12 mulheres para ler em 2019

(3.9 Estrelas - 7 Votos)

Ao longo dos anos, escritoras conquistaram mais espaço no meio literário. Que tal conhecer algumas autoras nos próximos 12 meses?

Nos últimos anos, as mulheres ganharam mais destaque no meio literário, seja em publicações de livros, em palestras ou em eventos de literatura. Uma das principais ações que incentivam a divulgação das obras das escritoras é o projeto Leia Mulheres, criado em 2014 pela autora britânica Joanna Walsh.

A iniciativa, que ganhou o mercado editorial brasileiro e mundial, tem o objetivo de dar mais visibilidade a essas mulheres. No Brasil, o projeto convida os leitores a conhecer os trabalhos das autoras nas livrarias, bibliotecas, cafés e espaços culturais.

Desafio Literário 2019

Você conhece o nosso Desafio Literário 2019? Sugerimos aos nossos seguidores a ler um livro por mês, com temáticas diferentes. Em janeiro, convidamos todos a lerem uma obra escrita por uma mulher. Aproveite o desafio e incentive também o Leia Mulheres!

LEIA MAIS: Veja livros para cada personalidade

Desde 2017, fazemos uma lista com 12 escritoras que merecem ser conhecidas. A seleção deste ano reúne nomes como Djamila Ribeiro, Leila Slimani e Aline Bei. Veja a lista e boa leitura!


Câmera lenta, de Marília Garcia

Em Câmera lenta, livro vencedor do Prêmio Oceanos 2018, Marília Garcia continua sua pesquisa sobre o processo poético e se dedica a uma profunda análise sobre as hélices do avião e sobre a vontade de decifração. Nesta obra, o poema é visto como um lugar para experimentar, exercitar o pensamento e testar procedimentos novos, sempre em aberto.Câmera lenta, de Marília Garcia


O peso do pássaro morto, de Aline Bei

Em 2018, a escritora Aline Bei conquistou a categoria de estreantes do Prêmio São Paulo de Literatura, com o livro O peso do pássaro morto. Um dos destaques do ano, a obra narra, de forma poética, a vida de uma mulher, dos 8 aos 52 anos, desde singelezas cotidianas até tragédias que persistem nas gerações.

O peso do pássaro morto, de Aline Bei


Tudo nela brilha e queima, de Ryane Leão

Lançado em 2017, Tudo nela brilha e queima é o livro de estreia da escritora Ryane Leão. Mulher negra, poeta e professora, ela é criadora do projeto “Onde jazz mora no meu coração”. “A poesia é minha chance de ser eu mesma diante de um mundo que tanto me silencia. É minha vez de ser crua. Minha arma de combate”, diz a autora na sinopse da obra.

Tudo nela brilha e queima


Quem tem medo do feminismo negro?, de Djamila Ribeiro

Quem tem medo do feminismo negro? reúne um longo ensaio autobiográfico inédito e uma seleção de artigos publicados por Djamila Ribeiro no blog da revista CartaCapital, entre 2014 e 2017. A filósofa recupera memórias de seus anos de infância e adolescência para discutir o que chama de “silenciamento”, processo de apagamento da personalidade por que passou e que é um dos muitos resultados perniciosos da discriminação. Quem tem medo do feminismo negro?


Assim na Terra como embaixo da Terra, de Ana Paula Maia

A escritora Ana Paula Maia foi um dos principais destaques do meio literário de 2018. Com o livro Assim na Terra como embaixo da Terra, a autora conquistou o Prêmio São Paulo de Literatura, na categoria de melhor romance. Baseada em um conto de Franz Kafka, a obra retrata a história de uma colônia penal situada no Brasil, para onde são enviados os “desgarrados da sociedade”. Eles precisam enfrentar o duro cotidiano no campo de extermínio.

Assim na terra como embaixo da terra, de Ana Paula Maia


Canção de ninar, de Leila Slimani

A lista também não poderia deixar de fora o livro Canção de ninar, da escritora franco-marroquina Leila Slimani. O título foi considerado um dos dez melhores livros de 2018, segundo o jornal The New York Times. De forma intensa, o romance conta a história de um casal que contrata a babá perfeita para cuidar de seus filhos. No entanto, eles se veem cada vez mais dependentes da profissional.Canção de Ninar, de Leila Slimani


Vulgo Grace, de Margaret Atwood

Autora do best-seller O conto da Aia, a escritora Margaret Atwood também se destacou com o romance Vulgo Grace. O livro remonta a trajetória de Grace Marks, uma criada condenada à prisão perpétua por ter ajudado a assassinar o patrão, Thomas Kinnear, e a go­ver­nanta da casa, Nancy Montgomery. A escritora deixa subenten­didos importantes aspectos da trajetória da protagonista para que o leitor forme sua própria opinião sobre o que teria motivado o crime. Vulgo Grace, de Margaret Atwood


Todo dia a mesma noite – A história não contada da Boate Kiss, de Daniela Arbex

Todo dia a mesma noite traz uma reportagem definitiva sobre a tragédia que abateu a cidade de Santa Maria em 2013. A obra relembra e homenageia os 242 mortos no incêndio da Boate Kiss. Neste livro, a jornalista Daniela Arbex reconstitui de maneira sensível e inédita os eventos da madrugada de 27 de janeiro de 2013. Foram necessárias centenas de horas dos depoimentos de sobreviventes, familiares, equipes de resgate e profissionais.

todo dia a mesma noite - daniela arbex


Com armas sonolentas, de Carola Saavedra

Este é o livro mais recente da escritora Carola Saavedra. O romance polifônico retrata a história de três mulheres, que vivenciam o exílio e o abandono em um desencontro de idiomas, lugares e experiências. A personagem Anna é uma aspirante a atriz, de origem humilde, enquanto a melancólica jovem alemã Maike resolve estudar português e descobre sua improvável ligação com o Brasil e a língua. Há ainda uma terceira personagem, sem nome, que é obrigada a sair de casa no interior de Minas, aos 14 anos, para trabalhar como doméstica.

Com armas sonolentas, de Carola Saavedra


Herland – A terra das mulheres, de Charlotte Perkins Gilman

Publicado pela primeira vez em 1915, Herland – A terra das mulheres é uma novela que coloca os holofotes sobre a questão de gênero. Escrito pela feminista Charlotte Perkins Gilman, o livro descreve uma sociedade formada unicamente por mulheres que vivem livres de conflitos e de dominação. A história é narrada por um estudante de sociologia que, junto a dois companheiros, chega ao lendário país ocupado por mulheres. Herland - A terra das mulheres


Um beijo de colombina, de Adriana Lisboa

Quando desapareceu no mar de Mangaratiba, a jovem escritora Teresa deixou dois prêmios literários recém-conquistados, um romance inacabado e um poema de Manuel Bandeira pendurado num ímã de geladeira. Diante do possível suicídio da namorada, João, um professor de latim, se aferra à literatura para superar a perda. Instalado no apartamento de Teresa, João encontra uma antiga edição de Manuel Bandeira com anotações da escritora nas margens. Um beijo de colombina, de Adriana Lisboa


O crime do Cais do Valongo, de Eliane Alves Cruz

O crime do cais do Valongo, de Eliana Alves Cruz, é um romance histórico-policial que começa em Moçambique e vem parar no Rio de Janeiro, no Cais do Valongo. O local foi porta de entrada de 500 mil a um milhão de escravizados de 1811 a 1831 e foi alçado a patrimônio da humanidade pela Unesco em 2017. A história acontece no início do século XIX e é contada por dois narradores — Muana e Nuno — que conviveram com a vítima: o comerciante Bernardo Vianna.O crime do Cais do Valongo, de Eliana Alves Cruz


O que você achou da lista? Comente e participe!

Gabriela Mattos

Gabriela Mattos

Redatora em Estante Virtual
Gabriela é jornalista e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea brasileira e jornalismo literário.
Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea brasileira e jornalismo literário.

Um comentário em “12 mulheres para ler em 2019

  • 17.01.2019 a 7:56 pm
    Permalink

    É inspiração para o ano inteiro….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares