Frases, curiosidades e livros de Isabel Allende

(2.5 Estrelas - 11 Votos)

A escritora peruana é um grande ícone da literatura! Saiba mais detalhe sobre sua vida e obras!

Isabel Allende é uma das mais escritoras mais lidas em todo planeta. Apesar de ter nascido em Lima, no Peru, sua família voltou logo para o Chile, sua terra natal. Por isso, muitos a consideram chilena. Atualmente vive nos Estados Unidos. O que pouca gente sabe é que suas histórias cheias de romance e paixão espelham uma vida cheia de acontecimentos marcantes e fortes emoções. Confira cinco curiosidades, frases e livros da autora de A casa dos espíritos.

Isabel é prima de Salvador Allende
A eleição de Salvador Allende parecia o começo de uma nova era no Chile. Suas políticas eram direcionadas para a população carente do país. No entanto, os Estados Unidos enxergavam o líder político como uma ameaça comunista e patrocinaram um golpe de estado. Augusto Pinochet assumiu o poder e instaurou uma ditadura, o que forçou o exílio de Isabel e sua família na Venezuela.

Se escrevo alguma coisa, temo que ela aconteça, se amo demais alguma pessoa, tenho medo de perdê-la; no entanto, não posso deixar de escrever… nem de amar.

Isabel sempre começa um livro novo no dia 8 de janeiro
O primeiro romance de Allende, A casa dos espíritos, nasceu de uma carta que ela escreveu para o seu avô no leito de morte. O dia em que ela começou a escrevê-la – 8 de janeiro – tornou-se o dia em que ela começaria todo novo projeto. Isabel afirma que não é uma questão de superstição somente, mas também de disciplina. Segundo ela, é uma data conveniente, logo após as festas de fim de ano.

Eu preciso de não-conformistas, dissidentes, aventureiros, forasteiros e rebeldes que questionem, subvertam as regras e assumam riscos. Pessoas boazinhas com bom senso não são personagens interessantes.

Sua carreira começou aos quarenta
Apesar de ter vendido mais de 60 milhões de cópias em todo o mundo, ela só começou a escrever quando tinha quase quarenta anos. Trabalhou como jornalista e sentiu-se fracassada quando começou a escrever ficção. A carreira teve um período horrível quando sua filha Paula morreu vítima de uma grave doença neurológica em 1992. Esse período de luto e depressão levou ao livro de memórias que muitos consideram ser a sua melhor obra, Paula.

Deus é o que une, aquilo que mantém o tecido da vida, é o que chamam de amor.

Uma viagem para Índia mudou sua vida
A morte da filha levou Allende a um enorme bloqueio criativo. Assim, uma amiga a convidou para uma viagem para Índia, tentando ajudá-la a superar o luto. Foi lá que a autora viveu um momento que mudaria sua vida. Seu carro quebrou no meio da estrada e ela avistou uma velha acácia. Debaixo da árvore, havia meia dúzia de mulheres com suas crianças. Sem falar o idioma, Allende e sua amiga se aproximaram, e se comunicaram por meio de gestos. Isabel deu um bracelete de prata que usava a uma das mulheres, que retribuiu o presente oferecendo a sua criança mais nova, um bebê ainda com o cordão umbilical. O guia turístico que acompanhava a dupla explicou que a mãe oferecera o neném em troca do bracelete porque era uma menina, e “ninguém quer uma menina”. Naquele momento, Isabel decidiu abrir a Fundação Isabel Allende para empoderar mulheres em todo o mundo e protegê-las da fome, das doenças e da violência.

A guerra é a obra de arte dos militares, o coroamento de sua formação, o broche dourado de seu trabalho. Eles não foram criados para brilhar em paz.

Allende trabalha rodeada por suas obras
A escritora chama seu local de trabalho de “casita”. Ela utiliza um computador, mas mantém a sua primeira máquina de escrever, aquela que ela usou para datilografar a carta para seu avô, na prateleira. Na sua estante, ela tem as primeiras edições de seus livros em cada língua em que foram publicados.

Neste mundo é melhor ser homem do que mulher, porque até o homem mais miserável tem sempre uma mulher em quem mandar.

A ilha sob o mar

O romance narra a vida de Zarité, a escrava que foi vendida aos nove anos de idade para o francês Toulouse Valmorain, dono de uma das maiores plantações de cana-de-açúcar nas Antilhas. Como escrava doméstica, ela não padeceu as dores e as humilhações de seus iguais, mas conheceu as misérias de seus patrões, os brancos. Desde o começo o leitor sente a tensão frente à realidade da ilha e a severidade com que Zarité é obrigada a conviver. Ela torna-se concubina de Valmorain e é responsável por cuidar dos dois filhos do patrão: o legítimo, que teve com sua esposa espanhola, e o extra-oficial, que teve com a própria Zarité. A ilha sob o mar começa por volta de 1770, poucos anos antes da revolução haitiana. Quando os escravos se rebelam e queimam as plantações da ilha, Valmorain, Zarité e as crianças conseguem fugir para Cuba, e depois se estabelecem numa nova fazenda em Nova Orleans, nos Estados Unidos.

a ilha sob o mar
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

O caderno de Maya

O livro traz o depoimento escrito pela própria protagonista, Maya Vidal, em que ela conta a perseguição sofrida de assassinos, da polícia, do FBI e da Interpol nos Estados Unidos. Durante o processo narrativo, ela acaba descobrindo um importante segredo familiar, além de compreender o verdadeiro significado do amor e da lealdade. É a jornada através de sua própria alma. Diferentemente de seus tradicionais romances, este é passado nos dias atuais.

o caderno de maya
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

Retrato em Sépia

Juntando recordações ilusórias e os fios evasivos de personagens que passaram pelo seu destino, a protagonista Aurora del Valle procura entender o seu passado. A narrativa, que dá sequência ao romance Filha da fortuna, começa em 1862, transcorrendo até 1896. Órfã de mãe, Aurora nasceu no bairro de Chinatown, em San Francisco, em 1880, e foi criada pela enérgica e austera avó Paulina Del Valle. A heroína cresceu em um ambiente privilegiado, livre de muitas das limitações que oprimiam as mulheres de sua época, mas, infelizmente, vive atormentada por horríveis pesadelos causados pelos segredos de sua família.

retrato em sepia
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

Inês da minha alma

Um romance épico no qual o alento do amor concede uma trégua à rudeza, à violência e à crueldade de um momento histórico inesquecível. Inés Suárez é uma humilde costureira que embarca da Europa ao Novo Mundo em busca de seu marido, desaparecido junto de seus sonhos de glória do outro lado do Atlântico, e que acaba se tornando um dos principais nomes da conquista do Chile.

ines da minha alma
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

A soma dos dias

Um relato memorialístico no qual Isabel Allende conta a história recente de sua vida. Nesta obra, a autora retoma a narrativa de Paula, sua primeira obra autobiográfica, relembrando os acontecimentos posteriores à perda da filha, vítima de uma doença rara.

a soma dos dias
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

Conheça na Estante Virtual a obra completa da autora!

Qual a sua obra favorita de Isabel Allende? Deixe seu comentário e participe da conversa!

[wysija_form id=”5″]

Comentários

3 comentários em “Frases, curiosidades e livros de Isabel Allende

  • 10.08.2016 a 4:47 pm
    Permalink

    Grande escritora, daquelas em que relemos a obra.

  • 07.08.2016 a 7:45 am
    Permalink

    O livro Paula me emociona do começo ao fim.

  • 03.08.2016 a 4:09 pm
    Permalink

    Casa dos espirito me emocinei muito e sofri e conheci o que esta sempre por traz de um golpe. Muitas vezes a gente nao percebe. Em Paula e’ um relato do sofrimento de uma mae que sabe q vai peder sua filha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares