categoria Contos, Ana Paula Maia, com Enterre seus mortos, em Romance, e Míriam Leitão, com Refúgio no sábado, em Crônicas. Confira a lista com os principais livros que estão concorrendo!


O sol na cabeça, de Geovani Martins

Em O sol na cabeça, Geovani Martins narra a infância e a adolescência de garotos para quem às angústias e dificuldades próprias da idade soma-se a violência de crescer no lado menos favorecido da “Cidade partida”, o Rio de Janeiro das primeiras décadas do século XXI. Na literatura brasileira contemporânea, que tantas vezes negligencia a trama em favor de supostas experimentações formais, esta obra surge como uma mais que bem-vinda novidade.


A tirania do amor, de Cristóvão Tezza

A tirania do amor, de Cristóvão Tezza, é um dos semifinalistas da categoria Romance. Nesta livro, o economista Otavio Espinhosa toma uma decisão radical: abdicar do sexo. O que parece piada se revela uma profunda crise pessoal: um casamento falido, problemas com o filho, o fim de sua carreira acadêmica e a experiência de ter tentado enriquecer como guru de autoajuda. Também a carreira de Otavio parece estar em perigo: tudo indica que ele será demitido da empresa de investimentos onde trabalha. O leitor vai aos poucos destrinchando a investigação de um esquema no qual Otavio pode ou não estar envolvido, desenhando o panorama de um país em ruína.


Enterre seus mortos, de Ana Paula Maia

Este livro também é um dos semifinalistas da categoria Romance. Edgar Wilson é “um homem simples que executa tarefas”. Trabalha no órgão responsável por recolher animais mortos em estradas e levá-los para um depósito onde são triturados num grande moedor. Seu colega de profissão, Tomás, é um ex-padre excomungado pela Igreja Católica que distribui extrema unção aos moribundos vítimas de acidentes fatais que cruzam seu caminho. A rotina de Edgar é alterada quando ele se depara com o corpo de uma mulher enforcada dentro da mata. Quando descobre que a polícia não possui recursos para recolhê-lo, o funcionário decide rebocar o cadáver clandestinamente até o depósito, onde o guarda num velho freezer, à espera de um policial que, quando chega, não pode resolver a situação.


Bagageiro, de Marcelino Freire

Bagageiro, no Recife, é onde se leva todo tipo de coisa em cima da bicicleta: mercadoria, botijão de gás, criança etc. Neste Bagageiro, encontramos uma coletânea de pequenas histórias, entremeadas por comentários – por vezes mordazes – sobre a escrita, o país, o mundo, a vida literária e não literária. Classificados pelo autor como “ensaios de ficção”, os textos reunidos nesta obra fazem parte de um gênero atípico, misturando críticas à realidade, toques de humor sagaz e prosa poética, tudo isso com o estilo único e brilhante de Marcelino Freire. O livro é um dos semifinalistas de Contos.


Refúgio no sábado, de Míriam Leitão

Conhecida pelo público principalmente por sua cobertura jornalística de economia e dos bastidores do poder, Míriam Leitão reúne pela primeira vez suas crônicas, nas quais aborda conversas que a marcaram, memórias da infância e momentos do cotidiano. Os textos, publicados inicialmente no blog de seu filho Matheus Leitão, são uma bela oportunidade para os leitores conhecerem melhor o dia a dia de Míriam, suas origens e o processo de formação de uma escritora. Refúgio no sábado concorre na categoria Crônicas.


Nenhum mistério, de Paulo Henriques Britto

Na categoria Poesia, um dos semifinalistas é o livro Nenhum mistério, de Paulo Henriques Britto. Ele coloca à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes.


Jorge Amado – Uma biografia, de Joselia Aguiar

Um dos mais populares autores de todos os tempos, Jorge Amado foi lido com igual satisfação nos cinco continentes. Marcou não só as letras latino-americanas, mas também a politica, os costumes, a TV e o cinema nacional. A primeira, mais completa e atualizada biografia do grande escritor brasileiro Jorge Amado (1912-2001), é uma das semifinalistas da categoria Biografia, Documentário e Reportagem. Com acesso exclusivo a documentos de família e cartas de parentes, amigos e outros escritores, além de exaustivas entrevistas e pesquisas no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos, o livro retraça a vida emocionante de um dos mais populares escritores universais do século XX.


Valsa brasileira, de Laura Carvalho

Este livro é um dos semifinalistas da categoria Humanidades. Entre 2006 e 2017, a economia brasileira viveu numa montanha russa. Do segundo mandato de Lula ao impeachment de Dilma Rousseff, o país passou por alguns dos anos de maior prosperidade de sua história, mas também viveu uma crise sem precedentes. O que aconteceu? Este livro sugere uma resposta. Segundo a autora, os obstáculos para a continuidade do crescimento inclusivo de 2006 e 2010 eram superáveis, mas optou-se por fazer deles pretexto para uma malsucedida mudança de rumo. Laura Carvalho não se limita ao diagnóstico, e propõe uma nova agenda, partindo do princípio de que o aprofundamento da democracia cabe, sim, no orçamento.


Velhos são os outros, de Andréa Pachá

Depois de quase 20 anos à frente de uma Vara de Família, cuidando de casos de divórcios, pensão, guarda e convivência familiar, a juíza Andréa Pachá se viu diante de um novo desafio: assumir uma Vara de Sucessões, onde lidaria com julgamentos de inventários, testamentos e curatelas. É a partir das experiências dessas audiências que Pachá desenvolve este livro, um dos semifinalistas de Crônicas. Com talento singular para transformar as vivências no tribunal em ficção e uma capacidade impressionante de criar personagens muito vívidos e com desejos e motivações com os quais todos se identificam, Pachá narra acasos do tempo, da memória e das relações em família da perspectiva da Justiça mas sobretudo da perspectiva humana.


Qual seu autor favorito da lista?


Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas