7 livros para você dar de presente de Natal

(5 Estrelas - 1 Votos)

Ho Ho Ho! Decidimos ajudar o Papai Noel a escolher os livros de presente de Natal. Confira a lista!

Que tal dar um livro de presente de Natal para aquela pessoa querida? Livros são ótimos para nos transportar para outros lugares. Eles são ótimos para qualquer momento, seja para divertir, passar o tempo, ensinar e conhecer outros mundos.

Além de incentivar o hábito da leitura, você presenteia alguém com um livro que pode estar mudando a vida dessa pessoa. Já pensou ?

Confira nossas dicas!


Elis e Eu – 11 anos, 6 meses e 19 dias com minha mãe, de João Marcello Bôscoli

“Você lembra da sua Mãe?”. Escuto essa pergunta há muitos anos. E quase sempre em situações corridas do dia a dia, sem muito espaço pra responder. Então resolvi escrever tudo ao alcance da minha memória e compartilhar como se cada leitor ou leitora fosse um amigo ou amiga com quem tenho intimidade e tempo. Não houve pesquisa externa, consultas biográficas ou conversas; apenas minhas lembranças. Dos primeiros anos há imagens, passagens, sensações. Com meu crescimento, vêm curtas-metragens mentais, diálogos mais longos. Elis Regina é a parte pública da minha Mãe, uma de suas faces. Embora suas entrevistas e canções iluminem muitas coisas, o olhar de uma criança, de um filho, durante 11 anos, 6 meses e 2 dias podem revelar outros contornos da mulher que me deu a vida, da mulher que é o amor da minha vida. E o amor, que aprendi com Ela, é a única força realmente transformadora. Amo ser filho da minha Mãe. F


A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha

Rio de Janeiro, anos 1940. Guida Gusmão desaparece da casa dos pais sem deixar notícias, enquanto sua irmã Eurídice se torna uma dona de casa exemplar. Mas nenhuma das duas parece feliz em suas escolhas. A trajetória das irmãs Gusmão em muito se assemelha com a de inúmeras mulheres nascidas no Rio de Janeiro no começo do século XX e criadas apenas para serem boas esposas. São as nossas mães, avós e bisavós, invisíveis em maior ou menor grau, que não puderam protagonizar a própria vida, mas que agora são as personagens principais do primeiro romance de Martha Batalha.


Prólogo, ato, epílogo: Memórias, de Fernanda Montenegro

No marco de seus noventa anos, as memórias de Fernanda Montenegro trazem o frescor de uma artista eternamente genial. Em Prólogo, ato, epílogo, Fernanda Montenegro narra suas memórias numa prosa afetiva, cheia de inteligência e sensibilidade. Com sua voz inconfundível, ela coloca no papel a saga de seus antepassados lavradores portugueses, do lado paterno, e pastores sardos, do lado materno. Lidas hoje, são histórias que podem “parecer um folhetim. Ou uma tragédia” — gêneros que a atriz domina com maestria. 


Os Testamentos, de Margaret Atwood

Quando a porta da van foi fechada em O conto da aia, não havia como saber qual o futuro Offred tinha pela frente: liberdade, prisão ou morte. Em Os testamentos, Atwood retoma a história quinze anos depois que Offred seguiu em direção ao desconhecido a partir dos surpreendentes testamentos de três narradoras femininas de Gilead: tia Lydia, Agnes e Daisy.


Essa Gente, de Chico Buarque

Um escritor decadente enfrenta uma crise financeira e afetiva enquanto o Rio de Janeiro colapsa à sua volta. Tragicomédia urgente, o novo romance de Chico Buarque é a primeira obra literária de vulto a encarar o Brasil do agora. Há alguns pontos de contato entre Chico Buarque e o protagonista de Essa gente, seu primeiro livro após a consagração do prêmio Camões. O escritor Manuel Duarte tem esse sobrenome de perfil vocálico idêntico, e gosta de bater perna nos arredores do Leblon. Contudo, o leitor logo descobre que isso conduz a um dos muitos becos sem saída da trama.


Calibã e a Bruxa, de Silvia Federici

O livro discorre sobre a violência brutal empreendida contra as mulheres durante a transição do feudalismo para o capitalismo na Europa, e sustenta que a “caça às bruxas” relacionou-se diretamente com criação de um novo sistema econômico, forjado na escravidão, na colonização e na exploração e dominação do corpo e dos saberes femininos. O título da obra faz referência a duas personagens shakespearianas — Calibã e sua mãe, Sycorax, uma bruxa — para simbolizar a dimensão sexista e racista que o capital impõe a quem resiste à sua ordem. 


Mulheres Que Correm Com os Lobos, de Clarissa Pinkola Estés

Os lobos foram pintados com um pincel negro nos contos de fada e até hoje assustam meninas indefesas. Mas nem sempre eles foram vistos como criaturas terríveis e violentas. Na Grécia antiga e em Roma, o animal era o consorte de Artemis, a caçadora, e carinhosamente amamentava os heróis. A analista junguiana Clarissa Pinkola Estés acredita que na nossa sociedade as mulheres vêm sendo tratadas de uma forma semelhante. Ao investigar o esmagamento da natureza instintiva feminina, Clarissa descobriu a chave da sensação de impotência da mulher moderna.


E ai, curtiu? Confira outros livros na nossa campanha de natal!


Carolina Gomes

Redatora em Estante Virtual
Carol é estudante de jornalismo e redatora na Estante Virtual. Ela também adora editar vídeos e se aventurar no marketing digital. É apaixonada por música, livros e cinema.
Carolina Gomes
Comentários

Carolina Gomes

Carol é estudante de jornalismo e redatora na Estante Virtual. Ela também adora editar vídeos e se aventurar no marketing digital. É apaixonada por música, livros e cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *