É hoje! 8 melhores livros de suspense para ler nesta sexta-feira 13

(1.4 Estrelas - 5 Votos)

Antes que termine o dia, vamos conhecer algumas narrativas viciantes que aguçam a nossa imaginação? #sextou

Bem-vindos à sexta-feira 13! Dizem os superticiosos que, na dúvida, é melhor ficar protegido em casa. Afinal, estamos falando de um dia popularmente conhecido como o mais amaldiçoado do calendário. O azar está no ar?  “Supostamente, tudo pode dar errado hoje. Ouvimos tantas coisas que é natural sentir um medo de leve, ainda que seja bem lá no fundo. Vira e mexe, a gente se pega levando a sério alguma superstição: bate na madeira, foge de gatos pretos, evita passar debaixo de escadas, toma cuidado para não derrubar sal de jeito nenhum, muito menos quebrar um espelho… Em qual delas você acredita?

A lenda da sexta-feira 13 tem várias explicações socialmente estabelecidas. Segundo o autor do guia “Superstições da Grã-Bretanha e Irlanda”, Steve Round, sexta-feira (13) foi o dia da crucificação de Jesus Cristo. “As sextas-feiras sempre foram vistas como um dia de penitência e abstinência”, disse. Além disso, na última santa ceia narrada pela Bíblia, Jesus estava com 12 discípulos – e ele foi traído por um eles. O número, então, se popularizou com uma simbologia negativa.

Curiosidades sobre o número 13

Na história da civilização, 13 é considerado um número incompleto. Há uma série de outras justificativas supersticiosas. Por exemplo: no tarô, a carta 13 é a da morte – o que para alguns representa mudança e positividade e para outros é associado a coisas ruins. Já a numerologia considera como um número de desarmonia com as leis do universo. Na Bíblia, o capítulo 13 do livro de Apocalipse fala do anticristo e da besta.

Entre mitos e verdades, vamos aproveitar a sexta-feira 13 para disparar indicações dos melhores livros de suspense! Entre nas narrativas de autores e autoras que fazem são mestres na arte de instigar a nossa imaginação por meio da leitura!


A sombra do vento, de Carlos Ruiz Zafón

Tudo começa em Barcelona, em 1945. Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível; em uma madrugada fantasmagórica, leva-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o ‘cemitério dos livros esquecidos’. O lugar, conhecido de poucos barceloneses, é uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um exemplar de ‘A Sombra do Vento’, do também barcelonês Julián Carax. Uma narrativa de ritmo eletrizante, escrita em uma prosa – ora poética, ora irônica.


Garota Exemplar, de Gillian Flynn

A filha e esposa perfeita Amy Elliot desaparece no dia do seu 5º aniversário de casamento, deixando vestígios trágicos e o principal suspeito é o seu marido, Nick Dunne. O caso ganha notoriedade nacional, devido a fama de Amy. O relacionamento em crise, traições, a carreira em decadência e a mudança de Manhattan para a pequena cidade no Missouri, às margens do Mississipi, vão dando o tom desse eletrizante mistério. A autora, Gillian Flynn, apresenta um emblemático cenário de suspense a partir dos relatos no diário de Amy, às contradições de Nick – que precisa provar sua inocência e, ao mesmo tempo, descobrir o paradeiro da esposa – e as novas pistas que vão sendo montadas. Aliás, Amy adora brincar com pistas e elas vão movimentando o caso. Confira a resenha do livro aqui!

Garota Exemplar, de Gillian Flynn


Roleta Russa, de Jason Matthews

Dominika Egovora tinha um sonho desde quando era criança: fazer parte do Bolshoi – o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, ela vê seu ideal de carreira finalizar de forma traumática. E, pouco tempo depois, tem que lidar com a morte súbita do seu pai. Perdida e desnorteada, Dominika aceita fazer parte do serviço secreto russo, o SVR. Em seus primeiros meses como pardal, ela recebe a importante missão de conquistar o americano Nathaniel Nash – um jovem agente da CIA, responsável por um dos mais influentes informantes russos que a agência já teve. O objetivo é fazê-lo revelar a identidade do traidor, que pertence ao alto escalão do SVR. Logo o “casal” entra num duelo de inteligência e táticas operacionais, apimentado pela atração irresistível que sentem um pelo outro.

Roleta Russa, de Jason Matthews


O jardim de ossos, de Tess Gerritsen

O suspense incansável se passa em Boston, em 1830. Buscando por uma alternativa que o ajude a pagar os estudos no curso de Medicina, Norris Marshall recorre a saqueadores de tumbas que negociam cadáveres no mercado. Tudo ia muito “bem” até o seguinte episódio: após dois corpos serem encontrados no terreno do hospital universitário, Norris descobre que seu ganha-pão ilícito o transformou no principal suspeito dos crimes. Ao lado da única testemunha que viu o assassino, o estudante vasculha a cidade em busca do maníaco e da prova de sua inocência.

O jardim de ossos, de Tess Gerritsen


O caso dos dez negrinhos – ou E não sobrou nenhum, de Agatha Christie  

Trata-se de um clássico da consagrada escritora de suspense e terror, Agatha Christie. Dez pessoas são convidadas a passar o fim de semana em uma ilha por um anfitrião desconhecido. No entanto, todos começam a morrer – um a um. Resta aos leitores, então, descobrir quem é o assassino, em meio a uma narrativa instigante e aterrorizante, típicas características da autora.

O caso dos dez negrinhos, de Agatha Christie


Dias perfeitos, de Raphael Montes

Téo é um jovem solitário que se divide entre os estudos de Medicina e os cuidados da sua mãe paraplégica. Em suas aulas de anatomia, ele se dedica à dissecação de cadáveres também. Tudo é muito rotineiro até que, em uma festa, o protagonista conhece Clarice – uma doce jovem que sonha tornar-se roteirista de cinema e está escrevendo “Dias Perfeitos”. Téo fica viciado na menina: quer desvendá-la a qualquer custo. Começa, então, a se aproximar de forma insistente. Diante das seguidas negativas, opta por uma atitude extrema: desfere um golpe na cabeça dela e, ato contínuo, sequestra a garota. Elabora então um plano para conquistá-la: coloca-a sedada no banco carona de seu carro e inicia uma viagem pelas estradas do Rio de Janeiro – a mesma viagem feita pelas personagens do roteiro que está escrevendo. Uma história de amor obsessivo e paranoico, que é uma surpresa literária.

Dias perfeitos, de Raphael Montes


Precisamos falar sobre Kevin, de Lionel Shriver

O livro é como uma maratona. Você começa animado, depois se pergunta por que se meteu nessa roubada. Depois começa achar que desistir não é tão ruim assim. Aí você começa a se arrastar e odiar quem disse que isso era uma boa ideia. Mas, quando você enxerga a linha de chegada, a sensação é gloriosa. Aí você chega ao final e ninguém ama você.Escrito em forma de cartas de uma mãe para seu marido, o livro explora a sina de uma família marcada pela desconexão afetiva de mãe e filho. É lindo, sombrio e triste. Mas é uma experiência para ser lembrada por um bom tempo. Leia a resenha do suspense aqui!

Precisamos falar sobre Kevin, de Lionel Shriver


Um estudo em vermelho, de Arthur Conan Doyle

Neste romance policial, publicado originalmente pela revista Beeton’s Christmas Annual em novembro de 1887, trata-se do primeiro livro que acompanha a história do detetive Sherlock Holmes e de seu parceiro Watson, que narra boa parte dos acontecimentos e também participa das aventuras. A grande capacidade de dedução de Holmes é também apresentada ao público pela primeira vez, e é a maior responsável pela solução do caso investigado.

Um estudo em vermelho, de Arthur Conan Doyle

LEIA TAMBÉM: 10 melhores livros de terror


Qual livro você acrescentaria à lista?


Quer receber dicas semanais de leitura?

Assine e receba dicas fresquinhas em seu e-mail toda semana.

Andréia Coutinho Louback

Andréia Coutinho Louback

Jornalista em Estante Virtual
Apaixonada por histórias e viciada em comprar livros. Sou uma mulher negra que atua rumo à superação do racismo na sociedade, em especial, na área da comunicação.
Andréia Coutinho Louback
Comentários

Andréia Coutinho Louback

Apaixonada por histórias e viciada em comprar livros. Sou uma mulher negra que atua rumo à superação do racismo na sociedade, em especial, na área da comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares