7 livros de Valter Hugo Mãe que você precisa ler

(0 Estrelas - 0 Votos)

O autor português conquistou todo o mundo com suas obras.

Ao ser questionado sobre se é ofensivo afirmar que a arte nunca se basta, Valter Hugo Mãe respondeu: “Não é efetivamente possível imaginar que um autor possa contentar-se com o que fez, pode ter encontrado a paz com o livro. Mas satisfeito nunca. E se estiver, é um autor morto”, afirmou. Valter Hugo Lemos nasceu em Henrique de Carvalho,  atual Saurimo, uma cidade angolana mas com administração por Portuguesa, em 1971. Nascido dentro deste caldeirão cultural, o autor sofreu grandes influências para os caminhos artísticos que escolheu seguir – a literatura, as artes plásticas, a televisão e a música.

Do êxito no mercado editorial ao sucesso como escritor

O escritor se formou em direito mas seguiu carreira na literatura, fazendo pós graduação em Literatura Portuguesa Contemporânea, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Para ingressar de vez no meio literário, Valter Hugo Lemos passou a atender pelo nome artístico de Valter Hugo Mãe. Ele foi fundador e editor da Quasi edições, na qual publicou as obras de nomes como Caetano Veloso, Adriana Calcanhotto, Manoel de Barros, Ferreira Gullar, Mário Soares, entre outros. O autor também foi co-diretor da revista Apeadeiro e em 2006 fundou a editora Objecto Cardíaco. Apesar do sucesso no mercado editorial, Valter Hugo só conseguiu o reconhecimento do público com o recebimento do Prêmio Literário José Saramago pelo seu romance O remorso de Baltazar Serapião, do qual o próprio José Saramago considerou o livro um “verdadeiro tsunami literário” e comentou: “Por vezes, tive a sensação de assistir um novo parto da Língua Portuguesa.”

Além da literatura, o escritor também se dedica ao desenho e inaugurou a sua primeira exposição em Maio de 2007. Dede o final de 2012, o escritor apresenta um programa de entrevistas em Portugal. Valter inovou ao escrever seus primeiros romances integralmente em letras maiúsculas, com a intenção do leitor enxergar a literatura como liberdade completa de pensamento. Por outro lado, as letras minúsculas foram escritas com a finalidade de representar a igualdade. É com esta democracia de palavras e de histórias que Valter Hugo Mãe se consagrou entre os escritores contemporâneos mais importantes do mundo.

Confira a nossa seleção com as obras essenciais do autor!


 

Homens imprudentemente poéticos, de Valter Hugo Mae

Em Homens imprudentemente poéticos, Valter Hugo Mãe narra a história dos personagens Itaro e Saburo, vizinhos, mas inimigos. Ambientado no Japão antigo e onde a morte e a ausência de amor imperam, Valter explora a sua linguagem única, que tornou-se um característica forte de sua obra.


A máquina de fazer espanhóis, de Valter Hugo Mãe

Em A máquina de fazer espanhóis, Valter Hugo Mãe alcançou o segundo lugar de vendas na categoria livro de ficção em Portugal. Valter Hugo narra a história de Antônio Jorge da Silva, um barbeiro que acaba de completar 84 anos, e depois de perder a esposa, acaba indo para um asilo. Sozinho, Antônio se vê obrigado a encontrar novas razões de viver.


O filho de mil homens, de Valter Hugo Mãe

Inspirado nos questionamentos do escritor sobre paternidade, o livro conta história de Crisóstomo, um pescador que ao chegar aos 40 anos sente-se triste e incompleto por não ter tido um filho. Um dia ele conhece Camilo, um jovem órfão à procura de trabalho e o acolhe, assumindo o papel de seu pai. A eles, se juntará Isaura, uma mulher deprimida e desiludida em relação a vida, mas que encontra na nova família uma possibilidade de ser feliz.


A desumanização, de Valter Hugo Mãe

A desumanização, O quarto romance do aclamado escritor Valter Hugo Mãe se passa na paisagem imutável das montanhas islandeses. Narrado por uma menina de 11 anos que conta o que lhe resta depois da morte da irmã gêmea, o livro inspira uma delicada melancolia e extrema beleza plástica, por ter sido lançado originalmente pela extinta editora Cosac Naify.


O paraíso são os outros, de Valter Hugo Mãe

Seguindo a máxima do filme Na natureza selvagem – “a felicidade só é real quando é compartilhada” – dois artistas, um das palavras e outro das imagens, se uniram para afirmar que o paraíso pode ser único, mas ele só existe quando estamos a acompanhados. Neste texto de Valter Hugo Mãe, investiga e desmente o pensamento de Sartre, de que o inferno são os outros. Para o leitor, existem duas boas razões para ler este livro: descobrir que tanto o amor quanto o paraíso podem ser reais – e que podem ser alcançados através das relações humanas.


O nosso reino, de Valter Hugo Mãe

Em seu romance de estreia,  Valter Hugo Mãe conta em o nosso reino a história de um menino de oito anos e sua vida em uma pequena aldeia portuguesa nos anos 1970. Narrado em primeira pessoa pelo pequeno Benjamim, o texto descreve a sua busca para distinguir o bem e o mal em meio à repressão da igreja e aos trágicos acontecimentos que ocorrem a seu redor.


O remorso de Baltazar Serapião, de Valter Hugo Mãe

Nesta obra que venceu o Prêmio Literário José Saramago em 2007, Valter Hugo Mãe relata a desastrada existência dos sargas e as desventuras de seu primogênito, Baltazar Serapião, o narrador da história e tragicamente enamorado por Ermesinda. Com uma linguagem exuberante, O remorso de Baltazar Serapião é daqueles livros excepcionais que parecem ter inaugurado uma nova fórmula secreta da literatura.



Quer receber dicas semanais de leitura?

Assine e receba dicas fresquinhas em seu e-mail toda semana.

Thayane Maria

Thayane Maria

Redatora em Estante Virtual
Thayane Maria, jornalista e cinéfila. Além de escrever para o Estante Blog, também mantém o seu blog no Medium: @Msmidnightlover. Vive em eterna busca pelo excêntrico.
Thayane Maria
Comentários

Thayane Maria

Thayane Maria, jornalista e cinéfila. Além de escrever para o Estante Blog, também mantém o seu blog no Medium: @Msmidnightlover. Vive em eterna busca pelo excêntrico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares