80 anos de John Lennon: música, ativismo e irreverência

(5 Estrelas - 1 Votos)

Criador dos Beatles e grande representante da luta pela paz, o cantor, compositor e guitarrista britânico John Lennon faria 80 anos

O cantor, compositor, guitarrista e líder dos Beatles, John Winston Ono Lennon, nasceu em 9 de outubro de 1940, na cidade de Liverpool, na Inglaterra. Na infância, John Lennon enfrentou sérios problemas com os pais, Julia Stanley e Alfred Lennon, e acabou sendo criado como anglicano pela tia materna Mimi, que conseguiu a custódia do menino no Serviço Social de Liverpool.

Durante a adolescência, Lennon conheceu o skiffle, gênero musical que mistura influências do folk, do jazz e do blues, e ficou fascinado pela música. O seu interesse fez com que, em 1956, o jovem britânico formasse a sua primeira banda, “The Quarrymen”. Aos poucos, Paul McCartney e George Harrison também se juntariam ao grupo e, em e 1960, surgia, enfim, “Os Beatles”. Mas os fab four só se estariam completos com a entrada de Ringo Star, em 1962.

Em 1963, Os Beatles já frequentavam todas as paradas de sucesso da Inglaterra e, a partir daquele momento, o grupo se tornaria o mais bem sucedido na história da música. Com o parceiro Paul McCartney, Lennon compôs grandes sucessos da banda como “Love Me Do”, “Let It Be”, “Eleanor Rigby” e “Yellow Submarine”. O fundador dos Beatles ficou na banda até setembro de 1969 e depois seguiu em carreira solo.

No mesmo ano, John Lennon casou-se com a artista plástica japonesa Yoko Ono e, aproveitando-se a ocasião, os dois fizeram uma campanha chamada “Bed-in” em favor da paz e contra a Guerra do Vietnã. Durante um mês inteiro o casal permaneceu na cama de um quarto de hotel, recebendo a visita de repórteres, artistas e amigos.

Com Yoko, Lennon produziu mais de doze trabalhos musicais ao longo da década de 1970. Entre os trabalhos de grande destaque do artista nesse momento vale citar o seu primeiro álbum solo, “John Lennon/Plastic Ono Band” (1970), e singles de sucesso internacional como “Give Peace a Chance”, “Happy Xmas (War Is Over)” e “Imagine”, que virou um hino antiguerra e um símbolo da contracultura.

Além disso, após se mudarem para Nova York em 1971, o casal juntou-se à extrema-esquerda norte-americana e passou a atuar em movimentos e campanha contra a Guerra do Vietnã, ao lado de ativistas como Jerry Rubin, Abbie Hofmann e Angela Davis. As constantes críticas ao conflito bélico fizeram com que o governo do presidente Richard Nixon iniciasse uma tentativa sem sucesso de deportá-los do país.

No entanto, com o nascimento de Sean, primeiro filho do casal e segundo do artista, que já era pai de Julian Lennon (fruto do casamento com Cynthia Powell), em 1975, Lennon decidiu dar uma pausa na carreira musical e na atuação como ativista e voltar toda a sua atenção para a chegada do pequeno. Durante cinco anos, o músico britânico dedicou-se aos cuidados com a família e só retornou ao trabalho no ano 1980, quando lançou o álbum “Double Fantasy” em mais uma parceria com Yoko.

Três semanas após lançar o novo disco, John Lennon foi assassinado por Mark David Chapman em frente ao seu apartamento, em Manhattan. O homem, que se dizia fã dos Beatles, já havia pedido um autógrafo de Lennon em sua cópia de “Double Fantasy” às 17h. Após realizar o pedido do fã, o músico saiu junto com Yoko para uma gravação com Record Plant Studios e retornaram à casa por volta das 22h50.

Ao se aproximarem do edifício Dakota, o casal foi surpreendido por Chapman que atirou quatro vezes em Lennon quatro vezes pelas costas. Lennon chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu. Os restos mortais de John Lennon foram cremados e as suas cinzas foram espalhadas por Yoko Ono no Central Park. A morte do artista foi um dos eventos de maior comoção na história do pop-rock mundial.


A última entrevista do casal John Lennon e Yoko Ono, David Sheff

Em A última entrevista do casal John Lennon e Yoko Ono, David Sheff revela detalhes sobre uma entrevista que realizou com John Lennon e Yoko Ono em 1980. A conversa, que aconteceu ao longo de três semanas no apartamento de Dakota, no estúdio de gravação e vários outros lugares, aborda diferentes assuntos como os detalhes do casamento dos dois e as lembranças dos tempos dos Beatles.


John Lennon: a vida, de Philip Norman

John Lennon: a Vida narra a trajetória de John Winston Lennon, um dos maiores roqueiros de todos os tempos. Após conseguir acessar documentos inéditos e testemunhos diretos de Yoko Ono, Sean Lennon e Paul McCartney, Philip Norman descreve em detalhes a infância e adolescência do ex-Beatle, além de abordar episódios e personagens essenciais para a compreensão de uma figura mais admiradas e complexas do rock.


Paz, Amor e Sgt. Pepper, George Martin

Paz, Amor e Sgt. Pepper conta a história do álbum “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, lançado pelos Beatles em 1967. No livro, George Martin, que foi produtor e arranjador do disco e é considerado como o quinto Beatle, oferece um panorama sobre os acontecimentos da época e relata os detalhes de tudo o que aconteceu durante os seis meses de gravação do disco.


O Som da Revolução: Uma História Cultural do Rock (1965 1969), Rodrigo Merherb

O livro de Rodrigo Merherb produz um mapeamento histórico a respeito da evolução do Rock entre os anos de 1965 e 1969, ressaltando os grandes embates estéticos e políticos que atravessam esse gênero, considerado como um dos mais importantes movimentos culturais contemporâneos. Em O Som da Revolução, acompanhamos as aventuras de artistas como Jimi Hendrix, Beatles, Pink Floyd e Bob Dylan em um extenso painel sobre a trilha sonora da contracultura.


The Beatles: A Biografia, Bob Spitz

The Beatles: A Biografia constrói um completo relato sobre a banda mais famosa de todos os tempos. No livro, Bob Spitz apresenta entrevistas e uma ampla pesquisa que realizou sobre a banda ao longo de sete anos e revela os bastidores da construção do grupo formado pelos quatro garotos de Liverpool: John, Paul, George e Ringo.


Você já conhecia a trajetória de John Lennon?


Yasmin Lisboa
Comentários

Yasmin Lisboa

Yasmin é jornalista e estudante de Cinema. Cantora e colecionadora de discos e livros, é fascinada pela cultura popular brasileira.

Um comentário em “80 anos de John Lennon: música, ativismo e irreverência

  • 12.10.2020 a 2:25 pm
    Permalink

    M sicos que cultuam o legado dos Beatles, como integrantes de grupos especializados na releitura da obra da banda inglesa, falaram ao Correio sobre John Lennon, na passagem dos 80 anos do autor de Imagine e outros cl ssicos da hist ria do rock.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *