8 livros para comemorar o Dia do Rock

(5 Estrelas - 2 Votos)

No Dia do Rock, nós preparamos uma lista com dicas de livros para quem deseja se aprofundar no mundo desse gênero musical

Anualmente, 13 de julho marca o Dia do Rock. A comemoração foi inspirada em um evento que aconteceu em 1985 e mudou para sempre a história do rock. O Live Aid foi produzido com o intuito de arrecadar fundos para ajudar no combate à fome no no continente africano e reuniu grandes ícones da música mundial em dois festivais em estádios de futebol: um na Filadélfia, nos Estados Unidos, e o outro em Londres, na Inglaterra.

Além de contar com mais de 80 mil espectadores em cada um dos eventos, o evento conseguiu juntar cerca de 2 bilhões de pessoas do mundo inteiro, que assistiram aos shows pela televisão. Artistas como Paul McCartney, Madonna e David Bowie, e bandas como The Who, The Beach Boys e Led Zeppelin se apresentaram no festival. E como esquecer do show do Queen? O sucesso da apresentação foi registrado na cinebiografia Bohemian Rhapdsody, do diretor norte-americano Brian Singer.

Aqui, nós separamos oito livros que vão ajudar você a mergulhar no mundo do rock. Confira e aproveite a leitura!


45 Rotações de Rock, Hervé Bourhis

O livro de Hervé Bourhis reúne singles emblemáticos na história do rock, desde Chuck Berry aos White Stripes, passando ainda por David Bowie e os Rolling Stones. Em 45 Rotações de Rock, você vai conhecer canções de rock que foram gravadas em 45 discos de 45 rotações, de 1945 aos dias atuais.


As Raízes do Rock, Florent Mazzoleni

Em As Raízes do Rock, Florent Mazzoleni retorna aos primórdios do rock e apresenta em detalhes e imagens as bases de um dos maiores acontecimentos musicais e culturais de nosso tempo. O livro contém fotos raras, além de histórias dos grandes precursores do rock e dos discos míticos do gênero musical.


Brock: o Rock Brasileiro dos Anos 80, Arthur Dapieve

Em Brock: o Rock Brasileiro dos Anos 80, o jornalista Arthur Dapieve constrói um panorama sobre a geração do rock brasileiro surgida nos anos 1980. Na obra, o autor explica porque artistas como Renato Russo e Cazuza, e bandas como Blitz, Titãs e Paralamas do Sucesso se tornaram porta-vozes da juventude daquela época.


John Lennon: a Vida, Philip Norman

John Lennon: a Vida narra a trajetória de John Winston Lennon, um dos maiores roqueiros de todos os tempos. Após conseguir acessar documentos inéditos e testemunhos diretos de Yoko Ono, Sean Lennon e Paul McCartney, Philip Norman descreve em detalhes a infância e adolescência do ex-Beatle, além de abordar episódios e personagens essenciais para a compreensão de uma figura mais admiradas e complexas do rock.


Norwegian Wood, Haruki Murakami

Inspirado em uma canção dos Beatles, Norwegian Wood conta a história de Toru Watanabe, um jovem chegam à Tóquio em 1968 para estudar teatro. Por lá, ele passa dias de solidão até que reencontra Toru, antiga namorada de seu grande amigo de adolescência, Kizuki. Unidos por essa tragédia, os dois se aproximam e constroem uma relação marcada por complexidades.


O Som da Revolução: Uma História Cultural do Rock (1965 – 1969), Rodrigo Merheb

O livro de Rodrigo Merherb produz um mapeamento histórico a respeito da evolução do Rock entre os anos de 1965 e 1969, ressaltando os grandes embates estéticos e políticos que atravessam esse gênero, considerado como um dos mais importantes movimentos culturais contemporâneos. Em O Som da Revolução, acompanhamos as aventuras de artistas como Jimi Hendrix, Beatles, Pink Floyd e Bob Dylan em um extenso painel sobre a
trilha sonora da contracultura.


Rita Lee – uma Autobiografia, Rita Lee

Em Rita Lee – Uma Autobiografia, Rita Lee Jones, conhecida como rainha do rock brasileiro, revela histórias de sua vida, que vão desde a infância no bairro da Vila Mariana, em São Paulo, aos anos finais de sua trajetória musical. Na obra, Rita também conta detalhes sobre a sua prisão, em 1976, o encontro de almas com Roberto de Carvalho, o nascimento dos filhos e a amizade com a cantora Elis Regina.


Só Garotos, Patti Smith

Em Só Garotos, Patti Smith, uma das vozes mais influentes do punk, compartilha memórias de seu relacionamento com Robert Mapplethorpe, em uma época em que os dois eram jovens e sonhavam em ser artistas. Ao se mudar para Nova York, Patti precisou se virar como pôde na nova cidade e, por lá, conheceu pessoas muito interessantes como o futuro fotógrafo Robert Mapplethorpe, para quem ela prometeu escrever este livro antes que ele morresse de aids, em 1989.


Qual livro da lista você quer ler?


Yasmin Lisboa

Comentários

Yasmin Lisboa

Yasmin é jornalista e estudante de Cinema. Cantora e colecionadora de discos e livros, é fascinada pela cultura popular brasileira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *