Gustave Flaubert e o realismo na literatura

(3 Estrelas - 12 Votos)

Um dos principais autores do século XIX nasceu em 12 de dezembro de 1821. Fizemos uma seleção em homenagem ao escritor. Confira!

Nascido em 12 de dezembro de 1821, na cidade de Rouen, na França, Gustave Flaubert é um dos principais nomes da literatura mundial do século XIX. Seu talento para a escrita começou aos 15 anos, quando compôs um drama em prosa, dividido em cinco atos. Na mesma época, apaixonou-se por Elisa Schlesinger, uma mulher 11 anos mais velha e casada. Esse amor platônico inspirou diversos livros do autor, como Memórias de um louco, publicado apenas após a sua morte.

Aos 18 anos, Flaubert iniciou o curso de Direito na Universidade de Paris, mas não conseguiu terminar os estudos. Foi reprovado e começou a ter crises nervosas, com alucinações e perdas de consciência. A partir desse momento, dedicou-se à escrita enquanto morava com sua mãe na casa da família, em Croisset, à beira do Rio Sena.

Importância na literatura

Os livros de Flaubert revolucionaram a literatura do século XIX. Representante do movimento realista, o escritor francês é reconhecido pela abordagem de temas relacionados ao comportamento social, pela análise psicológica dos personagens e por ser perfeccionista – ele buscava sempre a “palavra certa” para os textos.

O estilo está nas palavras e dentro delas. É igualmente a alma e a carne de uma obra.”

O autor recebeu inúmeras críticas por adotar um extremo realismo em suas obras. Em 1857, foi processado por ofender a moral pública, após publicar Madame Bovary, seu principal livro. A história causou uma grande polêmica na sociedade europeia, por discutir temas, como adultério e suicídio. Já com Salambô, em 1862, Flaubert foi criticado por expor detalhes arqueológicos, e a peça O candidato (1874), fracassou de maneira desastrosa.

LEIA MAIS: A importância de Raduan Nassar para a literatura

Segundo relatos, o escritor passou por dificuldades financeiras no fim da vida e morreu após um acidente vascular cerebral (AVC), em 8 de maio de 1880. Qual é o seu livro favorito de Gustave Flaubert? Para homenageá-lo, selecionamos algumas de suas principais obras. Confira!


Madame Bovary

Madame Bovary é o principal livro de Gustave Flaubert. Nesta obra, o escritor narra a desesperança e o desespero de uma mulher que, sonhadora, se vê presa em um casamento insípido, com um marido de personalidade fraca, em uma cidade do interior. O romance mostra o crescente declínio da vida interna e externa de Emma Bovary.

Madame Bovary, de Gustave Flaubert


Bouvard e Pécuchet

Neste romance inacabado, Flaubert coloca em cena dois personagens crédulos, os escreventes Bouvard e Pécuchet. Os dois, caminhando na rua, na hora do almoço, sentam num mesmo banco de praça e acabam se tornando grandes amigos. O sonho desses dois “homenzinhos'”, como o escritor a eles se referia, era conseguir largar o trabalho insano de copistas para se dedicarem aos estudos.

Bouvard e Pécuchet


A educação sentimental

A história de A educação sentimental se passa em setembro de 1840, quando o navio La Ville-de-Montereau parte pelo rio Sena em direção a Paris. A bordo se encontra Frédéric Moreau, jovem que sonha com os sucessos que o aguardam em sua futura vida na capital francesa. Mas seu destino começa a se desenrolar ainda durante a viagem, quando pousa os olhos pela primeira vez na sra. Arnoux.

A educação sentimental


Salambô

Em Salambô, Flaubert, o mestre do estilo em prosa, encontra-se com seus contemporâneos de estilo algo semelhante em versos, os parnasianos. Como eles, interessa-se pelo oriente, por nações bárbaras e pelas ilusões que lhe ofereciam as religiões.Salambô, de Gustavo Flaubert


Três contos

Os Três contos de Flaubert são também um dos pontos altos da ficção francesa do século XIX. Há a visão certeira, a riqueza de recursos e a modernidade da prosa do autor. O primeiro conto é Um coração simples, em que o escritor acompanha a biografia rasa de uma criada fiel e generosa. O segundo, A legenda de São Julião Hospitaleiro, que traz um santo medieval que comete inúmeros crimes. Herodíade, o terceiro conto, narra a morte de São João Batista de uma perspectiva desencantada, como a luta pelo poder.

Três contos, de Gustave Flaubert


Um coração singelo

Esta novela traz a história de uma mulher simples, Félicité, que trabalha décadas como criada para a Sra. Aubain, uma viúva de alguns recursos. Zela por tudo na casa, ajuda a criar os pequenos Paul e Virginie, mima seu sobrinho Victor, que entra em sua vida por acaso. Sua compreensão pouco sofisticada do mundo, pautada por suas realidades próximas e por sua própria história sem grandes acontecimentos, é acompanhada por um grandioso sentimento de amor, no sentido amplo da palavra. Um coração singelo, de Gustave Flaubert


O que achou da lista? Comente e participe!

Gabriela Mattos

Gabriela Mattos

Redatora em Estante Virtual
Gabriela é jornalista e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea brasileira e jornalismo literário.
Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea brasileira e jornalismo literário.

Um comentário em “Gustave Flaubert e o realismo na literatura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares