As influências da literatura norte-americana

(5 Estrelas - 1 Votos)

Quer se aprofundar nas obras literárias dos Estados Unidos? Selecionamos os dez principais livros do país. Veja a nossa lista completa!

A literatura norte-americana é uma das mais conceituadas do mundo. No início, no século 18, os escritores dos Estados Unidos eram fortemente influenciados pelo meio literário europeu, principalmente pelos romances góticos da Europa. No entanto, a partir do século 19, as narrativas ganharam estilos próprios e influências de outras culturas e até mesmo do meio musical, como do jazz e do blues.

Entre os principais escritores norte-americanos está Edgar Allan Poe. Mestre do terror, ele foi um dos primeiros a publicar narrativas legítimas dos Estados Unidos, sem influências diretas da literatura da Europa. Já entre os contemporâneos, vale destacar a importância de Stephen King, também um dos nomes do terror mundial, e Meg Cabot, escritora queridinha do público young adult.

Quer conhecer mais os livros de autores norte-americanos? Veja a lista completa e boa leitura!


O velho e o mar, de Ernest Hemingway

Um dos principais livros de Hemingway, O velho e o mar retrata a história do velho pescador Santiago, que não apanhava um único peixe há 84 dias. Por isso, diziam se tratar de um azarento da pior espécie. No entanto, ele possui coragem, acredita em si mesmo e parte sozinho para alto-mar. A obra conta a história de um homem que convive com a solidão, com sonhos e pensamentos, luta pela sobrevivência e a inabalável confiança na vida. 


Mulheres, raça e classe, de Angela Davis

Mulheres, raça e classe traça um poderoso panorama histórico e crítico sobre a luta anticapitalista, a luta feminista, e a luta antirracista, passando pelos dilemas contemporâneos da mulher. O livro é considerado um clássico sobre os debates de gênero, raça e classe.


O iluminado, de Stephen King

O romance continua apaixonando (e aterrorizando) novas gerações de leitores. A luta assustadora entre dois mundos: um menino e o desejo assassino de poderosas forças malignas. Uma família refém do mal. Nesta guerra sem testemunhas, vencerá o mais forte. Danny Torrance não é um menino comum, é capaz de ouvir pensamentos e transportar-se no tempo. Danny é iluminado. Será uma maldição ou uma bênção? 


O quarto de Giovanni, de James Baldwin

O quarto de Giovanni é um dos principais clássicos modernos da literatura mundial. Com toques autobiográficos, este livro de James Baldwin trata de uma relação bissexual ao acompanhar David, um jovem americano em Paris à espera de sua namorada, Hella, que está na Espanha. Enquanto ela analisa se deve ou não casar-se com David, o jovem conhece Giovanni, um garçom italiano por quem se apaixona.


Amada, de Toni Morrison

Amada é um dos principais romances de Toni Morrison. Ambientada em 1873, época em que o país começava a lidar com as feridas da escravidão recém-abolida, a obra conta a história da ex-escrava Sethe, que após fugir de uma fazenda no Kentucky refugia-se em Cincinatti. Lá, ela e a filha caçula se veem às voltas com o fantasma de outra filha de Sethe, morta há 18 anos.


A sangue frio, de Truman Capote

Publicado inicialmente em 1966, A sangue frio relata o assassinato brutal de uma família na cidade de Holcomb, no interior do estado do Kansas, nos Estados Unidos. Na reportagem, Truman Capote relata desde a ideia inicial do crime até a execução dos assassinos. É um dos clássicos do autor.


A cor púrpura, de Alice Walker

O romance A cor púrpura tornou-se conhecido após a adaptação para o cinema por Steven Spielberg, em um filme estrelado por Whoopi Goldberg (Celie) e Oprah Winfrey (Sofia). A personagem principal, Celie, negra, semianalfabeta, vive entre cuidar da família e planejar uma vida diferente da sua para a irmã, Nettie, no sul dos Estados Unidos. Na obra, o leitor acompanha sua vida por mais de 30 anos, por meio das cartas que escreve para Deus e, posteriormente, para a irmã. Em oposição à solidão, pobreza, brutalidade e violência, Celie descobre outras maneiras de sentir.


Histórias extraordinárias, de Edgar Allan Poe

Nestes contos, Edgar Allan Poe imaginou algumas das mais conhecidas histórias de terror e suspense da literatura, tramas que migraram da ficção direto para o imaginário coletivo do Ocidente. É o caso de O gato preto, a tenebrosa história de um assassinato malogrado.


O diário da princesa, de Meg Cabot

O diário da princesa, de Meg Cabot, é a história de Mia Thermopolis — uma típica adolescente americana que recebe uma notícia que vira sua vida de ponta cabeça. Mia sabe que é fruto de um caso que sua mãe teve há muitos anos e só vê o pai nas férias e no Natal. Até que um dia ele descobre que não pode mais ter filhos. Nada surpreendente se não fosse por um detalhe: Mia descobre que seu pai é um príncipe. Ou seja, de uma hora para outra a jovem é a única herdeira do trono da Genovia.


Complô contra a América, de Philip Roth

Philip é um menino como tantos outros, apaixonado por sua coleção de selos. O pai é corretor de seguros, a mãe é dona de casa e o irmão mais velho tem dotes precoces de desenhista. Como toda a população do bairro em que vive, a família Roth é judia, e em 1940 parece não haver melhor lugar no mundo para ser judeu do que os Estados Unidos. Porém, Franklin D. Roosevelt, ao tentar reeleger-se para um terceiro mandato, é derrotado pelo candidato republicano Charles Lindbergh. O famoso aviador, que se tornou herói nacional ao empreender o primeiro vôo solitário da América à Europa, é um ardoroso defensor da Alemanha nazista. A vida da família Roth – e, potencialmente, o mundo – nunca mais será como antes.


Qual livro você incluiria na lista? Comente e participe!


Gabriela Mattos

Redatora em Estante Virtual
Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.
Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *