[Resenha] As mil faces de Joana e a universalidade do feminino

(5 Estrelas - 1 Votos)

Romance de estreia de Clarice Lispector, Perto do Coração Selvagem é considerado como um dos mais profundos da carreira da escritora

Perto do Coração Selvagem é o romance de estreia da carreira de Clarice Lispector. Lançado em dezembro de 1943, o livro impressionou críticos e colegas da autora por tamanha beleza e profundidade contidos na escrita de uma jovem estudante de Direito no alto de seus 23 anos incompletos. Não à toa, a obra foi premiada como “melhor romance de estreia” pela Fundação Graça Aranha, em outubro de 1944.

Na vã tentativa de decifrar o inexplicável nas linhas do romance, muito se especulou sobre as possíveis referências de Clarice, que passavam por Virginia Woolf e James Joyce. No entanto, a única influência assumida pela escritora na produção do romance remete à Herman Hesse, com o livro O Lobo da Estepe. Nesse sentido, a proximidade entre as obras se dá não por similaridades estilísticas, mas por um mesmo desejo compartilhado pelos dois autores: a busca por uma verdade interior.


“Liberdade é pouco. O que desejo ainda não tem nome.” Tal frase sintetiza os desejos que regem a vida de Joana, protagonista do romance. Dividida em duas partes, a obra percorre a trajetória da mulher desde a infância órfã dos pais ao enclausuramento das relações que irão permear a sua vida adulta.

Dos anos que viveu no internato ao casamento com Otávio, Joana insiste em perseguir algo que aparentemente lhe pertence, ainda que não saiba muito bem o que. Com o passar dos anos, a vida da personagem se mostra cada vez mais intensa e, em certos momentos, pouco se difere da morte. As tensões que atravessam o seu corpo dizem respeito às relações que mantém com a sua existência, com o outro e, especialmente, com o feminino. Em seu interior, tal aspecto pulsa tão intensamente que ela sente como se “suportasse a feminilidade de todas as mulheres”.

Através de Joana, a autora expõe toda a universalidade e o sui generis que mediam a experiência da mulher na sociedade moderna. A ousadia e o ineditismo na abordagem da autora fazem com que, já no primeiro romance, Clarice tenha se consagrado como uma das maiores escritoras de língua portuguesa de todos os tempos.


Você já leu o romance?

Yasmin Lisboa
Comentários

Yasmin Lisboa

Yasmin é jornalista e estudante de Cinema. Cantora e colecionadora de discos e livros, é fascinada pela cultura popular brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *