Escrita: a arte de inventar palavras

(0 Estrelas - 0 Votos)

Em um primeiro instante pode parecer estranho que a língua nacional tenha um dia só para ela: 21 de maio – Dia da Língua Nacional. Não. Não é que pareça banal prestar homenagem a ela, é que, presente diariamente em nossas vidas, até mesmo em pensamentos, ela deveria ser homenageada todos os dias. Sua importância é vital. Você só compreende o que está lendo neste momento por causa dela. Nós nos comunicamos e nos expressamos porque criamos um sistema de representação constituído de palavras e regras sobre suas combinações – a língua – que é compreendido por todos – a nação. E, ainda que nossa língua tenha sido trazida pelos colonizadores portugueses há mais de um século e meio atrás, ela nunca ficou imutável. Evoluiu e se modificou a partir da influência e contribuição de muitas outras línguas, como as das nações indígenas, africanas e dos imigrantes que aqui chegaram. E mesmo depois de a língua parecer ter alcançado um patamar máximo de evolução, alguns escritores continuaram inventando a roda, ou melhor, inventando palavras. Considerado um dos mestres em inventar palavras, o autor João Guimarães Rosa poderia ter escrito um imenso dicionário com seus neologismos. Entre os exemplos mais célebres de sua carreira como criador de palavras, está o termo “nonada”, palavra de abertura do romance Grande Sertão: Veredas e que significa “coisa sem importância”, fusão de “non” (do português arcaico) com “nada”. Rosa era um profundo pesquisador da língua nacional. Além de ter criado neologismos, utilizava regionalismos e arcaísmos (palavras já ultrapassadas) em suas obras. Ele não foi o único escritor com a habilidade para criar novas palavras. O irlandês James Joyce, já no início do século XX, tinha na invenção de palavras um marco de suas obras, como Ulisses. Há quem, inclusive, acredite que Joyce foi o grande inspirador do escritor brasileiro. Dante Alighieri foi outro que escreveu sua obra-prima: o livro A Divina Comédia em seu dialeto local. Ao fazê-lo, o escritor italiano promoveu a língua toscana, até então considerada língua vulgar (em comparação ao latim), ao status de padrão para a língua italiana, tal qual a conhecemos hoje. Considerando-se um “manobreiro” de palavras, o poeta Manoel de Barros já declarou que a poesia não é um fenômeno de ideias ou sentimentos, mas de linguagem. Por isso, adota um comportamento de desarrumar palavras. Há quem até chame o poeta de “Guimarães Rosa da poesia”. Em seu Livro das Ignorãnças (1994), Manoel de Barros descreve seu gosto por “fazer defeitos nas frases”. Descobri aos 13 anos que o que me dava prazer nas leituras não era a beleza das frases, mas a doença delas. Comuniquei ao Padre Ezequiel, meu Preceptor, esse gosto esquisito. Eu pensava que fosse um sujeito escaleno. – Gostar de fazer defeitos na frase é muito saudável, o Padre me disse. Ele fez um limpamento em meus receios. O Padre falou ainda: Manoel, isso não é doença, pode muito que você carregue para o resto da vida um certo gosto por nadas. . . E se riu. Você não é de bugre? – ele continuou. Que sim, eu respondi. Veja que bugre só pega por desvios , não anda em estradas – Pois é nos desvios que encontra as melhores surpresas e os ariticuns maduros. Há que apenas saber errar bem o seu idioma. Esse Padre Ezequiel foi o meu primeiro professor de agramática. Confira algumas das palavras inventadas por Guimarães Rosa e outros escritores:

Tabela de palavras inventadas por escritores
Sabia que tem leitor também se aventurando na arte de inventar palavras? Já até criaram um Dicionário Informal, abastecido com palavras e expressões cadastradas por usuários. Da próxima vez, que você ler ou ouvir algo que não compreende, vale a pena conferir se você não encontra o significado aqui. E se quiser saber mais sobre a arte de Guimarães Rosa em inventar palavras, em 2001, Nilce Sant’Anna Martins publicou um livro destinado ao estudo do vocabulário empregado pelo autor: O léxico de Guimarães Rosa. Marcílio Godoi foi outro escritor a dedicar uma obra inteira à invenção de palavras:  Pequeno dicionário ilustrado de palavras invenetas. Boa leitura!]]>

Leonardo Loio

SEM, SEO e tudo relacionado a buscadores, é o que eu gosto. Carioca, marketeiro, profissional de marketing digital, search marketing, tento aprender, discutir e ensinar.

3 thoughts on “Escrita: a arte de inventar palavras

  • 02.09.2020 em 11:28 am
    Permalink

    Como assim a língua foi trazida “há mais de um século e meio”? Foi trazida há cinco séculos.

  • 01.06.2016 em 5:55 pm
    Permalink

    Gosto de inventar,não só por inventar somente mas por acreditar na “evolução da letra e suas infinitas possibilidades”. A.S.P

Fechado para comentários.

Maze Runner: Conheça os livros da saga Conheça os livros de Jô Soares Se você gostou dessas séries, vai gostar desses livros! Clássicos do Horror para conhecer Os melhores romances para ler nos próximos meses