7 livros de teatro para calouros e veteranos apaixonados por arte

(3.7 Estrelas - 10 Votos)

No Dia Mundial do Teatro, vamos passear por obras importantes para quem deseja compreender mais sobre  gêneros teatrais e performances!

Um brinde à arte de atuar com o coração! No Dia Mundial do Teatro, temos muito a dizer! Considerado um ato político, o fazer teatral é um verdadeiro exercício humano que transcende a individualidade e se manifesta no coletivo. Estamos diante de um universo sem limites. Aliás, para quem ama toda forma de expressão artística, a palavra ‘limite’ não existe no dicionário. Corpo, voz e espírito. Tudo é possível com apenas uma condição: que haja liberdade!

Linguagem e democratização cultural

É comum ouvirmos histórias sobre a repercussão positiva que o teatro tem na vida de quem o abraça. São muitas vertentes e gêneros teatrais para se identificar, assim como tantas possíveis reinvenções artísticas. Vamos, porém, focar em três importantes tópicos para uma breve análise: o poder da linguagem teatral, a democratização da arte e as contribuições do teatro para a sociedade.

Livros de teatro para calouros e veteranos apaixonados por arte

Tragédia, comédia, musical, farsa, drama, stand-up comedy, tragicomédia, ópera?. Para cada gênero característico, uma linguagem teatral. Ela sequencia diferentes narrativas de atuação (seja verbal ou corporal), conferindo força e expressão a um espetáculo. Logo, seus principais elementos constituem o tempo narrativo, espaço, personagens, plateia, cenário, figurino, iluminação e sonoplastia. Uma orquestra sintonizada em cada detalhe da teatralidade.

Legados e contribuições sociais

Inclusiva, a arte teatral deixou legados na democratização da cultura, propagando arte para diversas camadas da sociedade – tanto para atores quanto para espectadores.  Relacionada com o cinema e  com a literatura clássica,  muitas peças são adaptadas e inspiradas em obras tradicionais, contemplando crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos. Frente à diversidade de espetáculos e atrações que temos hoje – e sempre tivemos! -, todos os públicos são bem-vindos aos estilos, linguagens e narrativas a serem compartilhadas no palco.

Diante disso, as contribuições para a sociedade contemporânea se refletem no poder da indústria cultural, estimulando a imaginação, reconstruindo espaços e tradições, além de moldar o inconsciente coletivo – ou seja, a representatividade imagética de contextos sociais por meio da dramaturgia.  Vamos fazer um tour por 7 livros de teatro importantes na compreensão das vertentes – gerais e específicas?


Romeu e Julieta, de Shakespeare

A mais bela e trágica história de amor é digna de ser sempre homenageada. A dramaturgia universal se passa em Verona, no século XVI. Jovens, intensos e apaixonados, a trama de Romeu e Julieta retrata o desafio de viver uma paixão proibida. William Shakespeare relata as rivalidades e disputas entre duas famílias que culminam em um desfecho trágico que – até hoje – faz sucesso! Outros escritores, antes do bardo inglês, criaram enredos inspirados no destino dos dois  amantes. Mas nenhuma versão se compara à de Shakespeare que transformou uma história, aparentemente corriqueira em termos literários, numa obra-prima de dimensão internacional.

Romeu e Julieta, de Shakespeare


Teatro do Oprimido e Outras Poéticas Políticas, de Augusto Boal

Augusto Boal, um dos pensadores mais influentes do teatro contemporâneo, reuniu ensaios sobre as técnicas que criou em crítica ao teatro tradicional, questionando as formas de opressão que este último reproduz. O autor é reconhecido pelo título de “Embaixador do Teatro Mundial”, suas metodologias e encenações vão muito além dos palcos – estendendo-se às ruas, praças, escolas, parlamentos e outros espaços a fim de nos libertar das imposições opressoras que temos dentro de nós.

Teatro do Oprimido e Outras Poéticas Políticas, de Augusto Boal


A preparação do ator, de Constantin Stanislavski

A obra é dedicada à reflexão sobre como atores e atrizes devem agir durante as etapas de criação e realização do fazer teatral. A  argumentação de Stanislavski tem como objetivo a fuga de toda artificialidade, resgatando o sentido verdadeiro da dramaturgia e refletindo no trabalho do personagem como um todo (e não em si mesmo).

A preparação do Ator, de Constantin Stanislavski


Escola de Mulheres, Molière

Jenny Klabin Segall não se limitou a “traduzir”, isto é, transladar de uma língua para outra, ou, simplesmente, a interpretar Molière em português. Fez mais, muito mais: “re-produziu”, quer dizer, “produziu de novo”, sentindo, pensando e dizendo como, onde, porque e quando Molière sentiu, pensou e disse. O precioso sabor original mantém-se intacto na versão, infacto no fundo e na forma. Pareceu complexo? Não se engane! Você vai se apaixonar pelo enredo!

Escola de Mulheres, Molière


Teatro em versos, de Vinicius de Moraes

Para começar, a obra ganhou o Prêmio Jabuti 1992 de Melhor Produção Editorial. Inspirado em outros poetas clássicos e suas tradições, Vinicius de Moraes percorre por diversos gêneros do teatro para investir na dramaturgia baseada em um dos seus relatos de denúncia das próprias distorções humanas. Ele se engaja em um fazer teatral com dramas históricos e apelos sociais, assim como as comédias musicadas. Contemporânea das Cinco Elegias, o autor tenta traduzir suas múltiplas subjetividades.

Teatro em versos, de Vinicius de Moraes


Como parar de atuar, de Harold Guskin

Um livro para novatos e veteranos que atuem em telas ou em palcos. O autor derruba a ideia de que é preciso criar um personagem e propõe o ator de ‘corporificar’ e explorar os potenciais em contínua evolução. Assim, a leitura traz uma série de conselhos e orientações psicológicas para diversificar as demandas particulares de cada cena teatral. Um rico e prático ensinamento para todos os que desejam ir além da simples encenação!

Como parar de atuar, de Harold Guskin


Cartas a uma jovem atriz, de Marília Pera

Além de contar sua trajetória de vida e experiências como atriz, Marília divide alguns exercícios, truques e técnicas para as mulheres que desejam estrelar com sucesso e seriedade. Ela joga limpo em relação aos desafios de quem escolhe viver do teatro e reflete sobre o desafio à luz do corpo, alma e sentimentos de quem se entrega à expressão artística. O livro é recomendado para todas que estão lapidando seus dons e talentos no fazer teatral.

Cartas a uma jovem atriz, de Marília Pera


Lembrou de algum livro específico? Veja se ele está disponível na Estante Virtual.


Andréia Coutinho Louback

Andréia Coutinho Louback

Jornalista em Estante Virtual
Apaixonada por histórias e viciada em comprar livros. Sou uma mulher negra que atua rumo à superação do racismo na sociedade, em especial, na área da comunicação.
Andréia Coutinho Louback
Comentários

Andréia Coutinho Louback

Apaixonada por histórias e viciada em comprar livros. Sou uma mulher negra que atua rumo à superação do racismo na sociedade, em especial, na área da comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares