Mais cinco games inspirados em livros

(0 Estrelas - 0 Votos)

uma lista de três vídeo games inspirados em livros. A ideia era mais ilustrar essa tendência do mercado de buscar inspirações no meio literário do que criar uma lista das melhores ou mais famosas adaptações. Ainda assim, muitos de nossos leitores começaram a lamentar ausências de nossa lista. Como o leitor tem sempre razão, resolvemos voltar ao assunto e trazer mais cinco games inspirados em livros. Isso significa que esgotamos o tema? Claro que não. Se deixamos o seu favorito título de fora, deixe um comentário. Assim como games, posts literários estão sempre abertos à possibilidade de continuação.   Bloodborne Na primeira lista, citamos BioShock por emprestar elementos da antologia de uma autora – no caso, Ayn Rand, ao invés de ser uma adaptação direta de uma única obra. O mesmo acontece com Bloodborne, que bebe no universo de H.P. Lovecraft. É fácil se perder nas sombrias ruas de Yharnam pensando que é apenas outro game de horror gótico com bruxas e lobisomens, mas Bloodborne surpreende jogando alguns seres cósmicos, deuses e entidades típicas dos livros de Lovecraft. Além disso, assim como nas obras do autor de O caso de Charles Dexter Ward, os não iniciados precisarão reviver algumas passagens diversas vezes até dominarem a técnica necessária para vencer os horrores digitais e literários.   Assassin’s creed [embed]https://www.youtube.com/watch?v=cc-ClutaN_I[/embed] De acordo com o produtor Jade Raymond, o primeiro Assassin’s Creed foi inspirado no romance de 1938 Alamut, de Vladimir Bartol. A história se passa em Alamut, uma verdadeira fortaleza Persa localizada a 100 km da atual cidade de Teerã. No começo do século IX, a fortaleza de Alamut era controlada por um missionário chamado Hassan-i Sabbah e seus Assassinos, fatos históricos usados no livro e adaptados para o universo de Assassin’s Creed. Uma frase de Alamut, “Nada é realidade absoluta, tudo é permitido,” foi adaptada para o jogo como: “Nada é real, tudo é permitido.”   Alice [embed]https://www.youtube.com/watch?v=SpmiSiw6VBM[/embed] Quem é leitor do Estante blog sabe que Alice no País das Maravilhas dá muito pano para manga. A obra já foi adaptada de diversas formas para diversos meios. De Disney a Animê, as variações no temperamento de Alice são bem grandes. Mas nada chega perto de American McGee’s Alice. A protagonista é retratada com tintas bem soturnas neste game. Depois que sua família foi dizimada em um incêndio, Alice enlouquece e retorna ao País das Maravilhas para tentar curar sua mente destruída. É, não é uma versão para crianças. Mencionei que ela carrega uma faca de cozinha como instrumento de defesa?   Dante’s Inferno [embed]https://www.youtube.com/watch?v=UUOZRRU_Dyg[/embed] Electronic Arts (EA) é um estúdio famoso por desenvolver games voltados para esportes e uma ou outra tentativa de variar gênero nos últimos anos. E foi justamente nesta adaptação de A divina comédia, de Dante Aliguieri, que o EA alcançou seu momento mais soturno. Em O inferno de Dante, o jogador assume o controle de Dante, um general durante a Terceira Cruzada, que atravessa os nove círculos do inferno em busca da alma de sua amada. O jogo lembra muito a série God of War, mas com inimigos mais horripilantes e mais sangue e vísceras. Acredite se quiser.   Fahrenheit 451  [embed]https://www.youtube.com/watch?v=vnET12whCYs[/embed] O ano é 1984 (ironicamente) e a indústria dos games ainda dá seus primeiros passos de reconstrução depois do colapso do começo dos anos 80. Os gráficos realistas ainda são um sonho distante e a maior parte dos títulos se apoia numa mistura de imagens pixeladas e textos. Neste cenário, o jogo Fahrenheit 451 continua a narrativa cinco anos depois da conclusão da história do livro homônimo de Ray Bradbury. O protagonista Guy Montag agora é um agente do Submundo Literário, cujos membros se comunicam por meio de frases de livros famosos. Sua missão é invadir a biblioteca de Nova York, e resgatar os “livros ilegais”. Ray Bradbury em pessoa colaborou com o roteiro do jogo. Infelizmente, para jogar esta pérola, você precisa de um amigo que tenha um Commodore 64 em pleno funcionamento. Mais fácil reler o livro.   Qual é o seu game favorito? Deixe sua mensagem e participe da conversa. ]]>

Rodrigo Espírito Santo

Mestre em Comunicação Social, MBA em Comunicação Corporativa, Pós-graduado em roteiro de audio visual. Mais de 15 anos de experiência em comunicação empresarial, endomarketing, redação publicitária, jornalística e de conteúdo para redes sociais.

2 thoughts on “Mais cinco games inspirados em livros

  • 28.03.2017 em 8:59 am
    Permalink

    Gostei muito do site! parabens!

  • 25.03.2017 em 2:44 pm
    Permalink

    oi gente
    gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. 😉

Fechado para comentários.

Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses Os melhores livros espíritas