Do outro lado do balcão: conheça escritores que já foram livreiros

(0 Estrelas - 0 Votos)

No prefácio da obra Eu queria um livro: antologia de contos e cenas livrescas, o autor e roteirista de cinema Rubem Fonseca afirma: “a minha ideia de paraíso é uma livraria”. Apesar de ser conhecido por não escrever prefácios de livros, Rubem Fonseca afirma que sentiu-se seduzido pelos contos de 16 livreiros reunidos nesta obra organizada pelo escritor, e também livreiro, Leandro Müller. Decidido, então, a burlar sua própria tradição, Rubem Fonseca prestou homenagem a todos os livreiros, que segundo ele, permitiram que em sua infância passasse grande parte do seu tempo nas livrarias, folheando livros e lendo muitos títulos. Outros autores foram além e, seduzidos pelo encanto das estantes e prateleiras repletas de livros, decidiram pular o balcão tornando-se livreiros ou vivenciando a experiência por um tempo. A Shakespeare & Company, livraria localizada em Paris, e fundada em 1919, tornou-se famosa não só por ser referência de literatura inglesa em terreno francês. Parte de seu reconhecimento advém do fato de o local ter abrigado, no período entre guerras, muitos escritores que em troca de cama e comida, vivenciaram de perto a experiência de vender livros. Ernest Hemingway, Ezra Pound, F. Scott Fitzgerald, Gertrude Stein são alguns dos nomes famosos da literatura que passaram parte de seu tempo na livraria, aprendendo sobre a rotina de um livreiro e vivenciando as experiências de quem vive da venda de livros. O escritor de origem irlandesa, James Joyce, chegou a fazer do local seu próprio escritório. Da amizade particular com Sylvia Beach, fundadora da Shakespeare & Company, surgiu a oportunidade de publicar, em 1922, o livro Ulisses, uma das principais obras do autor e por vezes rejeitada por inúmeros editores. Reza a lenda que a livraria foi fechada, em 1941, durante a ocupação alemã, porque Sylvia teria negado a um oficial alemão a última cópia de outra obra do autor: Finnegans Wake. Em 1951 foi a vez de George Whitman “reabrir” a Shakespeare & Company em tributo a Sylvia Beach. E novos autores, 40 mil segundo o próprio empresário, foram convidados a passar por lá e ajudar no trabalho de livreiro. Foi então que Henry Miller, Samuel Beckett, Anaïs Nin e outros puderam passar algumas tardes dividindo o tempo entre a leitura, a escrita e a venda de livros. Jeremy Mercer, jornalista canadense que viveu na livraria escreveu o livro Um livro por dia: minha temporada parisiense na Shakespeare and Company sobre o dia-a-dia da livraria e os personagens ilustres que já circularam no local. Atualmente a loja está sobre a administração da filha de George Whitman, Sylvia Beach Whitman, e permanece com a tradição de permitir que jovens escritores vivam e trabalhem na livraria. Mesmo sem terem tornado-se livreiros, outros autores famosos já manifestaram seu interesse pelo dia-a-dia das livrarias, à semelhança de Rubem Fonseca. George Orwell, autor de 1984 e revolução dos bichos, já declarou que passou dias felizes dentro de uma livraria e chegou a se questionar se seria um bom livreiro. Para responder a essa pergunta e atender o desejo de muitos escritores em tornarem-se livreiros, na Inglaterra, a Associação de Vendedores de Livros convidou vários autores a irem até suas livrarias preferidas e passarem um tempo lá exercendo funções de um livreiro, como organizar os livros nas estantes e vender os exemplares aos leitores que frequentam os locais. A iniciativa, conhecida como Strictly Come Bookselling foi apenas uma das atividades organizadas pela associação para celebrar a Semana de Livreiros Independentes. Gostou? Deixe um comentário com sua impressão sobre esse post.]]>

Leonardo Loio

SEM, SEO e tudo relacionado a buscadores, é o que eu gosto. Carioca, marketeiro, profissional de marketing digital, search marketing, tento aprender, discutir e ensinar.

2 thoughts on “Do outro lado do balcão: conheça escritores que já foram livreiros

  • 21.03.2014 em 5:12 pm
    Permalink

    A Shakespeare & Company foi a mais glamourosa das livrarias do mundo, sem querer, com a afirmação, desprezar a José Olympio.

  • 05.10.2011 em 4:28 pm
    Permalink

    Sem o mesmo glamur, muitos escritores vendem seus livros por meio de livrarias virtuais próprias. É barato, no Facebook é gratuito, eu mesmo tenho uma. É interessante pelo contato direto com os leitores.

Fechado para comentários.

Maze Runner: Conheça os livros da saga Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses