[Resenha] Um perturbador romance entre dois mundos estranhos

(0 Estrelas - 0 Votos)

Por Fernanda Martins*

No livro, Uma história de amor e TOC, Bea foi diagnosticada com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), e mesmo acreditando com todas as suas forças que seu problema não é nem um pouco ruim comparado aos dos colegas da terapia em grupo, sua obsessão começa a tomar proporções cada vez mais preocupantes.

Em uma festa em que está presente, Bea avista algo que chama sua atenção: Beck, um garoto com a respiração ofegante que está prestes a ter um ataque de pânico. Bea conhece os sinais, ela mesma lida muito com isso. A garota não sabia na hora, mas esse ataque de pânico estava sendo causado devido a um longo período de tempo em que o garoto passou sem fazer as coisas que compõe também o seu transtorno.

Bea passa a maior parte do tempo pesquisando sobre assassinatos cometidos por pessoas aparentemente doces, com o medo de se tornar uma delas. Com receio de, sem perceber, atropelar alguém com seu carro, ela se certifica de andar na menor velocidade possível. Além disso, ela tem um desejo em especial, que só quando atendido, mantém sua ansiedade sob controle: perseguir, espionar e anotar tudo o que é possível sobre o incrível Austin.

Beck tem uma obsessão em especial pelo número oito. Oito mensagens de texto iguais, oito chamadas, oito batucadas com os dedos, oito minutos lavando as mãos, oito horas fazendo musculação… Seus braços são grandes e musculosos, e suas mãos, secas e ásperas de tanto serem lavadas.

Sendo colegas de terapia em grupo, Bea e Beck se tornam cada vez mais próximos, dividindo suas estranhezas. Enquanto ele passa longos minutos se lavando após beijá-la, Bea stalkea Austin entre os intervalos dos encontros. Ela tem certeza de que é inofensivo e que pode parar a qualquer momento. O problema é que ela não quer parar. E quando tenta, sua ansiedade a tortura tão ferozmente que ela desiste imediatamente.

Podemos ser loucos, mas existe lógica por trás até mesmo das coisas mais loucas que fazemos.”

Bem… Talvez ela tenha subestimado demais o seu TOC.

Subestimar. Essa é a palavra! Eu queria esse livro desde que lançou aqui no Brasil, mas com o tempo, comecei a subestimá-lo. Estava esperando um romance clichê com toda aquela história de sempre. Estava errada? Deliciosamente errada.

O foco do livro está longe de ser apenas o romance entre os dois, porque sempre que estavam juntos, por mais que tentassem, eles não conseguiam se entregar totalmente por conta do TOC. O livro trata muito sobre superação e aceitação.

Eu amei, amei, amei. Foi intenso e um tanto perturbador com todo o sentimento descrito por Bea. Eu mesma fiquei bastante angustiada, principalmente quando ela despertava em mim, sentimentos parecidos. Foi tudo muito real, principalmente acompanhar Bea regredindo com o TOC e estando cada vez mais obcecada e perdida dentro de si.

E esse é mais um livro que não vejo muito as pessoas lendo, mas tenho a mais absoluta certeza de que merece ser lido por todos. <3

corey-ann-haydu-uma-historia-de-amor-e-toc
Clique e confira na Estante Virtual

Fernanda Martins

*Bookstagrammer. Siga @fesyko e a @estantevirtual_oficial e concorra ao livro. :) Gaúcha, piadista ruim, mãe de cachorros e criadora de histórias. Apaixonada por livros, referências e tudo o que há de bom. Fernanda faz parte do grupo Papo de Páginas, que lançou a campanha #LendoLivrosEsquecidos no Instagram.

Acompanhe os outros integrantes e suas indicações:

@stebookaholic – Festa no Covil

@ousejalivros – Memória de Minhas Putas Tristes

@blogparenteses – O primeiro dia e A primeira noite

@saymybook – Menino de ouro

@laylafromthebooks – A morte de Sarai

@larisreads – O Histórico Infame de Frankie

@olivatobooks – One Man Guy

 

Quer receber dicas semanais de leitura?

Assine e receba dicas fresquinhas em seu e-mail toda semana.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares