Flup homenageia Modernismo Negro

(0 Estrelas - 0 Votos)

Festa Literária das Periferias começa nesta sexta-feira (11) com programação especial no Museu de Arte do Rio e no Museu da História e Cultura Afro-brasileira

Na semana de comemoração do centenário da Semana de Arte Moderna, a Festa Literária das Periferias (Flup) homenageia o Modernismo Negro da Pequena África. A partir desta sexta-feira (11) até o dia 18 de fevereiro, o evento gratuito tem uma programação especial no Museu de Arte do Rio (MAR), na Praça Mauá, e no Museu da História e Cultura Afro-brasileira, na Gamboa, ambos no Centro do Rio de Janeiro.

Para Daniele Salles, porta-voz da Flup, a importância de falar sobre Modernismo Negro é desconstruir a narrativa que estabelece o movimento como de “elite intelectual paulista e branca”. “Mergulhar nesta história é desfazer o apagamento da diversidade cultural do Brasil colocando a presença negra num lugar central que sempre lhe foi legítimo”, explica.

Os homenageados da Flup 2022

Os homenageados da edição deste ano são o escritor Lima Barreto, o maestro Pixinguinha e a cantora Josephine Baker. Daniele reforça que os três homenageados são figuras centrais na arte e na literatura brasileiras. No entanto, eles têm as histórias pouco disseminadas no país. A porta-voz da Flup destaca que, enquanto a Semana de Arte Moderna acontecia em São Paulo, havia o primeiro encontro de músicos negros na diáspora, em Paris, na França. Entre os convidados estavam Pixinguinha e seu grupo, o Oito Batutas.

“Os brasileiros encontraram-se com músicos norte-americanos, que saíram do sul, foram para o norte dos Estados Unidos e emigraram para a França. A cantora e dançarina norte-americana Josephine Baker revolucionou o estatuto da mulher negra em suas quatro visitas ao Brasil, com performances que a creditam como feminista antirracista e ícone LGBTQIAP+ de primeira hora. Lima Barreto, morto em novembro de 1922, teve na condição marginalizada o ponto de partida para a investigação da identidade nacional, retratada no clássico Triste Fim de Policarpo Quaresma”, completa.

Na abertura do evento, o público pode participar da estreia da exposição sobre Pixinguinha, a partir das 15h30. Entre outros destaques da programação do MAR estão as mesas “Colecionismo: os novos agentes negros da Arte Contemporânea”, no sábado (12), às 17h30, e “Experiência afrofunk – Do afro ao funk”, às 19h de terça-feira (15)

Programação da Flup

Na abertura do evento, o público pode participar da estreia da exposição sobre Pixinguinha, a partir das 15h30. Entre outros destaques da programação do MAR estão as mesas “Colecionismo: os novos agentes negros da Arte Contemporânea”, no sábado (12), às 17h30, e “Experiência afrofunk – Do afro ao funk”, às 19h de terça-feira (15)

A escritora Eliana Alves Cruz e a jornalista Flavia Oliveira participam do debate “Matriarcado das tias baianas”, às 19h, na quarta-feira (16), no MAR. Já a historiadora Lilia Schwarcz participa da abertura da exposição “Essa minha letra: Lima Barreto e os Modernismos Negros”, no Museu da História e Cultura Afro-brasileira, na quinta-feira (17), às 18h. Confira a programação completa! Veja, abaixo, também livros dos homenageados e de alguns convidados da Flup!


Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto

O autor foi um crítico mordaz da vida carioca no período da primeira república. A obra traça o destino tragicômico de um homem tomado pelo patriotismo ingênuo, em quixotesca luta contra a corrupção de políticos.


Lima Barreto: Triste visionário, de Lilia Moritz Schwarcz

Durante mais de dez anos, Lilia Moritz Schwarcz mergulhou na obra de Afonso Henriques de Lima Barreto, com seu afiado olhar de antropóloga e historiadora, para realizar um perfil biográfico que abrangesse o corpo, a alma e os livros do escritor de Todos os Santos. Esta, que é a mais completa biografia de Lima Barreto desde o trabalho pioneiro de Francisco de Assis Barbosa, lançado em 1952, resulta da apaixonada intimidade de Schwarcz com o criador de Policarpo Quaresma – e de um olhar aguçado que busca compreender a trajetória do biografado a partir da questão racial, ainda pouco discutida nos trabalhos sobre sua vida. 


O crime do Cais do Valongo, de Eliana Alves Cruz

Um corpo amanhece em um beco, envolto em uma manta e com pequenas partes cortadas. O crime do cais do Valongo, de Eliana Alves Cruz, é um romance histórico-policial que começa em Moçambique e vem parar no Rio de Janeiro, mais exatamente no Cais do Valongo. O local foi porta de entrada de 500 mil a um milhão de escravizados de 1811 a 1831 e foi alçado a patrimônio da humanidade pela UNESCO em 2017. A história acontece no início do século 19 e é contada por dois narradores — Muana e Nuno — que conviveram com a vítima: o comerciante Bernardo Vianna. 


Úrsula, de Maria Firmina dos Reis

Úrsula não é apenas o primeiro romance abolicionista da literatura brasileira, é também o primeiro da literatura afro-brasileira, entendida como produção de autoria afrodescendente que tematiza a negritude a partir de uma perspectiva interna.


Você já conhecia a Flup?


Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas