Literatura Brasileira no Exterior: os 12 autores nacionais mais lidos no mundo

(2.3 Estrelas - 42 Votos)

Do Brasil para o mundo! Conheça as obras que tiveram repercussão internacional!

Ao contrário do que muitos podem pensar, nem só de Paulo Coelho vive a literatura brasileira no exterior. Ainda que, de fato, o escritor tenha entrado para o Livro dos Recordes, o Guinness Book, com sua obra O Alquimista – o livro mais traduzido do mundo (69 idiomas) – outros autores também conquistaram os leitores estrangeiros e vêm alcançando reconhecimento também em outros países. Mas conseguir que um livro seja publicado em outra língua está longe de ser um processo simples e exige muito mais do que talento na escrita.

Segundo o escritor Milton Hatoum, em entrevista ao Portal Literal, apenas 3% dos livros lançados todos os anos nos Estados Unidos são traduções de obras estrangeiras. Além das dificuldades com a tradução, as diferenças culturais também costumam fazer com que o enredo de um livro torne-se desinteressante para o público leitor de outro país. Agnes Krup, diretora da agência literária Sanford J. Greenburger Associates, concorda com a afirmação em entrevista à revista Veja e afirma que “mesmo que um editor americano esteja interessado e por dentro de determinada cultura estrangeira, outras pessoas participarão da escolha dos livros, como o diretor de vendas, o de marketing e o de publicidade, gente que provavelmente não fala uma palavra de outro idioma. Eles não vão apoiar um projeto que torne o trabalho deles mais difícil”. Talvez seja por esse motivo, a proximidade da língua, que alguns países europeus, sobretudo a França, são mais receptivos a traduções de obras brasileiras que os norte-americanos.

No entanto, nomes recentes no mercado literário brasileiro têm desafiado essa tendência e mostrado um avanço significativo na valorização de nossos livros no exterior. Dentre eles, podemos citar o escritor Bernardo Carvalho, que lançou o livro Nove Noites em 11 países e a escritora Patrícia Melo que com o livro Elogio da Mentira já está presente em pelo menos 20 países. Eduardo Spohr, escritor do livro A Batalha do Apocalipse, e Daniel Galera, autor de Mãos de Cavalo, também são apostas de sucesso, assim como o jornalista e estreante no universo literário Edney Silvestre. Seu primeiro romance, Se Eu Fechar os Olhos Agora, será publicado em pelo menos seis países. Mais veterano, Milton Hatoum já teve obras traduzidas para 17 idiomas e exibe na página principal de seu site, as capas de seus livros publicados no exterior.

Outra grande oportunidade para a literatura brasileira no exterior é a Feira de Frankfurt, na Alemanha, o maior evento internacional de livros do mundo que, em 2013, terá o Brasil como o grande destaque. Provavelmente, diversas editoras estarão à procura de autores brasileiros, repetindo a façanha de 1994, quando nosso país também foi destaque na feira e, depois do evento, o número de traduções de livros nacionais aumentou substancialmente, levando a literatura brasileira ao patamar de livros mais traduzidos na Alemanha (sede do evento). No entanto, no final dos anos 90, a falta de continuidade nos incentivos governamentais fez com que o ritmo da presença brasileira no exterior diminuísse consideravelmente.

Mas esse ano, diante da importância do evento de 2013, o presidente da Fundação Biblioteca Nacional, Galeno Amorim, apresentou o programa federal de estímulo à internacionalização da literatura brasileira. O Programa de Apoio à Tradução e Publicação de Autores Brasileiros no Exterior prevê o investimento de pelo menos R$ 12 milhões ao longo dos próximos dez anos. Entre as várias iniciativas do programa, destaca-se um substancial aumento nos valores das bolsas de tradução e no apoio à reedição de obras de autores nacionais no exterior.

Para o escritor e jornalista norte-americano Benjamin Moser é preciso que o país divulgue mais sua cultura literária no exterior se quiser reconhecimento internacional. “Acho que o Brasil poderia fazer muito mais para promover a literatura brasileira internacionalmente. As pessoas fora do Brasil têm uma ideia muito vaga do país. Acho que desde Carmen Miranda não tem mudado muito”, afirma Moser que, em 2009, publicou Clarice, biografia de Clarice Lispector.

Mas, afinal, quem são os autores nacionais mais lidos no exterior? Em 2009, o projeto Conexões Itaú Cultural organizou o Mapeamento da Literatura Brasileira no Exterior. Já são mais de 192 autores mapeados e dentre eles, vários gêneros literários. Mas os clássicos parecem continuar sendo preferência internacional. Conheça a galeria dos 12 escritores mais lidos no exterior, com base nesse estudo.


Machado de Assis

Considerado o maior nome da literatura brasileira, Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro, em 21 de julho de 1839. Ele também foi jornalista, poeta, dramaturgo e contista. O autor de Memórias póstumas de Brás Cubas Quincas Borba deixou ainda um legado muito importante para escolas literárias dos séculos XIX e XX.

Machado de Assis


Clarice Lispector

Naturalizada brasileira, Clarice Lispector nasceu no dia 10 de dezembro de 1920 na Ucrânia. Uma das mais importantes do século XX, sua obra é marcada por cenas cotidianas simples e tramas psicológicos. Entre os livros mais importantes da carreira da autora estão A hora da estrelaLaços de família A paixão segundo G.H. Em 1961 e 1978, a escritora ganhou o Prêmio Jabuti de Literatura.

Clarice Lispector


Guimarães Rosa

Nascido em 27 de junho de 1908, João Guimarães Rosa foi um dos mais importantes escritores do país e atuou também como médico e diplomata. Seus romances e contos são ambientados no sertão brasileiro, além de receberem influências dos ditos populares e regionais. A literatura do autor é marcada por neologismos, realismo mágico, invenções linguísticas e regionalismo. Entre as obras de Guimarães Rosa estão Sagarana e Grande Sertão Veredas.

Guimarães Rosa


Conhecido por retratar temas sociais em suas obras, o escritor baiano Jorge Amado foi um dos autores mais adaptados para o cinema e televisão. O autor de Capitães de Areia também explorava características nacionais como o folclore, crenças e sensualidade. Entre as premiações conquistadas pelo escritor está o Prêmio Camões.

Jorge Amado


Graciliano Ramos

Graciliano Ramos foi escritor, jornalista e professor. Ele nasceu em Alagoas, em 1892, e começou na literatura com o romance Caetés, em 1933. No ano seguinte, o escritor publicou São Bernardo e, em 1936, Angústia. Publicado após a sua morte, Memórias do cárcere revela algumas experiências pessoais da vida de Graciliano. Mas a obra mais significativa do autor foi Vidas secas.

Graciliano Ramos

Romancista, tradutor e professor, Milton Hatoum nasceu em Manaus, no dia 19 de agosto de 1952. Em suas obras, Hatoum costuma falar sobre lares desestruturados com uma leve tendência política. Ele é considerado um dos maiores escritores vivos no Brasil. Com Dois irmãos, o autor venceu o Prêmio Jabuti. O livro foi ainda adaptado para a televisão.

Nascido no Rio de Janeiro, em 19 de junho de 1944, Chico Buarque é um dos principais nomes da Música Popular Brasileira (MPB). Músico, dramaturgo e escritor, já lançou mais de 80 discos. Na literatura, venceu o Prêmio Jabuti e reúne uma vasta obra, como os livros BudapesteLeite derramadoO irmão alemão.

Chico Buarque

Considerado por muitos críticos o poeta mais brasileiro mais importante de todos os tempos, Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira, Minas Gerais, em 31 de outubro de 1902. Ele também foi contista e cronista, além de ser um dos principais escritores da segunda geração do Modernismo no Brasil. Em 1968, venceu o Prêmio Jabuti.

Carlos Drummond de Andrade


Rubem Fonseca

Com mais de 20 livros publicados, Rubem Fonseca lançou romances, contos e crônicas, o escritor ficou conhecido por suas narrativas velozes e cosmopolitas, repleta de violência, erotismo e irreverência. Diversas obras do autor foram adaptados, com sucesso, para a televisão e para o cinema, como Feliz ano novo, Agosto, Bufo & Spallanzani e Lúcia McCartney.

Rubem Fonseca


Oswald de Andrade

Oswald de Andrade foi um escritor, ensaísta e dramaturgo, mais conhecido por sua contribuição no movimento modernista brasileiro. Filho único, estudou Ciências e Letras no Ginásio de São Bento. Em 1909, teve seu primeiro artigo publicado no Diário Popular e dois anos depois fundou sua própria revista, chamado O Pirralho. Em 1924, lançou um dos mais importantes manifestos do movimento no jornal Correio da Manhã, o Manifesto Pau-Brasil.

Poeta e musicólogo, Mário de Andrade nasceu em 9 de outubro de 1893, em São Paulo. Sua principal obra, Macunaíma foi lançada em 1928 e reflete seus estudos sobre folclore, etnografia e cultura do Brasil. Antes de morrer, em 1945, trabalhou como crítico de arte, diretor do Departamento de Cultura da Prefeitura de São Paulo e foi nomeado professor catedrático da então Universidade do Distrito Federal, no Rio de Janeiro.

Mário de Andrade


Moacyr Scliar

Moacyr Scliar, médico e escritor, nasceu em Porto Alegre no dia 23 de Março de 1937. Ele publicou mais de 70 livros entre contos, romances, ensaios e literatura infantojuvenil. As obras de maior sucesso foram Guerra no Bom Fim, O Centauro no Jardim, A Majestade do Xingu. Moacyr Scliar foi o sétimo ocupante da cadeira 31 da Academia Brasileira de Letras.

Moacyr Scliar


O que achou da lista? Comente e participe!

[wysija_form id=”5″]
Comentários

17 comentários em “Literatura Brasileira no Exterior: os 12 autores nacionais mais lidos no mundo

  • 23.01.2018 a 3:39 pm
    Permalink

    As Aventuras de Pi é plágio do Moacyr Scliar, dizem.

  • 14.10.2016 a 12:07 am
    Permalink

    Eu sei que meu escritor favorito é mesmo Machado de Assis, mas sou tambem apaixonado em Jose Alencar ainda mais com suas obras indianistas.

  • 11.04.2016 a 10:37 pm
    Permalink

    material muito importante, muito obrigado pelas dicas, muito grato!

  • 16.09.2015 a 2:33 pm
    Permalink

    Eu já li quatro livros de Machado de Assis e creio que ele só está nesta lista porque “não tive filhos, não transmiti a ninguém a miséria da minha existência”, por não ser como o Orígenes Lessa, que degenerou em Ivan Lessa; e por não ser como Érico Veríssimo, que degenerou em Luís Fernando Veríssimo ele está aí.

  • 14.10.2014 a 8:08 pm
    Permalink

    Adoro Machado de Assis acho que ele tinha que ser mais lembrado que nós ensinou muita coisa

  • 11.09.2014 a 10:51 am
    Permalink

    Muito merecido, mas não podemos esquecer do psiquiatra e grande escritor Augusto Cury!

  • 24.03.2014 a 4:35 pm
    Permalink

    Fico feliz em saber que Jorge Amado faz parte desse grupo. Li todos seus livros! Uma riqueza de literatura com seus personagem maravilhosos.
    Gente como a gente. Linguagem simples. Sua literatura é capaz de acordar o leitor…

  • 24.03.2014 a 4:25 pm
    Permalink

    Gostei de me informar que Jorge Amado faz parte desse grupo. Aprendi muito com os personagens dos livros desse escritor. Uma riqueza de conteúdo literário, onde o leitor é inserido no cotidiano do trabalho, da política, do lazer, enfim, da busca pela conquista de espaço.

  • 12.10.2013 a 7:58 pm
    Permalink

    Esse ranking é mais que merecido. Clarice Lispector tem o seu reconhecimento por se tratar de uma escritora ukraniana, então isso, mesmo que indiretamente já contribuiu. Na sequência, Guimarães Rosa e Jorge Amado, sem dúvida temos os mais conhecidos e reconhecidos pela literatura internacional. Machado dispensa comentários, o maior, único, singular.. Guimarães Rosa uma grande máquina da linguagem em seus vários e vários idiomas.. agora Jorge Amado é a cara do Brasil. Um Brasil sem medo, sem vergonha (Pero Vaz), preguiçoso (Mário de Andrade), Brasil Brasil.
    Para quem quiser ler mais, há um livro chamado !00 – Autores que mudaram a história do mundo. Com certeza vocês vão encontrar outros tupiniquins ao lado de outros monstros da literatura mundial. Abraço.

  • 11.10.2013 a 4:40 pm
    Permalink

    Definitivamente, Guimarães Rosa é um gigante!

  • 16.04.2013 a 10:22 pm
    Permalink

    O site é ótimo.

  • 15.04.2013 a 3:56 pm
    Permalink

    Muito boa a lista, justa, aliás, justissíma. Apenas uma pequena ressalva, faltou o nome do grande escritor regionalista José Lins do Rego. Ele é merecidamente o melhor romancista brasileiro, não o melhor escritor, isso fica mesmo para o velho Machado de Assis. Obrigado pela oportunidade que me deram para que eu pudesse me manifestar livremenete. Grato.

  • 30.01.2013 a 10:12 am
    Permalink

    Gostei também da lista dos doze, e foi mais do que merecido! Também tenho algumas obras destes autores, inclusive em formato digital. Para os escritores novos e independentes, uma boa dica é pubicar em formatos digitais (e-books) através das plataformas gratuitas como a Xinxii.com/pt ou a Gato Sabido, por exemplo. Assim, começando a ganhar dinheiro, pode-se pagar pela publicação impressa! 😉

    Abraços!

  • 30.09.2012 a 12:31 pm
    Permalink

    Pois é, eu nunca ouvi falar desse Milton Hatoun.

  • 11.08.2012 a 7:04 pm
    Permalink

    A matéria deixa de ressaltar um dado fundamental para que não se tenha uma visão distorcida às avessas: menos de 250 pessoas foram entrevistadas sendo todas pesquisadoras acadêmicas sobre literatura brasileira. Uma elite que, por necessidade profissional, acessa nossos autores mais sofisticados (só assim a presença de Milton Hatoun, praticamente desconhecido do grande público no seu próprio país de origem se justifica, independente do mérito e da qualidade de sua prosa).

  • 24.04.2012 a 11:34 am
    Permalink

    Gostei muito da lista dos Doze Autores Mais Lidos no exterior. Conheço a obra de todos, embora não tenha lido toda a obra de todos. E se eu tivesse que acrescentar mais um nome, de um romancista, eu acrescentaria o nome de José Lins do Rego, obviamente que pela beleza e originalidade de sua obra, mas a questão em apreço é outra, qual seja, a relação não é dos melhores escritores brasileiros, mas a dos mais lidos no exterior. Grato! Juarez Moreira Filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares