De pai pra filho: a história do tradicional Sebo Brandão

(3 Estrelas - 4 Votos)

Há 60 anos surgia em Recife, sob o nome de Agência Cultural Guararapes, a loja de livros consignados que mais tarde daria lugar ao tradicional Sebo Brandão, hoje com filiais em outros estados. “O Sebo Brandão surgiu em Recife, na Rua da Imperatriz, quando meu pai, Eurico Bezerra Brandão, abriu sua casa comercial para negociar somente livros consignados por particulares”, relembra Brandão Jr, filho do fundador e atual administrador da loja em São Paulo.

Três anos depois, em 1956, vendo o sucesso de seu empreendimento, Eurico Brandão decidiu ampliar o negócio passando a comercializar livros usados em geral. “Foi nesse momento, com a mudança do escopo do negócio, que o nome passou a ser Livraria Brandão”, explica o empresário. A partir de então, foi uma trajetória inteira de sucessos. A livraria se expandiu para as capitais de São Paulo e da Bahia, onde trabalha atualmente o fundador – hoje um senhor com 84 anos.

Sebo Brandão                Eurico Brandão na filial de Recife \ Filial de São Paulo.

A loja de São Paulo, com mais de 20 anos, possui um acervo de mais de 250 mil títulos distribuídos em três andares e uma sobreloja. “Nosso acervo conta com obras de toda a área do conhecimento humano e foi muito bem selecionado após todos estes anos de experiência”, ressalta Brandão Jr. Além do livreiro, a loja conta com dois funcionários que ajudam na gestão do negócio.

Sebo Brandão                Brandão Jr. com a esposa Cecília na filial de São Paulo.

Acervo Online

Em 2007, visando levar seus livros agora a todo o Brasil, o Sebo Brandão entrou na Estante Virtual e hoje possui mais de 70.000 títulos cadastrados no site. “Esta nova ferramenta de trabalho proporcionou aos leitores encontrar o livro desejado através de um método prático e seguro”, ratifica o empresário que já recebeu clientes ilustres em sua loja. “Em todos estes anos já recebemos vários clientes ilustres, de ministros e grandes empresários até presidente! Mas a verdade é que todos os meus clientes são ilustres já que devemos respeitar aqueles que gostam de ler livros”, completa Brandão Jr.

Sebo BrandãoBrandão Jr. (dir.) e André Garcia na Bienal do Livro Rio 2013 \ Brandão Jr. em encontro em SP com André e o amigo Piazza (à esquerda).

Dentre os autores e livros que mais gosta nesse grande acervo, Brandão Jr. destaca: Os Sertões (Euclides da Cunha), Casa Grande e Senzala (Gilberto Freyre), Grande Sertão: Veredas (Guimarães Rosa) e Raízes do Brasil (Sérgio Buarque de Holanda).

Dentre os diferenciais que levaram ao sucesso da livraria, Brandão destaca: “a dedicação, o profissionalismo, o conhecimento e a organização”. Na livraria, os livros estão todos classificados por assunto e em ordem alfabética pelo nome do autor.

Curtiu essa história? Então, conheça o acervo do Sebo Brandão.

Serviço:

1. Loja em Recife
Rua da Matriz, 22.
2. Loja em Salvador
Rua Rui Barbosa, 15. Loja B.
3. Loja em São Paulo
Rua Coronel Xavier de Toledo, 234. Sobreloja.

Comentários

8 thoughts on “De pai pra filho: a história do tradicional Sebo Brandão

  • 18.03.2021 em 11:49 am
    Permalink

    Sou do Recife e posso dizer que garimpei muito a Livraria Brandão na Rua da Matriz.possuo todos os livros que lá comprei inclusive rarissimos Senti muito quando esta Livraria fechou as suas portas aqui.Hoje só me resta a saudade

  • 23.10.2019 em 9:41 pm
    Permalink

    Essa matéria, lembrou-me que conheci pessoalnente, bem pequena, Sr Brandão, que era amigo do meu pai: Zezito França. A imagem dele voltou-me com a idade que o conheci, apriximadamente 45 anos.
    Lembrança boa!

  • 26.08.2015 em 12:51 pm
    Permalink

    Sem dúvidas o melhor sebo do qual já visitei!
    Com um acervo enorme e um ótimo atendimento

  • 22.02.2014 em 12:25 am
    Permalink

    Encontrei um livro importante no sebo Brandão, que não encontrava em lugar nenhum: Eu posso Falar, um clássico de puericultura, a preço acessível. Quero agradecer ao sebo e à Estante Virtual pelo importante trabalho em prol da reutilização do livro, para o bem do homem e da natureza! Abraços!

  • 18.02.2014 em 3:46 pm
    Permalink

    Sou de Recife. Comecei a frequentar a Livraria Brandão aos 15 anos levado por minha mãe e tenho sido cliente há mais de 30 anos. Desde matemática até poesia, filosofia etc. Perco a conta de quantos livros maravilhosos já garimpei na Brandão. A alegria de encontrar obras esgotadas, raras… Agora pela Estante Virtual posso agora acessar os grandes acervos de São Paulo e Salvador.

    Parabéns a família Brandão e seus funcionários. Aqui em Recife a Magalhães e Vera. Que prossiga muitas gerações com sua trajetória de sucesso e dedicação ao comércio de livros.

  • 14.02.2014 em 9:48 pm
    Permalink

    Realmente eh uma livraria/sebo espetacular, já comprei alguns poucos livros la.

  • 11.02.2014 em 10:13 pm
    Permalink

    Quem gosta de ler, quem gosta de livros não demora muito para descobrir o universo dos sebos, onde se encontram livros que que o leitor nem sequer imaginava que podiam existir. Depois de algum tempo garimpando nas prateleiras, o leitor aprende como e o que procurar e geralmente termina com os dedos empoeirados e com um punhado de livros para negociar o preço com o livreiro. Ainda não pude voltar em São Paulo, mas conheço bem o Sebo Brandão. Livros de política, ciências e outros encontrei lá há coisa de uns 10 anos. E na minha estante volta e meia releio alguns dos que encontrei no sebo, pois assim que saia do metrô, subia a Rua Xavier de Toledo e ia fazer o garimpo de livros lá no sebo. Sempre tenho o prazer de ver o selo amarelo e vermelho do sebo e relembrar as tardes de garimpo em suas prateleiras. Valeu a pena cada minuto passado lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *