Livros de Djamila Ribeiro e Silvio Almeida estão entre os mais vendidos de julho

(0 Estrelas - 0 Votos)

Esta é a primeira vez que o Racismo estrutural aparece no ranking. Lista de mais vendidos reúne algumas obras sobre racismo. Confira!

Julho foi um mês de muitas leituras na Estante Virtual. O ranking de livros mais vendidos do período foi marcado, principalmente, por obras de temática sobre racismo, já que o assunto tornou-se um dos principais debates do momento após o movimento Black lives matter (Vidas negras importam). Pelo segundo mês consecutivo, o Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro, lidera a lista do portal.

Outro destaque do mês foi a estreia do livro Racismo estrutural, de Silvio Almeida, no nosso ranking. Na obra, o autor traz o conceito de racismo institucional, o qual mostra que é um problema enraizado nas instituições e na cultura brasileira.

A lista também inclui alguns clássicos, como Quarto de despejo – Diário de uma favelada, de Carolina Maria de Jesus, que sempre marca presença no nosso ranking, e Como fazer amigos e influenciar pessoas, de Dale Carnegie. Confira a seleção completa e boa leitura!


Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro

Neste pequeno manual, a filósofa e ativista Djamila Ribeiro trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. Em 11 capítulos curtos e contundentes, a autora apresenta caminhos de reflexão para aqueles que queiram aprofundar sua percepção sobre discriminações racistas estruturais e assumir a responsabilidade pela transformação do estado das coisas.


Quarto de despejo – Diário de uma favelada, de Carolina Maria de Jesus

Neste livro, o duro cotidiano dos favelados ganha uma dimensão universal no diário de uma catadora de lixo. Com linguagem simples, a escritora Carolina Maria de Jesus conta o que viveu, sem artifícios ou fantasias.


Pele negra, máscaras brancas, de Frantz Fanon

Este livro examina a negação do racismo contra o negro na França. É um clássico do pensamento sobre a diáspora africana, sobre a descolonização, a arquitetura psicológica, a teoria das ciências, a filosofia e a literatura caribenha. Analisa o axioma que causou grande turbulência nas décadas de 60 e 70: como a ideologia que ignora a cor pode apoiar o racismo que nega.


Racismo estrutural, de Silvio Almeida

Nos anos 1970, Kwame Turu e Charles Hamilton, no livro Black Power, apresentaram pela primeira vez o conceito de racismo institucional: muito mais do que a ação de indivíduos com motivações pessoais, o racismo está infiltrado nas instituições e na cultura, gerando condições deficitárias a priori para boa parte da população. É a partir desse conceito que o autor Silvio Almeida apresenta dados estatísticos e discute como o racismo está na estrutura social, política e econômica da sociedade brasileira.


Como fazer amigos e influenciar pessoas, de Dale Carnegie

O famoso livro de Dale Carnegie é um ótimo guia para quem quer aprender a se relacionar melhor no âmbito profissional ou no âmbito pessoal. Na obra, o autor oferece conselhos, dicas e métodos eficientes para que qualquer um possa alcançar os seus objetivos pessoais e profissionais.


Necropolítica, de Achile Mbembe

Neste ensaio, o autor mostra que as formas contemporâneas que subjugam a vida ao poder da morte (necropolítica) reconfiguram profundamente as relações entre resistência, sacrifício e terror. Demonstra que a noção de biopoder é insuficiente para dar conta das formas contemporâneas de submissão da vida ao poder da morte. Além disso, propõoe a noção de necropolítica e de necropoder para dar conta das várias maneiras pelas quais, em nosso mundo contemporâneo, as armas de fogo são dispostas com o objetivo de provocar a destruição máxima de pessoas e criar “mundos de morte.


Sapiens – Uma breve história da humanidade, de Yuval Noah Harari

Neste livro, Yuval Noah Harari debate a existência do Sapiens ao longo de toda a história da humanidade. Nesse sentido, o autor recorre a explicações sobre o capitalismo e o imperialismo e oferece aos leitores um relato eletrizante sobre a aventura de nossa espécie, desde insignificantes primatas a senhores do mundo.


A revolução dos bichos, de George Orwell

Escrito na Segunda Guerra Mundial, A Revolução dos Bichos constrói uma sátira feroz à ditadura stalinista com referências à figura de Stalin, Trostky e de eventos políticos, mimetizando o que de fato ocorria na União Soviética. Para compor uma representação da humanidade da época, George Orwell recorreu aos animais como personagens de uma realidade dura e cruel, que animalizava os homens.


Mais esperto que o diabo, de Napoleon Hill

Neste livro, você vai descobrir, após 75 anos de segredo, por meio desta entrevista exclusiva que Napoleon Hill fez, quebrando o código secreto da mente do Diabo: Quem é o Diabo? Onde ele habita? Quais suas principais armas mentais? Quem são os alienados e de que forma eles ou elas se alienam? O que é o medo?


Dom Quixote, Miguel de Cervantes

Neste clássico, o escritor Miguel de Cervantes retrata a história de um ingênuo senhor rural cujo passatempo favorito era a leitura de livros de cavalaria. Na sua obsessão, acreditava literalmente nas aventuras escritas e decide tornar-se um cavaleiro andante. Suas viagens sucedem-se sob a alucinação de que estava vivendo na era da cavalaria; pessoas que encontrava nas estradas pareciam-lhe como cavaleiros em armas, damas em apuros, gigantes e monstros.


O que você achou da lista? Comente e participe!


Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Maze Runner: Conheça os livros da saga Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses