A potência de Fernanda Young nas artes e na literatura

(5 Estrelas - 3 Votos)

Escritora morreu após uma parada cardíaca em decorrência de crise de asma. Conheça seus principais livros e veja homenagens à roteirista

O mundo das artes está em luto pela morte da escritora Fernanda Young. A autora, de 49 anos, morreu após uma parada cardíaca em decorrência de crise de asma, neste domingo (25), em Minas Gerais. A atriz estrearia a peça Ainda nada de novo, ao lado de Fernanda Nobre, no dia 12 de setembro, em São Paulo.

Nascida em 1 de maio de 1970, em Niterói, no Rio de Janeiro, Fernanda Young chegou a ingressar em Letras na Universidade Federal Fluminense (UFF) e em Jornalismo na Faculdade Hélio Alonso (Facha), mas não terminou os cursos. Aos 24 anos, estreou como roteirista no programa A comédia da vida privada, da TV Globo, no qual adaptou textos do escritor Luis Fernando Veríssimo.

O problema é que quero muitas coisas simples, então pareço exigente.”

Ela foi ainda autora de outras séries de sucesso na emissora, como Os normais – que depois influenciou filme homônimo -, Os aspones e Shippados, a mais recente da roteirista. Com Separação?! e Como aproveitar o fim do mundo, foi indicada duas vezes ao prêmio de Melhor Comédia do Emmy Internacional. Já na literatura, publicou mais de dez livros, como Pós-F e Aritmética.

Além da TV Globo, Fernanda também fazia parte do canal GNT: integrou o time de apresentadoras da primeira temporada de Saia justa, ao lado de Marisa Orth, Monica Waldvogel e Rita Lee, entre 2006 e 2010, apresentou o programa Irritando Fernanda Young.

Hoje, cercada pela sua ausência, procuro o que procurar. Experimentando o desânimo da busca desiludida. Pois, se um amor como aquele acaba dessa maneira, vale a pena encontrar um outro?”

Transgressora, Fernanda ficou conhecida por quebrar paradigmas, tanto na televisão, quanto nos livros e até mesmo na vida pessoal. Era ativa no seu perfil na Internet, publicava sobre seus trabalhos no Instagram e fazia críticas sociais. Em 2009, decidiu sair na Playboy, indo totalmente contra o padrão imagético imposto pela sociedade.

Artistas homenageiam Fernanda Young

A morte de Fernanda Young deixou seus fãs e amigos em choque. Por meio das redes sociais, artistas e parentes fizeram homenagens à atriz. Uma de suas gêmeas, Estela May, de 19 anos, despediu da mãe em um texto na internet. A roteirista era casada com Alexandre Machado, com quem dividiu a maioria de seus trabalhos na televisão, e quatro filhos.

“Você amava e se divertia. Você deixa pra trás a obra mais perfeita que já vi, todos os textos, todas as brilhantes ideias de jerico que nem chegaram a ser realizadas (pode deixar que eu realizo) e os poemas”, diz, em um dos trechos.

View this post on Instagram

mamãe, eu nunca doí tanto. mas sei que você voltou pras plêiades, a 444,2 anos-luz daqui, pra relatar os dados que você adquiriu da terra: são todos uns mesquinhos tontos que só fazem merda mas às vezes amam e se divertem. você amava e se divertia. você deixa pra trás a obra mais perfeita que já vi, todos os textos, todas as brilhantes ideias de jerico que nem chegaram a ser realizadas (pode deixar que eu realizo) e os poemas. aqueles lindos poemas. ai de alguém apagá-los das paredes. tudo sobre você sempre me impressionou, é como se você fosse o protótipo da mãe legal: anárquica, generosa, engraçada, gentil, doida e ainda por cima não me julgou naquela fase que eu só dormia se tivesse um guarda-chuva aberto em cima de mim. vai ser difícil sem você mas vamos conseguir, prometo. e pode acreditar que tudo que eu fizer vai ter uma pitada sua, porque você é a minha maior inspiração. você é eterna. que orgulho de ser sua filha. te amo e obrigada pelos mais lindos 19 anos

A post shared by Estela May (@e.mym) on

View this post on Instagram

A nossa Fernanda, Fernanda chegou no GNT com o lançamento do Saia Justa, em 2002. Ela faz parte da primeira leva de Saias. Um sofá com Monica Waldvogel, Marisa Orth, Rita Lee e a Young, a mais nova, mais inquieta e mais provocadora. Ficou amiga, meio irmã, meio filha da Rita. Tricotavam segredos e carinhos. Fernanda e os cabelos dela eram um caso à parte no programa; curtos, perucas com cachos, longos e trançados, curtíssimos. Era vaidosa, adorava o nariz que tinha e sempre foi a dona dele, na vida que levava, nos textos que escrevia, no marido que amava, nos filhos que criava. Alexandre e os filhos, um núcleo de amor que ela nutria com um constante bate asas de afetos. Um coração grande de mãe, de mulher, de escritora, de atriz, de roteirista, de parceira. Gostava de cerveja e de conversa solta – desconcertante e terna. Tinha um olhar agudo, curioso, atravessado. Brilhou na criação da série Os normais, sobre um casal nada convencional que só queria mesmo era encontrar a felicidade na esquina mais próxima. A cara dela. E tantos outros trabalhos… Era boa ilustradora. É só conferir algumas publicações dela. Fernanda criou e participou de vários programas no Canal GNT além do Saia, Irritando Fernanda Young, Confissões do Apocalipse, Surtadas na Ioga, Duas Histéricas, Odeio Segunda-feira, Edifício Paraiso e na coluna, Penteadeira voadora, para a série TV Mulher, produzida e exibida no Canal Viva. Fernanda escrevia como falava, como pensava; leve, densa, crítica, hilária, perturbadora. Uma faísca atravessando a sala do bem estar. Ah, Fernanda, você partiu justo agora que precisamos tanto de você, da sua risada, dos seus comentários e observações afiadas, do seu estímulo, sua presença toda. Estamos tristes e lembrando de você. Querida amiga. Fernanda, Young e para sempre.

A post shared by GNT (@gnt) on


Aritmética

Some triângulos amorosos, traições e desejos, multiplique pelas culpas e você terá como resultado Aritmética, um dos principais romances de Fernanda Young. O livro usa como fio condutor a relação de amantes do escritor João Dias com a aposentada América, ambos com 75 anos, para descrever um círculo de relacionamentos que mistura amor, desejo, raiva, tristeza e frustração numa equação só solucionada nas últimas páginas.


Tudo que você não soube

Fernanda Young troca o humor ácido por um tom amargurado para contar, em primeira pessoa, a história de uma mulher que escreve ao pai moribundo, com quem não fala há anos. Nessa longa carta, a personagem faz um resumo detalhado da sua vida, dividida entre o desejo de chamar a atenção do homem que a colocou no mundo e a vontade de chocá-lo com suas revelações.


Pós-F: Para além do masculino e do feminino

Em sua primeira obra de não ficção, Fernanda Young se insere no acalorado debate sobre o que significa ser homem e ser mulher hoje. Em textos autobiográficos, ela se revela como uma das tantas personagens femininas às quais deu voz, sempre independentes e a quem a inadequação é um sentimento intrínseco. E esse constante deslocamento faz com que Fernanda seja capaz de observar o feminino e o masculino em todas as suas potencialidades.


Estragos

Estragos reúne as primeiras aventuras literárias de Fernanda Young, do período entre 1987 e 1995, quando ela tinha entre 16 e 25 anos. Pela primeira vez publicados, os 18 contos deste livro revelam a personalidade de uma jovem buscando seu estilo, um prenúncio do trabalho que viria a desenvolver nos anos seguintes, em seus mais de dez livros publicados.


A sombra das vossas asas

Em A sombra das vossas asas, a autora conta, com sua verve irônica e prosa afiada, a história de Rigel e Carina. Mergulhado num universo de manipulação, fascínio, loucura e dependência, o casal vive um amor destrutivo e, ao mesmo tempo, viciante.


As pessoas dos livros

Prestes a lançar seu terceiro livro e vivendo uma crise criativa e no casamento, a escritora Amanda Ayd se lança num novo projeto literário, que retrata seu sentimento por ela mesma, pelo marido e por sua obra. Mesclando humor e referências pop, a narrativa passeia por três histórias paralelas – a da protagonista e as dos personagens dos livros assinados por ela.


Os melhores moments de Os normais, com Alexandre Machado

Este livro traz uma seleção dos diálogos mais imperdíveis e impagáveis dos personagens Rui e Vani, as estrelas do programa da TV Globo que virou mania nacional. Os textos revelam toda a faceta dos personagens, revelando histórias inteligentes, apaixonadas e urbanas.


Você já leu algum livro de Fernanda Young? Comente e participe!


Gabriela Mattos

Redatora em Estante Virtual
Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.
Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Um comentário em “A potência de Fernanda Young nas artes e na literatura

  • 27.08.2019 a 5:37 pm
    Permalink

    Ainda faltaram alguns livros como Efeito Urano e Vergonha dos Pés. Grande autora, que pena, que perda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *