De olho nas eleições americanas

Série jornalística mostra os EUA que pouca gente conhece

A duas semanas para a eleição presidencial americana, diversas questões pipocam no noticiário internacional e são tema de debate entre os candidatos e a própria população. Questões que, inclusive, servem de parâmetro para pensarmos nossos próprios conceitos e dilemas em um sistema político livre e democrático.

A falta de representatividade política, o porte de armas, os altos e baixos da economia, a imigração e os conflitos indígenas não são temas restritos a fronteiras. Muito pelo contrário, o debate e o conflito de posicionamentos ultrapassam países e são articulados no mundo todo. A partir dessa visão, ainda essa semana, a equipe do programa da Globo News Que Mundo É Esse? lança uma nova temporada justamente para tentar entender e, principalmente, vivenciar os ditos “extremos da América” em um período tão polarizado. Segundo pesquisa encomendada pela ABC News/The Washington Post na última semana, a candidata democrata Hillary Clinton supera o rival republicano Donald Trump por uma confortável margem de 12 pontos percentuais, com 50% das intenções de voto contra 38% para o magnata. Mas o que realmente se passa na cabeça dos americanos nesse âmbito?

O Estante Blog esteve na pré-apresentação do primeiro episódio da série, que estreia dia 28 de outubro às 23h e coloca os Estados Unidos em destaque. Conversando com a equipe, os participantes destacaram a importância de vivenciar algumas situações para poder entender as pessoas. André Fran, jornalista e diretor do projeto, conta que havia muitas perguntas a serem respondidas. “Não queríamos defender nenhum lado ou dizer quem está certo ou errado, mas vivenciar uma realidade americana ao mesmo tempo tão próxima e tão diferente. Mostrá-la ao espectador para que ele tire suas conclusões”, diz. A escolha de seguir com roteiros fora do país também foi mencionada. “Muita gente me pergunta por que o programa não faz uma temporada no Brasil. A gente percebe que quando a questão é em casa ela se torna muito mais complexa. Mas ao olhar para o outro, muitas vezes conseguimos problematizar e questionar nossas próprias ações”, explica o também diretor Rodrigo Cebrian.

Para apimentar o assunto, destacamos também alguns títulos que levantam essas e outras questões que estão borbulhando e ajudam a enriquecer o debate. Veja!

Obamanomics – John R. Talbott

Esta obra analisa o plano de Barack Obama para solucionar grandes problemas dos Estados Unidos: a questão da energia e do uso sustentável dos recursos naturais; a crise imobiliária; as guerras e o terrorismo; a saúde e a seguridade social; e como eliminar a pobreza na nação mais rica do mundo.

Obamanomics
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

Rumo a uma nova Guerra Fria – Noam Chomsky

Um dos mais importantes pensadores norte-americanos, Noam Chomsky faz uma análise impiedosa da política externa norte-americana do final do século 20 no livro “Rumo a uma Nova Guerra Fria” (Record). O volume reúne ensaios escritos por Chomsky entre 1973 e 1981, nos quais o autor acusa a mídia norte-americana de encobrir o imperialismo e examina o que chama de “cumplicidade” de jornalistas, editorialistas e outros autores com “crimes de guerra” praticados pelos EUA. Chomsky desvenda as técnicas de “propaganda” e manipulação da opinião pública dos EUA, analisa as memórias de Henry Kissinger, os conflitos no Oriente Médio, o papel dos EUA no conflito entre Israel e Palestina e dedica um capítulo inteiro à análise da invasão do Timor Leste.

Rumo a uma nova guerra fria
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

Enterrem meu coração na curva do rio – Dee Brown

Um relato da destruição sistemática dos índios da América do Norte. Lançando mão de várias fontes, como registros oficiais, autobiografias, depoimentos e descrições de primeira mão, Dee Brown faz grandes chefes e guerreiros das tribos Dakota, Ute, Soiux, Cheyenne e outras contarem com suas próprias palavras sobre as batalhas contra os brancos, os massacres e rompimentos de acordos. Todo o processo que, na segunda metade do século XIX, terminou por desmoralizá-los, derrotá-los e praticamente extingui-los.

enterrem-meu-coracao-na-curva-do-rio
Clique na imagem e confira na Estante Virtual

Comente e participe do debate!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares