[Playlist] Acompanhe a trilha musical de “Rita Lee: uma autobiografia”

Leia e dance ao lado da mãe do rock nacional.

Figurando em primeiríssimo lugar na lista de Mais Vendidos em Não Ficção, da Publishnews, a autobiografia de Rita Lee continua na boca dos críticos para o bem e para o mal.

A mulher que mais vendeu discos no país, embrenhou-se por um campo novo e a recepção dos fãs não poderia ser diferente. No entanto, muitos órfãos dos Mutantes sentiram-se traídos pela indiferença e mágoa da cantora em relação aos ex-companheiros, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias. Críticas que, ao que parece, não desaceleraram as vendas de seu livro – com mais de 100 mil cópias vendidas e até inspiraram a cantora a publicar um segundo título – agora de ficção, previsto e confirmado para este ano.

Para quem ainda não conferiu a obra, não faltam motivos. Em Rita Lee: uma autobiografia, a roqueira revive grande parte de sua carreira e vida familiar, com a descontração que já conhecemos nas 296 páginas editadas pela Globo Livros. Uma opção interessante, que irá embalar sua leitura, é acompanhar o livro junto às canções que marcaram a vida pessoal da roqueira e que são lembradas por ela na obra. A Mariana Filgueiras, do site O Palma, montou esse compilado reunindo os principais hits citados no livro. Confira abaixo e boa leitura!

LEIA TAMBÉM: [Resenha] Rita Lee não poupa a si mesma em autobiografia

Elvis — “Hound dog”

“Rita Lee foi fã de Elvis desde sempre. Esta música tem uma memória especial no livro: ela lembra que foi a canção que flagrou a amiga Elis Regina cantando na sua então casa de serra, na Cantareira, enquanto imitava o próprio Elvis. As duas de pileque, morrendo de rir daquele show de calouros involuntário”.

The Beatles — “I wanna hold your hand”

Num dos primeiros programas de TV que Rita Lee participou com os irmãos Sergio e Arnaldo Batista, ainda como “Os bruxos”, uma formação pré-Mutantes — o “Astros do disco”, da Tv Record — escolheram esta música para cantar.

Rolling Stones — “Walking the dog”

O primeiro álbum dos Rolling Stones (“Rolling Stones”, de 1964) foi também o primeiro disco que a cantora comprou com o próprio dinheiro. Rita conta que ficou horas na fila da loja de discos “Hi-fi”, na Rua Augusta, em São Paulo, à época, a mais tradicional, para conseguir adquiri-lo.

Nana Caymmi cantando “Bom dia” de Gilberto Gil

Canção que acabou fazendo com que Os Mutantes fossem apresentados ao autor numa gravação de TV, no encontro que mudou todo o rumo da história de Rita Lee — e a da música brasileira. No camarim para acompanhar a gravação de sua música, Gil impressionou-se com a parafernália do trio e os convidou para cantar “Domingo no parque” com ele, parceria que chamou a atenção do país para o grupo.

Jorge Ben — “A minha menina”

Rita Lee assistiu Jorge Ben compondo essa canção “em cinco minutos” na sua frente. Às vésperas de gravar o primeiro LP solo do grupo, Rita Lee conta que bateu no apartamento do compositor para implorar a ele uma canção. Ele estava acompanhado, mas não fez-se de rogado, puxou o violão e fez o hit.

“Adeus Maria Fulô”— cancioneiro popular

Era a música que a mãe de Rita sempre tocava ao piano quando as filhas eram crianças. Rita escolheu a canção para o primeiro disco d’ Os Mutantes, e na gravação usou um pequeno instrumento que dois palhaços famosos na época (“Torresmo” e “Fuzarca”) usavam, feitos de tampinhas de garrafa.

Georges Moustaki — “Joseph”

Certo dia, a mãe de Rita, Chesa, atendeu o telefone em casa e era Nara Leão querendo falar com a cantora. No livro, Rita conta que quase caiu da cadeira. Nara queria dar a ela uma versão sua em português da canção, feita especialmente pensando nela, a quem imaginou cantando a canção “vestida de anja”.

Jorge Ben — “Rita Jeep”

De tanto dar carona para ele voltar para casa em seu Jeep herdado do pai, que tinha um capô todo psicodélico, pintado de salmão, nos tempos em que ambos ensaiavam um projeto da empresa Rhodia juntos (um desfile-show, em parceria com a gravadora Philips), o amigo Jorge Ben compôs para ela a canção “Rita Jeep”.

Hebe Camargo — “Só de você”

Rita cita esta canção boas vezes ao longo do livro, como parte das boas lembranças guardadas da amiga e apresentadora Hebe Camargo, a quem conheceu ainda criança, num show no meio da rua. Hebe costumava cantar esta música para Rita quando a compositora participava de seus programas de TV, e chegou a gravar a canção em um de seus últimos discos.

Alice Cooper — “Killer”

Ao ver que o ídolo sacrificava pirotecnicamente duas jiboias num dos shows do álbum homônimo que fez no Brasil, o qual ela assistiu dos bastidores, Rita não teve dúvida: salvou os bichinhos, levando-os para casa, onde os mantinha num imenso aquário aquecido, sendo alimentados por ratos semanalmente — e de onde fugiram…

Ney Matogrosso — “Bandido corazón”

Rita conta que adorava esta canção: foi num show em que Ney cantava esta música que ela, ao visitar o amigo no camarim, conheceu o namorado Roberto de Carvalho, o guitarrista de Ney e seu marido até hoje.

Rolling Stones — “Fool to cry”: Foi a música que cantou ao telefone para o então namorado Roberto de Carvalho para contar a ele que estava grávida do primeiro filho, Beto Lee.


Rita lee uma autobiografia
Clique aqui e confira na Estante Virtual

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares