14 anos da Estante Virtual: Comemore e leia mais

(5 Estrelas - 2 Votos)

Com cerca de 20 milhões de livros cadastrados, já encantamos quase 6 milhões de leitores. Celebre a leitura!

Novembro é o mês da Estante Virtual! De 2005 até hoje, já vendemos cerca de 24 milhões de livros para quase seis milhões de leitores. Com 2.699 livreiros, atualmente, reunimos um acervo de 19,3 milhões de títulos para todos os gostos.

E para comemorar o nosso aniversário, buscamos entender como nosso leitor constrói o hábito da leitura. Para alguns, a dificuldade é a falta de tempo. Para outros, o alto valor dos livros é que atrapalha as compras. Ainda tem gente que não lê porque não sabe por onde começar.

Assim, no aniversário da Estante Virtual, decidimos trazer mais leitores para a nossa festa com seleções de títulos que se encaixam na realidade de muita gente.

Inspire-se nas nossas dicas e celebre a leitura!


Para quem não tem tempo

A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Martha Batalha

Guida Gusmão desaparece da casa dos pais sem deixar notícias, enquanto sua irmã Eurídice se torna uma dona de casa exemplar. Mas nenhuma das duas parece feliz em suas escolhas. A trajetória das irmãs Gusmão em muito se assemelha com a de inúmeras mulheres nascidas no Rio de Janeiro no começo do século XX e criadas apenas para serem boas esposas. São as nossas mães, avós e bisavós, invisíveis em maior ou menor grau, que não puderam protagonizar a própria vida, mas que agora são as personagens principais do primeiro romance de Martha Batalha. 


Sentimento do Mundo, de Carlos Drummond de Andrade

Sentimento do mundo mostra o poeta mineiro atento aos acontecimentos políticos de sua época. “Tenho apenas duas mãos/ e o sentimento do mundo”, escreve ele nos célebres versos que abrem este volume. “O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes,/ a vida presente”, acrescenta, em “Mãos dadas”. Esse Drummond humanista lamenta que as pessoas mantenham olhos cerrados para o mundo, a ponto de permitir a violência — a Segunda Guerra Mundial e a ditadura getulista — e de trocar a compaixão pelo egoísmo de quem vive fechado em si mesmo ou em um “terraço mediocremente confortável” (“Privilégio do mar”). 


Para ler economizando

A menina que roubava livros, de Markus Zusak

Entre 1939 e 1943, Liesel Meminger encontrou a Morte três vezes. E saiu suficientemente viva das três ocasiões para que a própria, de tão impressionada, decidisse nos contar sua história, em ‘A menina que roubava livros’. Desde o início da vida de Liesel na rua Himmel, numa área pobre de Molching, cidade desenxabida próxima a Munique, ela precisou achar formas de se convencer do sentido de sua existência. Horas depois de ver seu irmão morrer no colo da mãe, a menina foi largada para sempre aos cuidados de Hans e Rosa Hubermann, um pintor desempregado e uma dona-de-casa rabugenta.


Carcereiros, de Drauzio Varella

Em Estação Carandiru, que desde 1999 teve mais de 500 mil exemplares vendidos, Drauzio Varella focou seu corajoso relato na população carcerária de um dos presídios mais violentos do Brasil. Como médico voluntário, pôde revelar o intricado código deética da cadeia, bem como descrever, sem julgamentos morais ou sentimentalismo, os habitantes daquela estrutura tão particular. Mas os vinte e três anos que o autor tem passado atuando em presídios brasileiros também o aproximaram do outro lado da moeda: as centenas de agentes penitenciários que, trabalhando sob condições rigorosas e muitas vezes colocando a vida em risco, administram toda a população carcerária do Brasil.


Para voltar à ativa

O sol na cabeça, de Geovani Martins

Em o sol na cabeça, Geovani Martins narra a infância e a adolescência de garotos para quem às angústias e dificuldades próprias da idade soma-se a violência de crescer no lado menos favorecido da “Cidade partida”, o Rio de Janeiro das primeiras décadas do século XXI. Em “Rolézim”, uma turma de adolescentes vai à praia no verão de 2015, quando a PM fluminense, em nome do combate aos arrastões, fazia marcação cerrada aos meninos de favela que pretendessem chegar às areias da Zona Sul. 


Minha História, de Michelle Obama

Com uma vida repleta de realizações significativas, Michelle Obama se consolidou como uma das mulheres mais icônicas e cativantes de nosso tempo. Como primeira-dama dos Estados Unidos — a primeira afro-americana a ocupar essa posição —, ela ajudou a criar a mais acolhedora e inclusiva Casa Branca da história. Ao mesmo tempo, se posicionou como uma poderosa porta-voz das mulheres e meninas nos Estados Unidos e ao redor do mundo, mudando drasticamente a forma como as famílias levam suas vidas em busca de um modelo mais saudável e ativo, e se posicionando ao lado de seu marido durante os anos em que Obama presidiu os Estados Unidos em alguns dos momentos mais angustiantes da história do país. 


Para conferir as listas completas e criar a sua para compartilhar com os amigos é só clicar aqui.

Carolina Gomes

Redatora em Estante Virtual
Carol é estudante de jornalismo e redatora na Estante Virtual. Ela também adora editar vídeos e se aventurar no marketing digital. É apaixonada por música, livros e cinema.
Carolina Gomes
Comentários

Carolina Gomes

Carol é estudante de jornalismo e redatora na Estante Virtual. Ela também adora editar vídeos e se aventurar no marketing digital. É apaixonada por música, livros e cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *