Autores de infanto-juvenis decidem escrever livros para adultos

(0 Estrelas - 0 Votos)

A escritora britânica J. K Rowling, responsável pela criação da saga Harry Potter, surpreendeu a todos os seus fãs quando anunciou que lançaria mais um livro em 2012 – Morte Súbita. Para a tristeza de muitos, não se tratava de um 8º livro da saga, mas uma obra voltada para o público adulto que aborda temas como drogas, política, sexo, bullying e até mesmo violência doméstica – temas bem distantes dos mistérios e da magia dos livros anteriores. Apesar de incomum, essa não é a primeira vez que um autor de infanto-juvenil se aventura em uma história voltada para um público mais adulto. O escritor brasileiro Caio Riter começou sua carreira em 1994 quando lançou o livro infantil Um Palito Diferente. E cinco anos depois publicava seu primeiro livro de contos adultos, Teia de Silêncios, que atualmente encontra-se esgotado nas livrarias convencionais. E alguém aí se lembra da série Artemis Fowl que trazia como protagonista um menino maligno que queria destruir o mundo das fadas? Pois é, seguindo um caminho totalmente distinto, o último livro de Eoin Colfer, Aviador, foi considerado por muito de seus fãs uma obra muito mais madura, com uma história densa e que pode ser facilmente enquadrada em uma literatura para adultos. Há quem considere que Meg Cabot, autora que fez sucesso com a série O Diário da Princesa, também deveria entrar nessa lista, mas desconhecem que seu primeiro livro A Rosa do Inverno, lançado em 1998, sob autoria de Patrícia Cabot, já era voltado para o público adulto e possuía um enredo com teor sexual.

No caminho inverso: da literatura adulta para a infanto-juvenil

Se por um lado são raros os casos de autores de infantis que escrevem livros adultos, por outro, no universo literário é muito comum encontrarmos escritores que saíram da literatura adulta e rumaram para experiências dentro do universo infanto-juvenil. Graciliano Ramos é apenas um dos muitos exemplos. O escritor lançou seu primeiro livro em 1933. Caetés trazia a preocupação do autor com a temática social. E somente onze anos mais tarde, Graciliano publicou Histórias de Alexandre, um livro voltado para o público infantil que trazia uma coletânea de contos folclóricos alagoanos. Caminho parecido foi o percorrido por Clarice Lispector. A autora de Perto do Coração Selvagem, seu romance de estreia, também se aventurou no universo infantil, com obras como A Mulher que Matou os Peixes, O Mistério do Coelho Pensante e Como Nasceram as Estrelas. Se você conhece outros escritores que começaram carreira com literatura infantil e se aventuraram na literatura adulta, compartilhe conosco, comentando este post.]]>

Leonardo Loio

SEM, SEO e tudo relacionado a buscadores, é o que eu gosto. Carioca, marketeiro, profissional de marketing digital, search marketing, tento aprender, discutir e ensinar.

One thought on “Autores de infanto-juvenis decidem escrever livros para adultos

  • 28.02.2014 em 9:03 am
    Permalink

    Na minha opnião acredito, que todos os escritores acima são esperimentadores de ambos os mundos, tanto o infanto juvenil, como o adulto, por isso fica bem óbviu as suas decisões de de mudarem tão derrepente de público. No meu caso que escrevo voltado para o público (jovem e adulto), me sinto confortado em saber que este é um universo mestiço com divesos parâmetros de teoria.

Fechado para comentários.

Maze Runner: Conheça os livros da saga Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses