‘O sol na cabeça’ e o Rio de Janeiro como pano de fundo

(0 Estrelas - 0 Votos)

O jovem autor Geovani Martins renova a literatura carioca arrematando crítica e público.

Escritor por vocação, Geovani Martins é um dos talentos revelados, em 2013, pela Flup a Festa Literária das Periferias. Mas foi neste ano que o Brasil e outros nove países – incluindo a China – conheceram, de fato, sua potência literária. O jovem de 26 anos publicou, pela Companhia das Letras, o seu primeiro livro O sol na cabeça.

A seleção de 13 contos, com primeira tiragem já de 10 mil exemplares, representa o que Geovani denomina de “quase morte”. Um livro sobre tudo o que pode acontecer. Quebrando preconceitos linguísticos e garantindo protagonismo para crianças e jovens da favela, Geovani amarra – a partir de sua máquina de escrever Remington 22 – as tensões experimentadas pelas personagens, que somam toda a força da oralidade periférica à norma culta da Língua Portuguesa.

Real e muitas vezes crítico, Geovani narra as situações difíceis de seu personagens, mas com um fio de esperança. Um fluxo intenso e positivo. “Não quero apresentar um mundo para ninguém. Quero que o favelado leia esse livro e diga: Caraca, sempre quis ler um livro assim”, explica Geovani durante o lançamento.

o sol na cabeça

Da Zona Oeste à Zona Sul

Nascido em Bangu, na Zona Oeste do Rio, e morador das favelas da Rocinha e Vidigal, o estreante foi lido e elogiado por figuras como Chico Buarque (“Fiquei chapado”), João Moreira Salles e Milton Hatoum. Na última segunda-feira (2), ele abriu a nova temporada do Papo com Bial e o recém-lançado livro já teve os direitos vendidos para uma futura adaptação cinematográfica. O interessado foi o produtor Rodrigo Teixeira de Me Chame Pelo Seu Nome, que se unirá ao diretor Karim Aïnouz, de Praia do Futuro (2014).

Geovani narra com muita coragem e naturalidade seus ambientes mais familiares e seu modo de enxergar o mundo. Garantindo um caráter fantástico à vida cotidiana e compondo o um novo rosto para a representatividade. “Cartola começou a gravar já no final da vida, imagina se ele não tivesse conseguido, o quanto teríamos perdido e quantos outros Cartolas não perdemos por invisibilidade?! Há algum tempo, eu fui convidado para resenhar o livro do Jessé – também autor da Flup – quando que, por exemplo, o meu pai faria uma resenha de um livro do pai do Jessé?!”, compara.

Depois do boom literário, Geovani planeja para 2020 o próximo livro, mas dessa vez um romance, já encomendado pela editora. Além de Geovani, há uma série de jovens produzindo literatura na periferia e brilhando da Flup a concursos literários.

No Estante blog, destacamos alguns que já ocupam presença por aqui. Confira abaixo:

[metaslider id=31447]

*Colaborou: Andréia Coutinho | Arte: Igor Defáveri

[wysija_form id=”5″]

Natália Figueiredo

Natalia Figueiredo fez da escrita sua profissão. Começou a carreira no jornalismo impresso do Rio, é editora do Estante Blog e mantém o blog de viagens Nat no Mundo.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas