A literatura erótica de Henry Miller

(2 Estrelas - 21 Votos)

Nascido em 26 de dezembro de 1891, autor americano ficou conhecido por publicar obras de autoficção. Veja alguns de seus livros!

O escritor americano Henry Miller revolucionou o meio literário do início do século 20. Nascido em 26 de dezembro de 1891, em Nova York, o autor ficou conhecido por ser subversivo, já que adotou uma literatura libertáriaerótica e de autoficção (uma mistura de autobiografia com ficção). Por causa do teor dos textos, alguns livros de Miller foram proibidos em diversos países, inclusive no Brasil, como o Trópico de câncer.

No fim dos anos 1920, o autor passou um período em Paris com sua mulher, June Miller. No entanto, ele gostou tanto da cidade, que mudou-se definitivamente para o local e ficou até o início da Segunda Guerra Mundial. Em 1932, o escritor americano conheceu a autora Anais Nin, que virou sua amante, e começou a escrever sua principal obra, Trópico de câncer. Quando June volta à Europa, o casal divorciou-se.

LEIA MAIS: Livros de Charles Bukowski revelam personalidade do escritor

Ao longo da carreira, Henry Miller escreveu outros romances com narrativas obscenas, como na trilogia Crucificação encarnada, com os títulos Sexus, Plexus Nexus. Os trabalhos do escritor eram baseados nas próprias experiências sexuais e levaram discussões na sociedade americana sobre assuntos que eram considerados tabus

Assim como mostrou uma reportagem da Revista Bula, o autor definiu ainda “11 mandamentos” que seriam seguidos por ele mesmo, como “trabalhe em uma coisa de cada vez até terminar”, “não seja nervoso, trabalhe com calma, alegria e freneticamente”, “quando você não puder criar, pode trabalhar” e “cultive um pouco cada dia, em vez de adicionar novos fertilizantes”.

Henry Miller morreu, aos 89 anos, em 7 de junho de 1980, na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos. Que tal conhecer alguns livros do autor? Veja a nossa lista completa!


Trópico de câncer

Este é o principal livro de Henry Miller. Publicada em 1934, em Paris, a obra foi imediatamente proibida em todos os países de língua inglesa. O livro traz um relato autobiográfico e idiossincrático de Miller, que chega a Paris após abandonar nos Estados Unidos um casamento arruinado e uma carreira estagnada. Mesmo sem um centavo no bolso, Henry Miller é apresentado à boemia francesa e redescobre seu próprio talento em dias e noites de liberdade e alegria sem fim.Trópico de câncer


Trópico de capricórnio

Publicado originalmente em 1939, este livro foi aclamado como parte da revolução sexual. Trópico de Capricórnio mantém a sexualidade e o erotismo em primeiro plano, porém não é simplesmente uma repetição dos temas e do estilo apresentados em Trópico de Câncer. Por meio de uma narrativa ainda mais densa e subjetiva, Henry Miller desfia seu passado em Nova York durante os anos 1920.Trópico de capricórnio, de Henry Miller


Sexus

Sexus é o primeiro volume da trilogia de Henry Miller. Relançado em 2004, este livro detém-se especialmente nos encontros sexuais do autor e em outras relações de natureza erótica.

Sexus


Plexus

Pleus é o segundo livro da trilogia de Henry Miller, que focaliza na reorganização da vida do protagonista/autor em torno de uma relação amorosa, e seu intenso debate interno sobre a criação artística. Este volume concentra-se nas redes e ligações do personagem com amigos, intelectuais, autores lidos, conhecidos e episódios do passado. Miller desloca seu personagem de rede em rede, de influência em influência, enquanto tenta chegar ao cerne de sua existência.

Plexus, de Henry Miller


Pesadelo refrigerado

Publicado pela primeira vez em 1945, Pesadelo refrigerado é um relato das viagens de Henry Miller pelos Estados Unidos. O escritor fez essas viagens entre 1940 e 1945, depois de uma longa estadia na Europa. Ele comenta o cenário do país bem como o ânimo e o temperamento das pessoas, e destaca o contraste entre os ideais dos fundadores da nação com o amor contemporâneo dos americanos em ganhar dinheiro. Pesadelo refrigerado, de Henry Miller


Big sur e as laranjas de Hieronymys Bosch

Em Big Sur e as laranjas de Hieronymus Bosch, Henry Miller faz as pazes com seu país. O livro é, acima de tudo, uma declaração de amor ao lugar no qual o escritor escolheu para viver até o dia de sua morte. Para Miller, Big Sur era o verdadeiro Éden, o definitivo Jardim das Delícias Terrenas retratado pelo pintor Hieronymus Bosch.

Big Sur e as laranjas de Hieronymus Bosch


A hora dos assassinos – Um estudo sobre Rimbaud

A hora dos assassinos não é um estudo crítico sobre a obra do poeta francês Arthur Rimbaud e sim um capítulo da própria biografia de H. Miller. A descoberta da personalidade e o uso da linguagem do poeta francês abriram a Miller novas perspectivas literárias e uma identificação, ali estava outro nômade, ao mesmo tempo participante e intruso no mundo.A hora dos assassinos, de Henry Miller


Qual seu livro favorito de Henry Miller? Comente e participe!

Gabriela Mattos

Gabriela Mattos

Redatora em Estante Virtual
Gabriela é jornalista e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea brasileira e jornalismo literário.
Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea brasileira e jornalismo literário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares