Aprofunde-se na política e economia mundial

(3.7 Estrelas - 3 Votos)

O que acontece em um país pode afetar outros lugares do mundo. Veja 10 livros que vão ajudar você a entender os contextos históricos

Todos os dias, somos tomados por milhares de informações sobre o que acontece no Brasil e em outros países. O que acontece em relação à política e economia de um país pode afetar diferentes lugares do mundo. No entanto, para entender todos os fatos, não basta apenas ler as notícias, é preciso analisar também os complexos e densos contextos históricos de cada região.

LEIA MAIS: Conheça 7 livros com temáticas sociais e políticas para jovens

Por isso, selecionamos dez livros que vão ajudar você a mergulhar nesses assuntos, como títulos de história, política e também livros-reportagem. Na lista, incluímos obras recém-lançadas, como Why Not, de Raquel Landim, que conta a história dos irmãos Joesley e Wesley Batista, e clássicos, como A riqueza das nações, de Adam Smith.

Veja a seleção completa e boa leitura!


Valsa brasileira, de Laura Machado

Entre 2006 e 2017, a economia brasileira viveu numa montanha russa. Do segundo mandato de Lula ao impeachment de Dilma Rousseff, o país passou por alguns dos anos de maior prosperidade de sua história, mas também viveu uma crise sem precedentes. O que aconteceu? Este livro sugere uma resposta. Segundo a autora, os obstáculos para a continuidade do crescimento inclusivo de 2006 e 2010 eram superáveis, mas optou-se por fazer deles pretexto para uma malsucedida mudança de rumo. Laura Carvalho não se limita ao diagnóstico, e propõe uma nova agenda.


A classe média no espelho, de Jessé Souza

Neste livro, Jessé Souza vai além das teorias sociais que se baseiam apenas na esfera do dinheiro e do poder em direção a uma análise mais profunda das ideias e dos valores morais dessa parcela da população. Um dos mitos é a concepção cultural do brasileiro “vira-lata”, inferior, emotivo e corrupto por natureza. Para o sociólogo, essas são “mentiras que a elite e seus intelectuais inventaram para melhor doutrinar e manipular a classe média”.


A riqueza das nações, de Adam Smith

O livro A riqueza das nações é um clássico de relevante interesse histórico no pensamento econômico. Trata-se, na verdade, de uma obra considerada por especialistas como “uma das grandes construções intelectuais da história moderna”. Ideias fundamentais, como a da divisão do trabalho ou a da organização natural da vida econômica, foram particularmente aprofundadas por Adam Smith.


As veias abertas da América Latina, de Eduardo Galeano

Este livro tornou-se um ‘clássico libertário’, um inventário da dependência e da vassalagem de que a América Latina tem sido vítima, desde que nela aportaram os europeus no final do século XV. No começo, espanhóis e portugueses. Depois vieram ingleses, holandeses, franceses, modernamente os norte-americanos, e o ancestral cenário permanece – a mesma submissão, a mesma miséria, a mesma espoliação.


Sobre o autoritarismo brasileiro, de Lilia Moritz Schwarcz

Valendo-se de uma ampla reunião de dados estatísticos, Lilia M. Schwarcz examina algumas das raízes do autoritarismo brasileiro, bastante antigas e arraigadas, embora frequentemente mascaradas pela mitologia nacional. Os brasileiros gostam de se crer diversos do que são. Tolerantes, abertos, pacíficos e acolhedores são alguns dos adjetivos que habitam frequentemente a mitologia nacional. Neste livro urgente e necessário, Lilia M. Schwarcz reconstitui a construção dessa narrativa oficial que acabou por obscurecer uma realidade bem menos suave, marcada pela herança perversa da escravidão e pelas lógicas de dominação do sistema colonial.


Why not, de Raquel Landim

O Brasil assistiu nos últimos anos ao rápido crescimento da JBS, que, nas mãos dos irmãos Wesley e Joesley Batista, saiu da condição de pequena empresa familiar para transformar-se em gigante mundial. Já no auge do sucesso, Joesley trocou seu iate Blessed (“Abençoado”, em inglês) por um novo e maior, que batizou de Why Not (“Por que não?”). O sugestivo nome parecia indicar os rumos que os irmãos estavam dispostos a percorrer. Por que não subornar políticos para aprovar leis que favorecessem a empresa?


Medo: Trump na Casa Branca, de Bob Woodward

Este é um livro que vem abalando a política norte-americana. O autor se vale de centenas de horas de entrevistas com fontes primárias, atas de reunião, diários pessoais, arquivos e documentos para revelar a maneira atabalhoada como são tomadas as decisões na Casa Branca. De assuntos-chave da política internacional, como a Coreia do Norte, Afeganistão, Irã, Oriente Médio, China e Rússia, a pontos cruciais da política interna, como imigração e a violência racial em Charlottesville.


Se não fosse o Cabral: A máfia que destruiu o Rio e assalta o país, de Tom Cardoso

Um homem sem impedimento moral, sem pudores, disposto a tudo para enriquecer. Este livro-reportagem reconstitui a trajetória de Sergio Cabral Filho, do vereador travestido de idealista até poderoso governador do estado do Rio, preso pela Operação Lava Jato depois de ser acusado de receber milhões de propinas para fechar contratos públicos. A obra traça o retrato de uma geração de políticos, parceiros de Cabral num dos maiores esquemas de corrupção na história do nosso país.


1889, de Laurentino Gomes

Laurentino Gomes conquistou maior repercussão no país com os livros 18081822 1889. Nestes livros, ele conta uma parte do Brasil imperial. Em 1808, o autor narra a chegada da Corte Portuguesa no país. Já em 1822, ele retrata o cenário da independência brasileira, que ocorreu em 7 de setembro daquele ano. Por fim, em 1889, Laurentino fala sobre o ano da proclamação da República.


Sem lugar para se esconder, de Gleen Greenwald

Em meados de 2013, o jornal britânico The Guardian publicou uma série de matérias que desvendavam a vigilância ilimitada praticada pela NSA, a Agência de Segurança Nacional norte-americana. As reportagens, assinadas pelo ex-advogado e jornalista Glenn Greenwald, revelaram ao mundo que a inteligência do país estava espionando em larga escala não só as comunicações domésticas, mas também as de outros países, inclusive os aliados. Neste livro, Greenwald conta, desde o início, como foi escolhido por Edward Snowden para ser o receptor dos dados confidenciais que formaram o escopo de seu trabalho jornalístico.


O que você achou da lista? Comente e participe!


Gabriela Mattos

Analista de comunicação em Estante Virtual
Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.
Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *