[Resenha] “Arruaças” exalta a filosofia que vem das ruas e terreiros do Rio

(0 Estrelas - 0 Votos)

Lançado em 2020, “Arruaças: uma filosofia popular brasileira” versa sobre o pensamento produzido no país através das experiências e trajetórias

No livro “Arruaças: uma filosofia popular brasileira” (Editora Bazar do Tempo), os escritores, professores e pensadores cariocas Luiz Antonio Simas, Luiz Rufino e Rafael Haddock-Lobo partem dos saberes presentes nas ruas e suas encruzilhadas, nos terreiros e nas trajetórias dos malandros, Pombagiras e boiadeiros para defender a existência de uma autêntica filosofia popular brasileira.

Dividida em capítulos curtos, reunidos conjuntos chamados de “Fundanga”, “Quizumba” e “Cafofo” e finalizada com um glossário, a obra esmiúça as sabenças de uma cultura do contra-ataque produzida pelos nossos ancestrais através das brechas e do drible diante de uma vida marcada pelas adversidades e a colonização dos pensamentos e dos corpos; cultura essa que nos forma verdadeiramente como povo brasileiro.

Através de suas páginas, conhecemos a filosofia presente nas festas de rua do subúrbio carioca, nos cantos e tambores – dos terreiros à avenida – e no caminhar de figuras basilares em nossa formação enquanto país como Clementina de Jesus, também conhecida como Rainha Quelé, Madame Satã, Joãozinho da Gomeia e Garrincha.

Arruaças, como foi muito bem dito a professora Janaína Damasceno, “inscreve a legitimidade de nosso pensamento” e nos coloca de igual para igual diante de uma concepção eurocêntrica de filosofia, defendida por autores como o francês Gilles Deleuze.

Aliás, falando em França, aprendemos no capítulo “Beauvoir no terreiro”, escrito por Rafael Haddock-Lobo, que foi no terreiro de João da Gomeia, na Baixada Fluminense, que Simone de Beauvoir se encantou pela macumba e com a alcunha de “filha da Gomeia”, passou a vir ao Brasil anualmente para a festa da dona dos ventos.

Uma verdadeira ode à felicidade guerreira, Arruaças acena para um Brasil que nada contra a corrente desde a sua fundação, sobrevive nas brechas e transforma dor em samba, suor e poesia e acredita no encantamento como única maneira de superar um projeto de país que já nasceu fadado ao fracasso.

Curtiu a proposta de “Arruaças”? Então conheça outras obras escritas pelos três autores do livro.


Flechas no tempo, Luiz Antonio Simas e Luiz Rufino

Partindo do princípio de que o contrário da vida não é a morte, Flechas no tempo foi escrito com a palavra encaboclada e o olhar atento à labuta das iaôs que cobrirão com folhas de pitangas o nosso solo fértil, macaia das solidões compartilhadas. O livro de Luiz Antonio Simas e Luiz Rufino parte de um desafio e de uma constatação: ou escutaremos e falaremos com outras vozes ou nos calaremos pra sempre.


Fogo no mato: A ciência encantada das macumbas, Luiz Antonio Simas e Luiz Rufino

Em Fogo no mato: A ciência encantada das macumbas, Luiz Antonio Simas e Luiz Rufino propõem uma interpretação do Brasil a partir do conhecimento acumulado na macumba e em outros saberes populares. Nesse conjunto de ensaios, os autores afirmam que no Brasil terreiro, os tambores são autoridades e o solo do terreiro Brasil é o lugar onde está plantado o axé, chão que reverbera vida.


O corpo encantado das ruas, Luiz Antonio Simas

Em O Corpo Encantado das Ruas, Luiz Antonio Simas fala sobre a riqueza dos saberes, práticas, modos de vida, visões de mundo das culturas presentes nas ruas. Para Simas, as ruas são lugares de encontros improváveis e suas tramas confundem-se com a escrita da cidade. O livro trata de reinventar afetos e significados para que o povo jamais deixe de ocupar as ruas.


Para um pensamento úmido, Rafael Haddock-Lobo

Para um pensamento úmido retoma duas grandes dificuldades da filosofia. De um lado, a indeterminação do conceito, em que a escolha do úmido serve como metáfora da travessia interminável do pensamento. De outro, a contingência das ideias, em que a escolha da aposta serve como uma maneira de acercar-se do abismo da fé, da alteridade e do devir.


Pedagogia das Encruzilhadas, Luiz Rufino

Em Pedagogia das Encruzilhadas, Luiz Rufino lança o olhar pelo cruzo entre as sabedorias ancestrais que ao longo de séculos foram produzidas como descredibilidade, desvio e esquecimento. Para isso, o autor se inspira nas lições passadas por aqueles que foram aprisionados nas margens da história para firmar como verso de encante a defesa de que a condição do Ser é primordial à manifestação do Saber.


Você já leu “Arruaças”?


Yasmin Lisboa

Yasmin é jornalista e estudante de Cinema. Cantora e colecionadora de discos e livros, é fascinada pela cultura popular brasileira.

Maze Runner: Conheça os livros da saga Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses