7 livros para comemorar o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos

(0 Estrelas - 0 Votos)

Em 30 de janeiro de 1869, o cartunista Angelo Agostini publicou o primeiro quadrinho no mundo. Veja algumas HQs preferidas dos leitores!

Para muitas pessoas, o contato com a leitura começa por meio de histórias em quadrinhos. Com as tirinhas, os pequenos leitores são inseridos no mundo da literatura e conhecem narrativas para todos os gostos, desde aventuras e super-heróis até as de suspense. As HQs tornam-se as nossas queridinhas, né? Por isso, algumas ultrapassam gerações, como as da Turma da Mônica, que completa 60 anos em 2019.

Há também aqueles quadrinhos já voltados para o público adulto, que são desenhados como forma de protesto ou para relembrar algum momento histórico do país. Um deles é o Cumbe, de Marcelo D’Salete, vencedor do Prêmio Eisner, em 2018, principal premiação de HQs do mundo. O livro tem como contexto o período de escravidão no Brasil. Nos últimos anos, os quadrinhos têm ainda adaptado grandes clássicos da literatura, como A revolução dos bichos, de George Orwell.

Dia Nacional dos Quadrinhos

Você sabia que no dia 30 de janeiro comemoramos o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos? Criada apenas em 1984, a data relembra a publicação das primeiras tirinhas no mundo: As aventuras de Nhô-Quim ou Impressões de uma viagem à Corte, de Angelo Agostini.

Para comemorar a data, perguntamos aos leitores quais HQs marcaram a vida deles. Que tal começar a leitura de um quadrinho? Confira as sugestões e boa leitura!


Daytripper, de Fabio Moon e Gabriel Bá

Milagroso filho de um famoso escritor brasileiro, Brás de Oliva passa os dias escrevendo obituários e as noites sonhando em se tornar um autor de sucesso. Cada dia na vida de Brás é como a página de um livro. Cada um deles revela as pessoas e coisas que o fizeram ser quem é: sua mãe e seu pai, seu filho e seu melhor amigo, seu primeiro amor e o amor de sua vida. Fábio Moon e Gabriel Bá contam uma história mágica, misteriosa e tocante sobre a vida.


V de vingança, de Alan Moore e David Lloyd

V de Vingança é uma das principais obras dos quadrinhos do mundo. Narrada em uma Inglaterra de um futuro imaginário que se entregou ao fascismo, a história captura a natureza sufocante da vida em um estado policial autoritário e a força redentora do espírito humano que se rebela contra essa situação. O livro traz inigualável profundidade de caracterizações e verossimilhança a este audacioso conto de opressão e resistência.


Cumbe, de Marcelo D’Salete

Um livro que já nasce com um clássico dos quadrinhos brasileiros e que tem como protagonistas os negros escravos em sua luta de resistência contra a opressão escravagista. Cumbe, a palavra banto que dá nome à obra, é rica em sentidos: é o Sol, o dia, a luz, o fogo e a maneira de compreender a vida e o mundo. Também é um sinônimo de quilombo.


As tiras clássicas da Turma da Mônica, de Maurício de Sousa

Este livro surgiu a partir de uma coletânea de tirinhas publicadas por Maurício de Sousa, entre 1962 e 1964. A obra manteve o conteúdo e a ortografia originais. Com isso, alguns comentários de passagens que ocorreram na época tornam esse produto ainda mais interessante para os colecionadores e novos leitores.


A saga do monstro do pântano, de Alan Moore

A Saga do Monstro do Pântano reúne as primeiras histórias escritas por Alan Moore para o personagem. Como extras, o volume conta com introdução do próprio quadrinistas e algumas páginas de textos explicativos com as referências encontradas na obra.


A revolução dos bichos, de George Orwell

O clássico de George Orwell foi adaptado pelo quadrinista Odyr. A revolução dos bichos pode ser definida como uma fábula sobre o poder. No livro, o escritor narra a insurreição dos animais de uma granja contra os seus donos. No entanto, a revolução revela-se em um autoritarismo pior que o dos humanos. A obra faz claras referências contra a ditadura stalinista: Napoleão seria Josef Stálin, ex-primeiro ministro da União Soviética, e o Bola-de-Neve seria Leon Trotsky, um intelectual marxista.


Persépolis, de Marjane Satrapi

Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita. Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares.


Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

3 thoughts on “7 livros para comemorar o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos

  • 26.07.2019 em 9:34 am
    Permalink

    Olá! Gostei muito do quadrinho de abertura que ilustra um jovem casal apaixonado! Qual seria este quadrinho?

  • 08.02.2019 em 10:37 am
    Permalink

    Muito bom! Eu incluiria “Watchmen”…

  • 04.02.2019 em 9:19 pm
    Permalink

    Sensacional a matéria. Parabéns!

Fechado para comentários.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas