[De mãe para filho] Como fazer a introdução alimentar?

(4.5 Estrelas - 2 Votos)

A partir desta fase, é importante incluir outros alimentos para o bebê, além do leite materno. Confira as nossas dicas!

Uma alimentação saudável pode ser estimulada no seu filho desde cedo. A introdução alimentar é uma das fases mais importantes para o crescimento das crianças, já que é neste momento que elas começam a conhecer outros alimentos além do leite materno. Para ajudar você, selecionamos algumas dicas e livros sobre o assunto. Confira!


Quando os pais devem iniciar a introdução alimentar?

Esta é uma das dúvidas mais frequentes dos pais. Segundo informações da Organização Mundial de Saúde (OMS), os bebês devem ter amamentação exclusiva até os seis meses. O leite materno supre todas as necessidades da criança neste período, então não precisa nem dar água. Depois disso, é importante que eles conheçam outros alimentos em paralelo à amamentação.


Quais alimentos dar na introdução alimentar?

Especialistas recomendam introduzir, de forma gradual e em conjunto à amamentação, papinhas de frutas e de legumes, além de alimentos ricos em nutrientes. Na papa, é ideal que reúna hortaliças, como abóbora e beterraba, cereais, como batata doce e inhame, carnes, como peixe e frango, e grãos, como feijão e lentilha.

O importante é que a alimentação seja variada. No sétimo mês do bebê, os pais já podem deixar pequenos pedaços sólidos para estimular a mastigação. Entre uma refeição e outra, pode dar água fervida e filtrada para os pequenos. O Ministério da Saúde recomenda que a família ofereça pães e cereal ao completar um ano. O ideal também é sempre contar com o auxílio do nutricionista e do pediatra do bebê.


Quais as primeiras frutas devem ser oferecidas ao bebê?

Não há uma fruta específica. Os pais devem apenas priorizar frutas orgânicas, por não terem agrotóxico e serem mais saudáveis para as crianças.


Como iniciar a alimentação do bebê de seis meses?

A rotina de alimentação do bebê é montada de acordo com as orientações médicas. É essencial conciliar os novos alimentos com a amamentação. Por exemplo, às 7h, o bebê pode começar o dia com o leite materno, e às 10h, no lanche da manhã, comer uma papinha de frutas. Nas principais refeições do dia, os pais podem oferecer papinha de legumes e mingau de trigo. Entre o almoço e a janta, o ideal é amamentar.


Qual a quantidade de comida que o bebê deve comer?

Esta também pode ser uma das principais dúvidas dos pais. Não há uma regra exata, mas especialistas recomendam que três colheres de sopa sejam oferecidas aos seis meses. Depois, podem aumentar para até oito colheres em cada refeição. No entanto, cada criança tem seu peso e altura, então é importante que os pais procurem ajuda de nutricionistas.


Livros sobre introdução alimentar

Que tal se aprofundar e conhecer melhor a introdução alimentar de bebês? Para ajudar você, selecionamos alguns livros sobre o assunto. Veja a nossa lista completa e boa leitura!


Comida de bebê – Uma introdução à comida de verdade, de Rita Lobo

Com apoio de médicos e nutricionistas, Rita Lobo traz as respostas para as dúvidas mais comuns da fase de introdução alimentar e, de quebra, ainda ensina a família a comer com mais saúde, mais sabor e muito mais prazer. 


Introdução alimentar, de Natalia Mira

A autora passa orientações e recomendações nutricionais e gastronômicas para as mamães, papais, titias, avós, cuidadoras, babas, de forma prática e clara e objetiva. Dando sugestões de cardápio, receitas explica o passo a passo da introdução alimentar a partir dos 6 meses até os 2 anos. A partir dos 2 anos, a criança já conquista uma alimentação similar a dos pais, os hábitos alimentares já começam a ser estabelecidos e reforçados, Natalia orienta e sugere quais alimentos devem ser oferecidos. Ela procura incentivar as mães a darem aos seus filhos uma alimentação de alta qualidade nutricional, rica em vitaminas e minerais.


Comida de criança, de Claudia Lobo

Mostrando de maneira objetiva como montar um cardápio adequado à realidade de cada família, este livro ensina quais alimentos escolher na hora de comprar e por que fazê-lo como economizar tempo e dinheiro e como preparar refeições rápidas e nutritivas. Também sugere formas de transformar a própria criança em aliada no processo de educação alimentar.


Alimentação infantil: Receitas nutritivas e equilibradas, de Luciana Gonçalves de Lima

A promoção de práticas alimentares saudáveis constitui um dos pilares de promoção e proteção à saúde. Os hábitos alimentares, formados durante os primeiros anos de vida, vão refletir a condição de saúde do indivíduo adulto. A alimentação saudável durante a infância é de extrema importância na prevenção de doenças carenciais e das doenças crônico-degenerativas, na fase adulta.


O que você achou das nossas dicas? Comente e participe!


Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *