A vez dos bichos na literatura: quando os animais são os protagonistas

(0 Estrelas - 0 Votos)

Relembre os animais que conquistaram nosso coração.

Considerados as fábulas da modernidade, eles trazem animais como protagonistas de suas histórias e, apesar da natureza diferenciada em relação ao homem, retratam dilemas reais da vida humana. Livros modernos como Marley e eu, de John Grogan, e clássicos como A revolução dos bichos, de George Orwell, conquistaram legiões de leitores. As razões são as mais variadas. Desde os relatos emocionados dos vínculos emotivos entre escritor e seus bichos de estimação às reflexões suscitadas por animais, até então, em teoria, mais irracionais do que os humanos.

Surgidas no Oriente e fortalecidas pelo autor grego Esopo, ainda no século VI a.c., as fábulas, precursoras das atuais narrativas com animais, contam histórias nas quais os bichos ganham características humanas. O macaco representa sua esperteza; o leão encarna sua força e a formiga, o trabalho. A linguagem utiliza-se, muitas vezes, da metáfora, da ironia e da emoção. No fim da narrativa, há sempre um desfecho de caráter didático, conhecido pelos leitores de fábulas como moral da história. Monteiro Lobato, de Reinações de Narizinho, Jean de La Fontaine, de Fábulas de Esopo, Hans Christian Andersen, de O Patinho Feio e Lewis Carroll, de Alice no País das Maravilhas, são alguns escritores que ficaram conhecidos por suas narrativas fantásticas com animais.

O maior objetivo das fábulas tradicionais, e que não se difere da finalidade das atuais narrativas com animais, é que os bichos tornem-se verdadeiros exemplos de conduta para o ser humano. Por isso mesmo, engana-se quem acha que a os relatos da vida animal são voltados, apenas, para as crianças. Ao explorarem o lado “animal” do homem e o lado “humanizado” dos bichos, as produções literárias que trazem animais no centro de sua narrativa agradam todas as idades. Até mesmo quando são personagens secundários da trama, os bichinhos roubam a cena. É o caso da cadela Baleia, em Vidas Secas, de Graciliano Ramos e do cão Quincas Borba, na obra homônima de Machado de Assis.

Alguns grandes autores chegaram a ser discriminados por destacar a perspectiva animal em suas obras, foi o caso do americano Jack London. Ele era conhecido como um escritor menor que fazia “livros sobre cachorros”. London foi o autor mais bem pago dos Estados unidos e o americano mais lido no exterior. Mas foi preciso mais de meio século para que fosse considerado um escritor reconhecido.

Para relembrar livros que trouxeram os animais como protagonistas, a Estante Virtual fez uma seleção de títulos. Escolha o seu e boa leitura!

A Viagem do Elefante A Arte de Correr na Chuva Timbuktu A Vida de Pi Maus A Metamorfose
 

A Viagem
do Elefante

José Saramago

 

A Arte de Correr
na Chuva

Garth Stein

 

Timbuktu
Paul Auster

 

A Vida de Pi
Yann Martel

 

Maus
Art Spielgman

 

A Metamorfose
Franz Kafka

Dewey, um Gato entre Livros A Marcha do Imperador Flush, Memórias de um Cão O Filósofo e o Lobo O Chamado da Floresta Cachorros do Céu
 

Dewey, um gato
entre livros

Vicki Myron

 

A Marcha
do Imperador

Luc Jacquet

 

Flush, Memórias
de um Cão

Virginia Woolf

 

O Filósofo e
o Lobo

Mark Rowlands

 

O Chamado
da Floresta

Jack London

 

Cachorros
do Céu

Wilson Bueno

 

 


E você, qual o seu animal favorito da literatura?

Comentários

2 comentários em “A vez dos bichos na literatura: quando os animais são os protagonistas

  • 17.03.2012 a 11:11 am
    Permalink

    Um dos livros mais bonitos do Carlos Drummond de Andrade se chama “O Marginal Gato Clorindo”. Deveria estar no post porque é item de sebo, livro raro, raríssimo (aí tem até best-seller, meu) – e também por causa do tema. Whatever.

  • 24.02.2011 a 2:58 pm
    Permalink

    Faltou os livros: Memórias de um Cachorro Velho (1994), Divagações de Sissi (2009) e As Aventuras de Sissi e sua Turma no Futuro (2011).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares