Confira os 10 livros mais vendidos de setembro na Estante Virtual

(5 Estrelas - 1 Votos)

Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus, voltou ao topo do nosso ranking dos mais vendidos do mês. Veja a lista completa!

O mês de setembro foi novamente marcado pela temática sobre racismo na nossa lista de livros mais vendidos. Depois de alguns meses, o clássico Quarto de despejo – Diário de uma favelada, de Carolina Maria de Jesus, retornou ao topo do ranking da Estante Virtual. Logo em seguida, aparece Racismo estrutural, de Silvio Almeida.

Assim como esta obra, Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro, marcou novamente presença na lista de livros mais vendidos pelo quarto mês seguido. Que tal conferir o ranking completo? Confira a lista e escolha sua próxima leitura!


Quarto de despejo – Diário de uma favelada, de Carolina Maria de Jesus

Neste livro, o duro cotidiano dos favelados ganha uma dimensão universal no diário de uma catadora de lixo. Com linguagem simples, a escritora Carolina Maria de Jesus conta o que viveu, sem artifícios ou fantasias.


Racismo estrutural, de Silvio Almeida

Nos anos 1970, Kwame Turu e Charles Hamilton, no livro Black Power, apresentaram pela primeira vez o conceito de racismo institucional: muito mais do que a ação de indivíduos com motivações pessoais, o racismo está infiltrado nas instituições e na cultura, gerando condições deficitárias a priori para boa parte da população. É a partir desse conceito que o autor Silvio Almeida apresenta dados estatísticos e discute como o racismo está na estrutura social, política e econômica da sociedade brasileira.


Pele negra, máscaras brancas, de Frantz Fanon

A obra fala sobre a negação do racismo contra o negro na França e teve sua primeira edição, em português, em 1963. Aborda o pensamento da Diáspora Africana, o pensamento da descolonização, do pensamento psicológico, da teoria das ciências, da filosofia e da literatura caribenha. O autor trata também da ideologia que ignora a cor, e como ela pode apoiar o racismo que nega – pensamento que causou grande turbulência nas décadas de 1960 e 1970.


Comunicação não-violenta, de Marshall B. Rosenberg

Em um mundo violento, cheio de preconceitos e mal-entendidos, busca-se ansiosamente por soluções. Este livro é um manual prático e didático que apresenta metodologia criada pelo autor, voltada para aprimorar os relacionamentos interpessoais e diminuir a violência no mundo. Usando sua experiência como psicólogo clínico e criador do método da comunicação não-violenta, Marshall Rosenberg ensina o leitor a se libertar dos condicionamentos e dos efeitos de experiências passadas; transformar padrões de pensamento que conduzem a discussões, raiva e depressão; resolver seus conflitos com os outros pacificamente; criar relacionamentos interpessoais baseados em respeito mútuo, compaixão e cooperação.


Em busca de sentido, de Viktor E. Frankl

O fundador da Logoterapia mostra nesta obra como foi a sua própria experiência em busca do sentido da vida num campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Apresenta também, numa segunda parte, os conceitos básicos da logoterapia.


Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro

Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. Em 11 capítulos curtos e contundentes, a autora apresenta caminhos de reflexão para aqueles que queiram aprofundar sua percepção sobre discriminações racistas estruturais e assumir a responsabilidade pela transformação do estado das coisas.


A revolução dos bichos, de George Orwell

Escrito na Segunda Guerra Mundial, A Revolução dos Bichos constrói uma sátira feroz à ditadura stalinista com referências à figura de Stalin, Trostky e de eventos políticos, mimetizando o que de fato ocorria na União Soviética. Para compor uma representação da humanidade da época, George Orwell recorreu aos animais como personagens de uma realidade dura e cruel, que animalizava os homens.


Como fazer amigos e influenciar pessoas, de Dale Carnegie

O famoso livro de Dale Carnegie é um guia para quem quer aprender a se relacionar melhor no âmbito profissional ou no âmbito pessoal. Na obra, o autor oferece conselhos, dicas e métodos eficientes para que qualquer um possa alcançar os seus objetivos pessoais e profissionais.


Orgulho e preconceito, de Jane Austen

O livro de Jane Austen se passa na Inglaterra do final do século XVI e conta a história de Elizabeth Bennet. Lizzy é uma jovem de vinte anos que defende as suas posições e não mede esforços para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy. Com a lucidez típica de uma filósofa liberal da província, a garota se coloca como uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista e protofeminista.


Sapiens – Uma breve história da humanidade, de Yuval Noah Harari

O autor repassa a história da humanidade, ou do homo sapiens, desde o surgimento da espécie durante a pré-história até o presente, mas em vez de apenas “inventariar” os fatos históricos ele os relaciona com questões do presente e os questiona de maneira surpreendente. Além disso, para cada fato ou crença que temos como certa hoje em dia, o autor apresenta as diversas interpretações existentes a partir de diferentes pontos de vista, inclusive as muito atuais, e vai além, sugerindo interpretações muitas vezes desconcertantes.


Você já leu algum livro da lista?


Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *