9 músicas para viajar pelo universo de “Torto Arado”

(0 Estrelas - 0 Votos)

É fã do romance de Itamar Vieira Junior? Então conheça nove músicas para mergulhar ainda mais no universo de Bibiana, Belonísia e companhia

Vencedor do Prêmio Oceanos 2020 e considerado o melhor romance do ano no Prêmio Jabuti 2020, Torto Arado tornou-se um dos livros mais importantes na literatura brasileira contemporânea e uma febre entre os leitores.

Escrito por Itamar Vieira Júnior, a obra conta a história de Bibiana e Belonísia, duas irmãs que vivem no sertão baiano. Um dia, elasencontram uma faca na mala guardada sob a cama de sua avó e então, acontece um acidente. Desse momento em diante, as vidas das duas estarão para sempre ligadas e uma será a voz da outra quando isso for necessário.

Em homenagem à “Torto Arado”, nós selecionamos nove músicas que vão fazer você mergulhar ainda mais no universo de Bibiana, Belonísia e companhia. Aproveite as canções e leituras!


Bravum de Elegbara, Fabiana Cozza

Canção de Moyseis Marques e Luiz Antonio Simas, Bravum de Elegbara foi gravada por Fabiana Cozza no ano passado. A canção saúda Exu, orixá também conhecido como Elegbara e que é considerado mensageiros dos orixás e senhor dos caminhos nas tradições afro-brasileiras.

Para ir além da canção…

Filosofias africanas: Uma introdução, Nei Lopes e Luiz Antonio Simas

Em Filosofias africanas,Nei Lopes e Luiz Antonio Simas tratam, de maneira didática, dos saberes ancestrais africanos e da contribuição de filósofos africanos e afrodescendentes contemporâneos na atualização desses saberes, muitos dos quais pautados no decolonialismo.


Chorojô, Os Tincoãs

Gravada no álbum “Os Tincoãs” (1973), Chorojô é uma canção do grupo formado no Recôncavo Baiano no fim dos anos 1950. A faixa fala sobre o dia em que Mamãe Oxum chorou e a sua maré secou pela falta de amor.

Para ir além da canção…

O Mar que Banha a Ilha de Goré, Kiusam de Oliveira

Em O Mar que Banha a Ilha de Goré, percorremos o caminho inverso das viagens empreendidas pelos africanos escravizados a partir do século XVI. Guiados por Kika, os leitores vão conhecer uma terra rica e cheia de história e poderão encontrar o caminho para compreender a história afro-brasileira, incluindo o negro e sua trajetória traumática no imaginário da formação da cultura brasileira.


Deus Me Proteja, Chico César

Deus me Proteja é uma composição de Chico César, gravada em parceria com Dominguinhos no ano de 2008. Em uma espécie de oração a Deus, a canção exala positividade e ressalta a importância de se manter atento em um mundo marcado tanto pela “maldade de gente boa” como pela “bondade da pessoa ruim”.

Para ir além da canção…

Tudo Nela Brilha e Queima, Ryane Leão

O livro de estreia de Ryane Leão expõe as vivências da professora e poeta em um mundo que insiste em silenciar as vozes de mulheres negras. Em Tudo Nela Brilha e Queima, Ryane compartilha com os leitores as suas experiências com o amor, a rotina, a cidade, as transições, os recomeços, os tropeços, as partidas e as contrapartidas.


Obatalá, Metá Metá

Presente no álbum “Metá Metá” (2011), Obatalá é uma canção instrumental de arranjo versado no jazz e vocalizes comandados pela cantora, professora e vocalista do grupo paulistano, Juçara Marçal. Em seu título, a faixa leva o nome do mais velho dos orixás, considerado na mitologia iorubá como o criador dos humanos.

Para ir além da canção…

Um defeito de cor, Ana Maria Gonçalves

Um Defeito de Cor conta a história de uma africana idosa, cega e à beira da morte, que viaja da África para o Brasil em busca do filho perdido há décadas. Durante a travessia, ela narra detalhes sobre a sua vida, marcada por mortes, estupros, violência e escravidão.


Ponto de Nanã, Mariene Castro

Escrita por Roque Ferreira, Ponto de Nanã foi um presente à cantora, compositora e atriz baiana Mariene de Castro. A música surge como homenagem à nação Yorubá, herança dos povos escravizados vindos da região da Nigéria ao o Brasil, e fala também sobre início, fim, vida e morte. Em entrevista, Mariene afirmou que a canção simboliza o encontro das duas senhoras: Oxum e Nanã.

Para ir além da canção…

Água de Barrela, Eliana Alves Cruz

Em Água de Barrela, conhecemos a história de mulheres negras como Damiana, que encontram no lavar, passar, enxaguar e quarar das roupas das patroas e sinhás brancas um modo de sobrevivência em quase trezentos anos de história, desde o Brasil na época da colônia até o início do século XX.


Sustenta a Pisada, Cátia de França

Na faixa Sustenta a Pisada, presente no disco 20 Palavras ao redor do Sol”, a cantora e compositora paraibana Cátia de França reforça a importância de se colocar de maneira verdadeira neste mundo, de sustentar as suas pisadas e seguir firme em sua trajetória.

Para ir além da canção…

Olhos D’Água, Conceição Evaristo

Lançado em 2014, “Olhos D’Água” reúne 15 contos que relatam a história de mulheres e homens negros que sofreram e sofrem os diferentes tipos de violência e depreciação na sociedade. Ao longo das, Conceição Evaristo fala sobre o cotidiano de pessoas que sofrem com a miséria e a exclusão social.


Uanga, Luedji Luana e Lande Onawale

Uanga foi escrita pelo poeta baiano Lande Onawale e gravada por Luedji Luna em seu álbum “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”. A música é, na verdade, uma poesia; uma espécie de mantra feito para a entidade do amor.


Para ir além da canção…

Doramar ou a odisseia: Histórias, Itamar Vieira Junior

Em seu novo livro, Doramar ou a odisseia: Histórias, Itamar Vieira Junior apresenta um conjunto de narrativas que fincam raízes no presente ressaltam a multiplicidade cultural formadora do país. Os contos apresentam personagens que desafiam os limites e dão luz a discussões sobre o nosso passado escravocrata, exaltando também a cultura afro-brasileira, a ancestralidade indígena, a marginalidade e a loucura.


Yayá Massemba, Maria Bethânia

Composta por Roberto Mendes e Capinam, Yayá Massemba foi gravada por Maria Bethânia no disco “Brasileirinho” (2008). A canção fala sobre as duras viagens que os negros africanos escravizados faziam nos porões dos navios negreiros e exalta as tradições culturais e religiosas trazidas por esses povos às terras brasileiras – e fundamentais na constituição cultural do país.

Para ir além da canção…

Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis, Jarid Arraes

Neste livro, a escritora Jarid Arraes apresenta uma coleção de cordéis que resgatam a memória de mulheres negras fundamentais na história do país. Essas heroínas pela liberdade e por direitos, reivindicaram seus espaços na política e nas artes e levantaram a voz contra a injustiça e a opressão. Carolina Maria de Jesus, Tereza de Benguela, Tia Ciata e Dandara são algumas delas.


Zumbi, Jorge Ben Jor

Também conhecida como “África Brasil (Zumbi)”, Zumbi foi escrita pelo cantor e compositor Jorge Ben. A canção, que surge no álbum lendário “A Tábua de Esmeralda” (1974), trata-se de uma homenagem à Zumbi, líder do Quilombo de Palmares, e à sua luta pela libertação dos povos escravizados no país durante o século XVII.

Para ir além da canção…

Cumbe, Marcelo Dsalete

Cumbe é uma palavra de origem banto que quer dizer Sol, mas também é sinônimo de quilombo. A história em quadrinhos de Marcelo Dsalete acompanha a trajetória de negros escravizados que se articulam em uma luta de resistência contra a opressão escravagista.


Você já leu “Torto Arado”?


Yasmin Lisboa

Yasmin é jornalista e estudante de Cinema. Cantora e colecionadora de discos e livros, é fascinada pela cultura popular brasileira.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas