10 livros para ficar por dentro da filosofia

(4.7 Estrelas - 3 Votos)

Esta área é fundamental para estudar questões sobre a existência humana. Confira a nossa lista completa e boa leitura!

Por definição, o conceito de filosofia trata-se do “amor pela sabedoria, experimentado apenas pelo ser humano consciente de sua própria ignorância”.

Mas, afinal, quando a filosofia foi criada?

Com o surgimento das cidades-estados na Grécia, o pensamento filosófico teve início na Antiguidade para confrontar as explicações míticas existentes na época, que eram influenciadas por mitologia, religião e fenômenos da natureza. Os filósofos começaram, então, a sistematizar o pensamento.

Complexa e extensa, a filosofia é dividida em diversos períodos e correntes. Entre os principais estão o Pré-Socrático, o Socrático e o Helenístico, na Filosofia Antiga; o Humanismo, o Cientificismo e o Racionalismo, na Filosofia Moderna; e o Existencialismo, o Materialismo e o Pragmatismo, na Filosofia Contemporânea.

E para que a filosofia serve?

Ao analisar questões sobre a existência humana de forma racional e lógica, esta área do conhecimento é fundamental para o surgimento de uma atitude crítica na sociedade.

A partir das reflexões e questionamentos que propõe, a filosofia proporciona aos indivíduos um maior conhecimento a respeito do mundo e de si próprio também. Não à toa, ela é um método utilizado amplamente em estudos e pesquisas em áreas como a da ciência e a da cultura.

Que tal entender melhor os conceitos? De clássicos a contemporâneos, selecionamos livros que mostram a importância da filosofia e, principalmente, que ela pode ser acessível a todos. Confira a lista completa!


O livro da filosofia, Globo Livros

O livro da filosofia é ideal para quem quer ver todos os períodos filosóficos, começando pela Antiguidade. A obra é organizada em torno de máximas de expoentes da área e, a partir disso, o pensamento é estudado e posto em diálogo com as discussões do momento histórico em questão e com outras épocas e perspectivas.


Genealogia da moral, Friedrich Nietzsche

Um dos clássicos da Filosofia,Genealogia da Moral é uma das obras de mais destaque do filósofo alemão Friedrich Nietzsche. Sob diferentes ângulos, o autor analisa a origem dos conceitos e pré-conceitos morais da cultura ocidental. Ao refletir sobre bom e mau, culpa e ascetismo, Nietzsche expõe a fabricação dos valores éticos e sua dimensão de poder.

a-genealogia-da-moral-nietzsche-filosofia

O segundo sexo, Simone de Beauvoir

Publicado originalmente em 1949, O Segundo Sexo é obra pioneira dos estudos sobre as mulheres. Traduzido para mais de 30 idiomas e publicado em diversos países, este livro de Simone de Beauvoir se tornou referência para os movimentos feministas dos anos 1970.


O mundo como vontade e representação, Arthur Schopenhauer

Esta obra de Schopenhauer é fundamental no mundo filosófico e abrange temas que vão da epistemologia à ética. Platão, Kant e o Vendantismo são referências permanentes ao longo de todo o texto. Assim, Schopenhauer associa a dialética de Kant – do nômeno e do fenômeno – com a visão platoniana – das ideias claras e do mundo incerto – para definir suas constantes filosóficas.


Homens em tempos sombrios, Hannah Arendt

Este livro reúne ensaios biográficos de homens e mulheres que viveram os “tempos sombrios” da primeira metade do século XX, marcados pela emergência do totalitarismo na forma do nazismo e do stalinismo. A filósofa alemã Hannah Arendt submete a uma reflexão apaixonada, e por vezes implacável, os erros e acertos dessas personalidades, suas culpas e vitórias, responsabilidades e irresponsabilidades perante a realidade que enfrentaram. A beleza destes relatos reside na sólida crença de Arendt na solidariedade e dignidade humanas, valores morais capazes de impedir o triunfo do niilismo e do totalitarismo numa época de experiências catastróficas.


O mito de Sísifo, Albert Camus

Em O mito de Sísifo, Albert Camus destaca o mundo imerso em irracionalidades e lembra Sísifo, condenado pelos deuses a empurrar incessantemente uma pedra até o alto da montanha, de onde ela tornava a cair. O autor cria um retrato do mundo em que vivemos e do dilema enfrentado pelo homem contemporâneo: “Ou não somos livres e o responsável pelo mal é Deus todo-poderoso, ou somos livres e responsáveis, mas Deus não é todo-poderoso.”


O Dilema do Porco-espinho, Leandro Karnal

Em O dilema do porco-espinho, Karnal viaja pela modernidade líquida e também analisa a solidão no mundo virtual. O livro contempla tanto temas como os amigos imaginários das crianças até pensamentos de filósofos como Aristóteles, que dizia que a solidão criava deuses e bestas.


Sociedade do cansaço, Byung-chul Han

O mercado de palestras e livros motivacionais está crescendo desde o início do século XXI e não mostra sinais de desaquecimento. Religiões tradicionais estão perdendo adeptos para novas igrejas que trocam o discurso do pecado pelo encorajamento e autoajuda. O filósofo alemão Byung-Chul Han mostra que a sociedade disciplinar e repressora do século XX descrita por Michel Foucault perde espaço para uma nova forma de organização coercitiva: a violência neuronal. As pessoas se cobram cada vez mais para apresentar resultados – tornando elas mesmas vigilantes e carrascas de suas ações.


Vigiar e punir, Michel Foucault

A lista também não poderia deixar de lado um dos principais filósofos do mundo, Michel Foucault (1926-1984). Vigiar e punir é um estudo científico, documentado, sobre a evolução histórica da legislação penal e respectivos métodos coercitivos e punitivos, adotados pelo poder público na repressão da delinquência. Métodos que vão desde a violência física até instituições correcionais.


O Mundo de Sofia, Jostein Gaarder

Às vésperas de seu aniversário de quinze anos, Sofia Amundsen começa a receber bilhetes e cartões-postais bastante estranhos. Os bilhetes são anônimos e perguntam a Sofia quem é ela e de onde vem o mundo. Os postais, no entanto, são enviados do Líbano, por um major desconhecido, com destino a uma certa Hilde Møller Knag, garota a quem Sofia também não conhece.


A república, Platão

O centro nevrálgico da discussão e investigação desenvolvidas por Platão é, por certo, a cidade e governo de seus cidadãos, os padrões de moral e de justiça que os conduzem e regulam o embate de seus interesses. Os argumentos aduzidos em torno do problema da tirania e da democracia encontram-se na pauta dos conflitos e dos debates de nossa contemporaneidade.


Qual livro você incluiria na lista? Comente e participe!


Gabriela Mattos
Comentários

Gabriela Mattos

Gabriela é jornalista, editora do Estante Blog e foi repórter em um jornal carioca. Viciada em comprar livros, é apaixonada por literatura contemporânea e jornalismo literário.

Um comentário em “10 livros para ficar por dentro da filosofia

  • 22.03.2019 a 12:23 pm
    Permalink

    Muito bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *