[Resenha] “O avesso da pele” escancara racismo

(0 Estrelas - 0 Votos)

Lançado em agosto, livro de Jeferson Tenório narra a história de pai e filho. Obra traz questões relacionadas à negritude e violência

O avesso da pele, de Jeferson Tenório, é um dos principais destaques da literatura brasileira contemporânea, em 2020. Em seu terceiro romance, o escritor traz questões sobre negritude, violência e relações familiares. Nesta obra, o jovem negro Pedro narra a história de seu pai, Henrique, morto em uma desastrosa abordagem policial em Porto Alegre. Ele tenta resgatar as memórias e a trajetória de seu pai, um professor de literatura, ao mesmo tempo em que também relembra o passado da mãe, Martha.

Ao contar essa história, Jeferson Tenório descreve todo um contexto de racismo que permeou a vida dos pais de Pedro. Brutal, a narrativa torna-se ainda mais incisiva ao ser narrada em terceira pessoa em todas as partes sobre o pai. Dessa forma, é como se Pedro falasse diretamente com ele e tentasse se colocar no lugar de Henrique em todos os acontecimentos, para nos transmitir seus pensamentos e emoções.

Um dos trechos mais marcantes do livro é quando Pedro relembra que o pai já havia sofrido outras sete abordagens policiais durante a vida. Uma delas ocorreu na juventude, quando Henrique fez amizade com um amigo que morava em um bairro de classe alta de Porto Alegre. Enquanto esperava o amigo do lado de fora do prédio, um policial o abordou e o “mandou circular”.

“Ao chegar, você apertou a campainha e esperou. Pessoas passavam por você na rua e te olhavam. Ninguém respondeu no interfone. (…) Decidiu ficar ali na frente do prédio e pensou que ele poderia ter saído com a mãe dele. No entanto, em minutos, surgiu o policial da Brigada Militar ao seu lado dizendo para você circular que ali não era lugar para pedir coisas”, diz uma das partes.

Sobre o autor

Nascido em 1977, no Rio de Janeiro, Jeferson Tenório é radicado em Porto Alegre e doutorando em Teoria Literária pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). O escritor estreou na literatura, em 2013, com o livro O beijo na parede, eleito o Livro do Ano pela Associação Gaúcha de Escritores. É autor também de Estela sem Deus, lançado em 2018.

Veja também outros livros relacionados ao tema. Boa leitura!


Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro

Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. Em 11 capítulos curtos e contundentes, a autora apresenta caminhos de reflexão para aqueles que queiram aprofundar sua percepção sobre discriminações racistas estruturais e assumir a responsabilidade pela transformação do estado das coisas.


A cor púrpura, de Alice Walker

A personagem principal, Celie, negra, semianalfabeta, vivendo no Sul dos Estados Unidos, vive entre cuidar da família e planejar uma vida diferente da sua para a irmã, Nettie. Acompanhamos sua vida por mais de trinta anos, por meio das cartas que escreve para Deus e, posteriormente, para a irmã. Em oposição à solidão, pobreza, brutalidade e violência, Celie vai descobrir outras maneiras de sentir.


Se a rua Beale falasse, de James Baldwin

Tish tem 19 anos quando descobre que está grávida de Fonny, de 22. A sólida história de amor dos dois é interrompida bruscamente quando o rapaz é acusado de ter estuprado uma porto-riquenha, embora não haja nenhuma prova que o incrimine. Convicta da honestidade do noivo, Tish mobiliza sua família e advogados na tentativa de libertá-lo da prisão. Se a rua Beale falasse é um romance comovente que tem o Harlem da década de 1970 como pano de fundo. Ao revelar as incertezas do futuro, a trama joga luz sobre o desespero, a tristeza e a esperança trazidos a reboque de uma sentença anunciada em um país onde a discriminação racial está profundamente arraigada no cotidiano.


Racismo estrutural, de Silvio Almeida

Nos anos 1970, Kwame Turu e Charles Hamilton, no livro Black Power, apresentaram pela primeira vez o conceito de racismo institucional: muito mais do que a ação de indivíduos com motivações pessoais, o racismo está infiltrado nas instituições e na cultura, gerando condições deficitárias a priori para boa parte da população. É a partir desse conceito que o autor Silvio Almeida apresenta dados estatísticos e discute como o racismo está na estrutura social, política e econômica da sociedade brasileira.


Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves

No final do século XIX, Kehinde, uma africana idosa, cega e à beira da morte, viaja da África para o Brasil em busca do filho perdido há décadas. Ao longo da travessia, ela vai contando sua vida, marcada por mortes, estupros, violência e escravidão. Neste romance, os fatos históricos estão imersos no cotidiano e na vida dos personagens, criando a saga emocionante e verossímil da história de Kehinde.


Americanah, de Chimamanda Ngozi Adichie

Enquanto Ifemelu e Obinze vivem o idílio do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um governo militar. Em busca de alternativas às universidades nacionais, paralisadas por sucessivas greves, a jovem Ifemelu muda-se para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo que se destaca no meio acadêmico, ela se depara pela primeira vez com a questão racial e com as agruras da vida de imigrante, mulher e negra. Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma blogueira aclamada nos Estados Unidos, mas o tempo e o sucesso não atenuaram o apego à sua terra natal, tampouco anularam sua ligação com Obinze.


Você já leu “O avesso da pele” ou algum livro da lista?


Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas