7 livros para entender a teoria Queer

(0 Estrelas - 0 Votos)

A suspensão da mostra em POA reacende o debate sobre arte e vigilância.

A palavra queer entrou no vocabulário de muita gente essa semana, após o cancelamento da exposição Queermuseu – Cartografias da diferença, no Santander Cultural de Porto Alegre. A mostra recebeu duras críticas de integrantes do MBL, por conta de três das 264 obras, que segundo eles fariam apologia à pedofilia. Uma das obras mais atacadas, era da artista Bia Leite, que assina a série Criança Viada, que segundo a artista questiona o bullying e promove o respeito a crianças que não se enquadram no perfil esperado para seu gênero.

A artista produziu as pinturas a partir da combinação de fotografias de crianças retiradas do Tumblr homônimo, onde são postadas fotografias da infância dos próprios usuários LGBT com legendas divertidas. Um dia depois do fechamento da exposição, dois promotores do Ministério Público do Rio Grande do Sul estiveram na sede do instituto e constataram que não havia crime contra a infância. Na internet, já corre um abaixo-assinado para a reabertura da mostra.

Ainda não sabemos se a mostra vai voltar ou se a censura prevalecerá, mas o fato é que mais do que promover uma mostra sobre diversidade sexual, o caso acabou levantando um debate muito mais abrangente sobre arte, censura, vigilância e teoria queer. Em um país onde 92,5% da população não costuma ir a exposições de arte e 88,6% não vão ao teatro – segundo dados da Fecomércio – o incidente é uma grande chance de ampliar o alcance para esses assuntos.

O que é queer?

Em uma tradução simples do termo em inglês para o português, a palavra queer significaria “transviado”. Expressão que nasce com um caráter pejorativo, mas com o ativismo LGBT ganha um significado de resistência. Mas não é possível falar em Teoria Queer sem pensarmos no conceito de gênero como algo fluido, socialmente construído e performado. Segundo a professora Teresa de Lauretis, existem “tecnologias de gênero”, ou seja, técnicas de viver que determinam como um sujeito pode se inserir na sociedade segundo normas específicas do que é ser homem ou ser mulher.

Além de Lauretis, outra autora pioneira no assunto foi Judith Bluter em seu livro Problemas de gênero. A publicação, fundamental para o entendimento da teoria, explica como as fábulas de gênero estabeleceram uma denominação errônea do que são fatos naturais, a partir de perspectivas feministas e gays. Para enriquecer o debate, selecionamos essas e outras obras essenciais para entender as teorias e não reforçar a dicotomia sagrado-profano. Confira abaixo:


Problemas de gênero, de Judith Butler

Neste livro inspirador, que funda a Teoria Queer, Judith Butler apresenta uma crítica contundente a um dos principais fundamentos do movimento feminista: a identidade. Para Butler, não é possível que exista apenas uma identidade: ela deveria ser pensada no plural, e não no singular. Ou ainda, não é possível que haja a liberação da mulher, a menos que primeiro se subverta a identidade de mulher. Este é o primeiro livro de Buther publicado no Brasil, e talvez seja o mais conhecido. Lançado na década de 1990 nos Estados Unidos, esse livro escrito de forma provocativa e pouco usual no meio acadêmico contribui de forma decisiva para a renovação crítica do pensamento feminista na atualidade.

Problemas de Gênero Judith Butler
Clique aqui para ver na Estante Virtual


Judith Butler e a Teoria Queer, de Sara Salih

Neste livro, Sara Salih constrói uma espécie de ponto de partida para a leitura de Butler. Sem descaracterizar o tom de abertura e indeterminação que marca o pensamento da teórica, Salih analisa seus trabalhos-chave e os situa em seus contextos teórico, filosófico e político . Examina, igualmente, o impacto de suas ideias, os debates e as críticas que elas têm suscitado e, por fim, oferece um roteiro sugestivo de leituras complementares. Um livro inestimável para quem busca se aproximar da obra de Judith Butler.

Judith Butler e a Teoria Queer, de Sara Salih
Clique aqui para ver na Estante Virtual

A identidade cultural na pós-modernidade, de Stuart Hall

Neste final de século fala-se muito em crise de identidade do sujeito. O homem da sociedade moderna tinha uma identidade bem definida e localizada no mundo social e cultural. Mas uma mudança estrutural está fragmentando e deslocando as identidades culturais de classe, sexualidade, etnia, raça e nacionalidade. Se antes estas identidades eram sólidas localizações, nas quais os indivíduos se encaixavam socialmente, hoje elas se encontram com fronteiras menos definidas que provocam no indivíduo uma crise de identidade.

A identidade cultural na pós-modernidade, de Stuart Hall


Teoria Queer: Um aprendizado pelas diferenças, de Richard Miskoici

O presente livro é escrito com a precisão e a sensibilidade peculiares a Richard Miskolci, este jovem, inspirado e talentoso pesquisador das temáticas do corpo, das identidades e das subjetivações. A partir da narrativa pessoal de suas experiências escolares, marcadas pelo autoritarismo e pela violência dos anos finais da ditadura militar, adentramos, por meio de uma leitura leve e aprofundada, numa reflexão balizada pelo desejo de transformar as relações de poder presentes na escola heteronormativa, que desconhece as múltiplas facetas da expressão humana e impõe padrões binários daquilo que se espera do “ser homem” e do “ser mulher”.

Teoria Queer: Um aprendizado pelas diferenças
Clique aqui para ver na Estante Virtual

Um corpo estranhoEnsaios sobre sexualidade e teoria queer, de Guacira Lopes Louro

Queer é estranho, raro, esquisito. Queer é, também, o sujeito da sexualidade desviante – homossexuais, bissexuais, transexuais, travestis, drags. É o excêntrico que não deseja ser “integrado” e muito menos “tolerado”. Queer é um jeito de pensar e de ser que não aspira o centro nem o quer como referência; um jeito de pensar e de ser que desafia as normas regulatórias da sociedade, que assume o desconforto da ambigüidade, do “entre lugares”, do indecidível. Queer é um corpo estranho que incomoda, perturba, provoca e fascina.

um-corpo-estranho-ensaios-sobre-sexualidade-e-teoria-queer
Clique aqui para ver na Estante Virtual

Foucault e a teoria Queer, de Tamsin Spargo

Foucault, filósofo, historiador e ativista realizou diversas investigações sobre saber e poder que formaram alicerces  desestabilizadores para muitos trabalhos recentes sobre a subjetividade humana. A vida, o trabalho, as conquistas e a demonização de Foucault fizeram dele um modelo para muitos intelectuais e para comunidades até então excluídas como – gays, lésbicas e outros. Sua análise das interrelações de saber, poder e sexualidade foi o mais importante catalisadior intelectual da teoria Queer, uma escola heterodoxa que pensa as relações entre sexo, gênero e desejo sexual.

Clique aqui para ver na Estante Virtual

Identidade e Diferença: A perspectiva dos estudos culturaisde Stuart HallTomaz Tadeu da Silva e Kathryn Woodward

A questão da identidade e da diferença está hoje no centro da teoria social e da prática política. Assim, a partir da perspectiva dos Estudos Culturais, os três ensaios que compõem este livro buscam, de diferentes maneiras, traçar os contornos da questão. Indicado para as áreas de antropologia e sociologia.

Identidade e Diferença: A perspectiva dos estudos culturais, de Stuart Hall, Tomaz Tadeu da Silva e Kathryn Woodward
Clique aqui para ver na Estante Virtual

Natália Figueiredo

Natália Figueiredo

Jornalista Multimídia em Estante Virtual
Natalia Figueiredo fez da escrita sua profissão. Começou a carreira no jornalismo impresso do Rio, mantém o blog de viagens Nat no Mundo (http://natnomundo.com/) e, hoje, escreve sobre literatura para o Estante Blog.
Natália Figueiredo

Quer receber dicas semanais de leitura?

Assine e receba dicas fresquinhas em seu e-mail toda semana.

Comentários

Natália Figueiredo

Natalia Figueiredo fez da escrita sua profissão. Começou a carreira no jornalismo impresso do Rio, mantém o blog de viagens Nat no Mundo (http://natnomundo.com/) e, hoje, escreve sobre literatura para o Estante Blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares