Agatha Christie, o fenômeno de massa que conquistou a academia

No dia 15 de setembro de 1890, nascia a Dama do Crime; Veja quais são os livros indispensáveis da autora.

Nenhuma outra escritora atingiu níveis de venda e excelência tão altos como a inglesa Agatha Christie. Unindo 80 romances, 19 peças de teatro e milhões de fãs no mundo inteiro, a criadora do detetive belga Hercule Poirot já vendeu 4 bilhões de livros. Hoje, 97 anos após a publicação de seu primeiro romance: O misterioso caso de Styles, ela é tema de disciplina na melhor universidade do país.

O professor Jean Pierre Chauvin é o responsável pela disciplina-optativa que iniciou em 2015 e recebeu recorde de inscritos, com três vezes mais alunos do que o máximo permitido na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. Chauvin, que tem uma extensa pesquisa sobre a autora, lança no próximo dia 25 o livro Crimes de festim – Ensaios sobre Agatha Christie. Segundo ele, apesar do sucesso de venda, ainda há muito pouco material de estudo aprofundado sobre a romancista disponível no país. “Ela claramente bebe da fonte de autores como Conan Doyle e Allan Poe, mas com contornos muito mais complexos do que era apenas um crime; Há uma forte ambientação descritiva, sutilezas e até mesmo conceitos freudianos nas personagens”, explica.

Agatha Christie convence os leitores com seu estilo irônico e narrativa extremamente acessível. Antes de ser escritora, durante a Primeira Guerra, ela trabalhou como farmacêutica o que lhe proporcionou bom conhecimento sobre venenos. Além disso, era uma mulher extremamente culta. Em plena era vitoriana, tocava piano, falava outras línguas e foi pioneira em um estilo literário nada comum para mulheres na década de 1920. “Ela foi muito criticada. Principalmente por Edmund Wilson que fez duras críticas, na época, a suas tramas na revista The New Yorker. Talvez por machismo ou preconceito, mas fato é que ele odiava”, diz.

Para o professor, há dois fatores fundamentais na obra: a estética, que apesar de ser cultura de massa, não perde em nada em qualidade narrativa e o fator social com retratos morais e físicos de todos os personagens e suas complexidades. “Ela foi um furacão, quando o Poirot finalmente morre, sai um obituário no Times. É um fenômeno de cultura tão forte que ganha personalidade fora dos livros”, finaliza.

Dos livros para o cinema

Neste ano, em novembro, estreia a nova adaptação para o cinema do célebre “Assassinato no Expresso Oriente”. A expectativa entre os fãs já é grande e pôde ser sentida durante a Bienal do Rio deste ano. A editora HarperCollins produziu um minicenário da autora, simulando uma estação de trem onde passaram mais de 15.000 pessoas para tirar fotos.

A HarperCollins ainda produziu uma edição especial do livro com sobrecapa com a imagem do pôster do filme. “As histórias de Agatha Christie conseguem apresentar a crueldade dos crimes com um grau de refinamento que poucos autores conseguiram replicar com tanta maestria. Ela foi, com certeza, um de nossos best-sellers no estande da Harper. O Expresso do Oriente é, naturalmente, é um ótimo ponto de partida para iniciar na obra da autora, ao lado de Morte no Nilo e A Mansão Hollow“, indica Omar Souza, publisher da HarperCollins Brasil.

Veja seis obras para celebrar o aniversário da escritora e mergulhar em seu universo do crime:


O Assassinato de Roger Ackroyd

Essa é a primeira indicação do professor Jean Pierre Chauvin para emergir nas histórias da Dama do Crime. Um dos primeiros grandes sucessos de Agatha Christie, também é considerada a sua obra-prima por ter um desfecho surpreendente e controverso que desprezou as convenções vigentes do romance policial. “Esse foi o meu primeiro romance dela, ficava até de madrugada lendo e extremamente espantado. O narrador é extremamente ambíguo, o que deixa a narrativa ainda mais curiosa para quem ler com atenção”, revelou.


O misterioso caso de Styles

Quatro anos após Agatha Christie escrever O misterioso caso de Styles, seu primeiro livro, e após a recusa de vários editores, John Lane decide publicar seu livro, mas com uma ressalva: que ela reescrevesse o capítulo onde toda trama é revelada por Poirot. No original a revelação se dá num tribunal, e na alteração solicitada por Lane, a revelação é feita na sala de estar da propriedade de Styles Court. Sem saber John Lane fundava aí um dos maiores lugares-comuns do romance policial.

O misterioso caso de Styles


Poirot perde uma cliente

Todo mundo culpava um esperto cão terrier pelo acidente da srta. Emily Arundell, causado por uma bola de borracha deixada na escada. Mas quanto mais ela pensava no ocorrido, mais convencida ficava de que alguém estava tentando matá-la.

Poirot perde uma cliente


Assassinato no Expresso Oriente

Segundo Chauvin, Agatha Christie conhecia muito bem o trem de longa distância e consegue descrever com maestria todos os detalhes da viagem. Na história, a viagem do glamoroso Expresso Oriente é interrompida durante a noite após o trem ser bloqueado por uma nevasca. Pela manhã, um dos passageiros é encontrado morto com múltiplas facadas. A neve intocada fora da cabine sugere que o assassino está no trem, o que deixa todos a bordo sob suspeita.


O Caso dos 10 Negrinhos ou E não sobrou nenhum

Neste angustiante clássico, dez pessoas são convidadas a passar o fim de semana em uma ilha por um anfitrião desconhecido. No entanto, eles começam a morrer, um a um, conforme os versos de um poema infantil. O pânico e a desconfiança vão tomando conta quando os que restaram percebem o óbvio: um deles é o assassino.


A casa torta

Nos arredores de Londres, há uma mansão com uma inusitada característica: ela é torta. É ali que o milionário octogenário Aristide Leonides mora com a esposa, cinquenta anos mais jovem, além de filhos, noras, netos e uma cunhada, irmã da primeira mulher. Quando a polícia descobre que o patriarca foi envenenado, todos os habitantes da casa se tornam suspeitos, e a discórdia passa a imperar entre os membros da família.

A casa torta


From My Heart: Uma Biografia de Verdades

Você pode não saber, mas no Brasil há um embaixador da Dama do Crime. O nome dele é Tito Prates e em 2016 ele lançou a biografia Agatha Christie From My Heart – Uma Biografia de Verdades. Livro que ganhou a indicação de ninguém menos que o neto e administrador da obra da escritora, Mathew Prichard. Nas palavras do próprio professor Jean, Tito é mais que um fã, é um profundo conhecedor da carreira artística e pessoal de Agatha, tendo uma memória incomparável sobre suas histórias.

Agatha Christie From My Heart – Uma Biografia de Verdades


E você, qual livro da escritora mais marcou a sua vida? Compartilhe conosco!

Natália Figueiredo

Natália Figueiredo

Jornalista Multimídia em Estante Virtual
Natalia Figueiredo fez da escrita sua profissão. Começou a carreira no jornalismo impresso do Rio, mantém o blog de viagens Nat no Mundo (http://natnomundo.com/) e, hoje, escreve sobre literatura para o Estante Blog.
Natália Figueiredo

Quer receber dicas semanais de leitura?

Assine e receba dicas fresquinhas em seu e-mail toda semana.

Comentários

Natália Figueiredo

Natalia Figueiredo fez da escrita sua profissão. Começou a carreira no jornalismo impresso do Rio, mantém o blog de viagens Nat no Mundo (http://natnomundo.com/) e, hoje, escreve sobre literatura para o Estante Blog.

Um comentário em “Agatha Christie, o fenômeno de massa que conquistou a academia

  • 23.09.2017 a 8:00 pm
    Permalink

    Sou professora de Literatura. Aprendi a amar os livros com as obras de Agatha Christie. Passava horas na biblioteca pública, entre 15 e 16 anos, “devorando” cada romance da autora, impressionada com os mistérios em torno de assassinatos que lentamente, “saborosamente”, eu desvendava junto com os maravilhosos Hércule Poirot e Miss Marple. Nunca a esqueci. Maravilhosa e eterna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares