Os 100 melhores livros sobre música

Billboard elege os 100 melhores livros sobre música de todos os tempos

A revista americana publicou neste mês, um ranking com os 100 Melhores Livros sobre Música de Todos os Tempos, segundo seus colaboradores. A publicação é quase uma Bíblia da música mundial e destacou, principalmente, as autobiografias. Sim, muitas estrelas do showbiz dedicaram boas horas para contar, a partir de visões pessoais, suas trajetórias, loucuras e intimidades. Para a alegria dos fãs, 40 dessas obras estão disponíveis no acervo da Estante Virtual. Algumas em literatura estrangeira, outras já traduzidas.

Confira abaixo a lista dos títulos disponíveis na Estante.

Depois, conte para a gente quais foram as obras mais especiais para você!

  1. Kill Your Friends – John Niven, 2008

Primeiro romance do escritor escocês John Niven. Niven relata, a partir de suas experiências, o mundo e o submundo da indústria da música pop inglesa nos anos 1990.


  1.  A batalha pela alma dos Beatles – Peter Doggett, 2011

Muitos livros contaram a batalha financeira dos Beatles. Mas nenhum outro trabalho tem os detalhes diabólicos de Doggett. Em linguagem surpreendente clara, o autor traça cada dólar, oferecendo uma conta que é hilária e deprimente, ao tempo que mostra como o dinheiro mudou tudo para os quatro músicos.


  1. A música no seu cérebro – Daniel Levitin, 2007

Você já se perguntou por que uma canção permanece o tempo suficiente para ser parte integrante da sua vida? Levitin, um produtor musical e neurocientista, estudou o cérebro humano e descobriu como ele quebra canções em padrões de som, bem como a forma como esses padrões afetam nossas emoções. Em sua prosa surpreendentemente legível, aprendemos sobre como a música de maneiras diferentes nos afetou, como ajudou na nossa evolução e até mesmo como garantiu a nossa sobrevivência como espécie.


  1.  Rod: A Autobiografia – Rod Stewart, 2012

rod-autobiografia

Stewart sabe o que seus leitores querem e entregou isso para eles. Desde sete paginas sobre seu corte de cabelo até memórias auto-depreciativas. O cantor revela detalhes de sua vida dentro e fora dos palcos, desde a infância humilde em Londres aos loucos anos em turnê com os companheiros de banda, seus grandes amores e expectativas ainda aos 68 anos de idade O cantor, compositor e astro do rock Rod Stewart, em 68 anos de vida, colecionou alguns números bastante expressivos: são 4 décadas de rock, 3 casamentos, 8 filhos, 16 vídeos mostrados pela MTV no dia da estreia do canal, mais de 200 milhões de discos vendidos e o recorde mundial da maior plateia de todos os tempos em um concerto de rock – 3,5 milhões de pessoas na praia de Copacabana em 1994 – registrado no Guiness Book. Sem falar nas inúmeras experiências pitorescas que tem para contar.


  1.  Como a Música Ficou Grátis – Stephen Witt, 2015

O jornalista de negócios Witt transformou uma história confusa sobre dinheiro e tecnologia em um animado livro, que amplifica três principais jogadores: o disruptor tecnológico, o magnata e o mercado pirata. Sem perceber, esse trio ajudou a derrubar o princípio de pagar por música e que de um jeito ou de outro o colapso do sistema antigo era inevitável.


  1. A garota da banda – Kim Gordon, 2015

a-garota-da-banda

Durante quase quarenta anos, Kim Gordon foi visto como uma esfinge: a partir de seu surgimento na “cena de arte final dos anos 70 New York, a sua parte no Sonic Youth, bem como seu papel como uma metade do casal mais icónico no indie rock , ela permaneceu indiferente. Surpreendentemente, seu livro de memórias acabou sendo um dos mais reveladores já escrito por um astro do rock. Ela fala sobre sua vida sem manchar a persona que continua a seduzir.


  1.  Shakey: Neil Young’s Biography – Jimmy McDonough, 2002

Young escreveu duas memórias, mas nenhuma é tão boa quanto a feita por  McDonough. O livro é poderoso, poético, e dado a divagar. A crença de McDonough que Young estava desperdiçando seu talento na hora de suas entrevistas cria mais tensão do que é comum entre biógrafo e sujeito, e felizmente, o conflito traz o melhor em Young.


  1.  Subculture: The Meaning of Style – Dick Hebdige, 1979

Nesses dias, os cursos da cultura pop, específicos como “Beyonce Studies” abundam em faculdades de artes liberais. Portanto, é difícil lembrar que tais coisas mal existiam antes do teórico cultural Hebdige escrever este livro. É aplicada a sociologia analítica de Karl Marx e a semiótica poéticas de Roland Barthes aos movimentos da cultura jovem britânica como os Mods, teddy boys, punks e skinheads. Seus hábitos e modas na “subcultura”, mas especificamente suas dores de parto.


  1. Eminent Hipsters – Donald Fagen, 2013

Compartilhar ensaios sobre seus heróis culturais (principalmente músicos e escritores de ficção científica) ou um diário da turnê. Fagen surge amargo e engraçado. Seu tom rabugento serve como um mecanismo de defesa, mas, de vez em quando, ele deixa cair a fachada e escreve com honestidade dolorosa sobre as tristezas da vida.


  1.  Last Train to Memphis; Careless Love – Peter Guralnick, 1995

O autor mergulha fundo na história cultural e pessoal que formou a vida de Elvis, oferecendo visões imprevistas e reveladoras. Por meio de um grande insight, ele nos guia através da família, amigos, parceiros e puxa-sacos de Elvis revelando suas ambições e medos.


64: Straight Life: The Story of Art Pepper – Art Pepper, 1994

Pepper ficou viciado em drogas em seus vinte anos, quando ele rivalizava com Charlie Parker nas pesquisas de jazz. Logo, entre diversas recaídas caiu ainda mais profundo no vício. Essa cena tornou-se um cliché no mundo da música, mas Pepper trouxe esse submundo para um foco ainda incomum.


  1. Alucinações musicais – Oliver Sacks, 2007

Ao longo de sua carreira, o neurologista narrou os efeitos cognitivos imprevisíveis que a música poderia ter em pacientes inacessíveis. Ele usa 29 estudos de caso para compor um poema de tom sobre o tema. Um condutor com total amnésia recorda música com total precisão; pacientes com a síndrome de Tourette e Parkinson encontrar os seus sintomas aliviados pela música e dança; e, o mais bizarro, um homem atingido por um raio desenvolve um talento instantânea para tocar piano. Para Sacks, cada paciente ensina uma lição única sobre como a música ajuda a definir a humanidade.


57. Cash – Johnny Cash, 1997

cash autobiografia

Johnny Cash, a lenda da música country americana, em todas as suas facetas. Ele era o “Man in black”, uma lenda da música country, e o trovador americano por excelência. Nesta autobiografia emocionante, Johnny Cash diz tudo sobre seus altos e baixos, as lutas e vitórias conquistadas a duras penas, e as pessoas que o influenciaram durante toda sua trajetória. Cash desfaz mitos e descreve sem piedade sua história. Das alegrias da sua infância em Dyess, no Arkansas, ao estrelato em Nashville, no Tennessee. Da emoção de se apresentar com Elvis, a suas batalhas contra com o vício em drogas e álcool e a devoção de sua esposa, June. Nesta obra inesquecível também estão presentes os amigos de uma vida inteira, como Willie Nelson, Roy Orbison, Bob Dylan, e Kris Kristofferson. Tão poderoso e memorável como uma de suas canções mais famosas, Johnny Cash narra com sinceridade, inteligência e sabedoria de quem viveu intensamente.


56. Frank: A voz – James Kaplan, 2010

Frank Sinatra James kaplan

Neste livro, que acompanha os primeiros quarenta anos da vida de Sinatra, James Kaplan narra em cinco atos dramáticos a ascensão, a queda e o renascimento de uma figura contraditória, com qualidades e muitos defeitos – os próprios amigos o chamavam pelas costas de Monstro -, mas de inegável (e impressionante) talento musical, que deu forma definitiva ao cancioneiro norte-americano. Kaplan fala do mistério da voz de outro mundo de Sinatra, que comunicou “coisas que cantores populares brancos nunca tinha chegado perto”.


  1.  The Dark Stuff: Selected Writings on Rock Music – Nick Kent, 1994

No início dos anos 70, quando era um jovem universitário de Oxford, Kent passou vários meses em Detroit como aprendiz do falecido Lester Bangs da revista Creem. Como Kent escreve, Franja sempre insistiu que “no rock’n’roll não são os vencedores, mas os perdedores que fazem as histórias mais interessantes.” Os dezenove retratos incluídos nesta coleção incluem alguns dos vencedores mais inegáveis do rock – de Keith Richards para Morrissey – mas Kent também escreve sobre eles com uma refrescante falta de romantismo, como se eles são. Se mau perdedores, pelo menos fora dos padrões.


53. Tune In: The Beatles: All These Years, Vol. 1 – Mark Lewisohn, 2013

Em 932 páginas, o volume de Lewisohn contém diversos detalhes sobre assuntos de negócios que exige duas páginas de prefácio com a explicação do sistema monetário britânico antes do anos 1970. Apesar do tamanho, ele conta a história dos Beatles só através de 1962 e o lançamento de seu primeiro single. Por sorte, Lewisohn biografia não é apenas exaustiva – é convincente.


47. Christgau’s Record Guide: Rock Albums of the ’70s – Robert Christgau, 1981

Christgau é um mestre da compressão, erudição e insights sobre milhares de críticas de discos. Sua Coleção dos Anos 70 oferece uma cartilha fantástica sobre o rock e a década mais frutífera. Se você vai ou não compartilhar a paixão de Christgau por Al Green “Let’s Get Married” ou o seu desdém por todas as coisas Eagles. Fato é que você vai adorar a sua sagacidade.


46. Divided Soul: The Life of Marvin Gaye – David Ritz, 1985

Divided Soul

Ritz não é só biógrafo de Gaye, ele foi também o amigo cantor, confidente e colaborador em “Sexual Healing”. Nesta crônica perspicaz, ele conecta os pontos entre a vida de Gaye e sua arte.


44. Appetite for Self-Destruction: The Spectacular Crash of the Record Industry in the Digital Age – Steve Knopper, 2009

Enquanto a indústria fonográfica se atrapalhava na ressaca do início do Século 21, Steve Knopper escreveu um olhar incisivo sobre os erros que definiram a indústria. O relato minucioso de Knopper, no início dos anos pós-disco e terminando com a ascensão do iTunes – estabelece um caso claro do que foi se perdendo enquanto comemoravam seus sucessos.


41. Como Funciona a Música – David Byrne, 2012

Em Como Funciona a Música, David Byrne celebra um tema ao qual dedicou uma vida inteira de reflexão. Abordando aspectos históricos, técnicos, culturais e mercadológicos, Byrne bebe de sua experiência pessoal ao lado do Talking Heads, de Brian Eno e de vários outros parceiros criativos. Bem como em suas viagens por casas de ópera, vilarejos africanos, favelas brasileiras e basicamente qualquer outro lugar onde se faça música, para demonstrar que a criação musical não é algo exclusivo de compositores solitários trancados num estúdio, mas sim o resultado de uma série de circunstâncias naturais e sociais. Livro de grandes ideias, fascinante e irresistível, Como funciona a musica é uma defesa apaixonada do imenso poder da música em nossas vidas.


40. James Brown: Sua Vida, Sua Música – R.J. Smith, 2012

james-brown-sua-vida-sua-musica

Este gênio musical, que simplesmente criou o funk e dominou o rhythm and blues e o pop, nasceu em condições de extrema pobreza na Carolina do Sul e passou a primeira infância na zona rural da Geórgia, no meio de violentas tensões raciais. Criado num bordel de propriedade de sua tia, foi parar numa instituição para menores de idade infratores aos dezesseis anos. Ao sair de lá, conheceu seus primeiros colegas de banda, membros de um grupo que iriam mais tarde formar os Famous Flames. A música revolucionária de Brown, definida por um conceito que ele chamava de “Soul Brother No. 1”, desenvolveu-se a partir do ambiente sulista de sua juventude, das batidas de tambor das velhas canções de escravos e do som e espírito do gospel. Do chitlin’ circuit até o Teatro Apollo de Nova York, Brown emplacou quarenta e quatro sucessos entre os Top 40 da Billboard, fazia mais de 350 apresentações por ano no seu auge e foi um showman como nenhum outro.


39. Hammer of the Gods: The Led Zeppelin Saga – Stephen Davis, 1986

Este livro é mais famoso pelos detalhes do notório “incidente do tubarão”, em que os membros do Led Zeppelin supostamente capturaram um tubarão e usaram os pedaços para satisfazer uma groupie (como, e se, tais eventos realmente aconteceram provavelmente será sempre um mistério). Ainda assim, como uma coleção de mitos do rock, martelo ainda não foi superada.


37. Sim Eu Posso: A História de Sammy Davis Jr – Sammy Davis Jr., Jane Boyar e Burt Boyar, 1965

Sammy Davis Jr. não era apenas um excelente showman, ele foi o número um do showbiz americano. Sim Eu Posso é uma celebridade contando tudo, inclusive perfurando nas questões raciais da América.


32. O Resto é barulho: Escutando o Século XX – Alex Ross, 2007

Como critico musical da The New Yorker, Ross explica sons clássicos hoje para uma abrangente audiência. O resultado, mais do que uma história da música, é uma leitura da história do século XX por intermédio da música que foi produzida. Ross foi indicado para o prêmio Pulitzer de 2008 e para o prestigioso Samuel Johnson Prize. Considerado um dos melhores livros de 2007 pelo New York Times, pelo Washington Post e pela revista The Economist.


30. Decoded – Jay Z, 2011

jay-z-decoded

Jay Z escreveu dois livros, um deles foi Decoded, uma autobiografia desde sua criação nos Projects do Queens, até sua ascensão ao topo do hip-hop e pop; e uma desconstrução detalhada de suas letras, anotando 36 canções-chave. O resultado é um dos cases de maior autoridade já feitos sobre o rap com emocionante poesia.


28. Bound for Glory – Woody Guthrie, 1976

A prosa é roxo, e quanto à exactidão dos eventos registrados na autobiografia de Woody Guthrie … bem, vamos apenas dizer que está longe de ser intocada. Mas, como canções do grande cantor popular, Bound For Glory tece fatos, folclore e fantasia, embelezando a verdade da infância em Oklahoma.


27. Queimando Tudo: A Biografia Definitiva de Bob Marley – Timothy White, 1983

Bob Marley foi o soberano absoluto do reggae. Para muitos, foi também um profeta revolucionário dos novos tempos, cuja música teve – e ainda tem – um grande impacto sobre pessoas de todas as raças em todos os lugares do mundo.


26. Love Is a Mix Tape: Life and Loss, One Song at a Time  – Rob Sheffield, 2007

Este livro de memórias pelo Rolling Stone contribuinte capta a profundidade do geek da música de uma carta de amor – The Mixtape – enquanto cobria a evolução da relação do Sheffield com sua primeira esposa, Renée.


25. Lady Sings the Blues – Billie Holiday e William Dufty, 1956

lady-sings-the-blues

Mito do jazz entre as décadas de 1930 e 1950, Billie Holiday foi criadora de um modo peculiar de viver e de cantar que marcou a carreira de uma série de cantoras estadunidenses, como Sarah Vaughan e Ella Fitzgerald. Infelizmente, a grande dama morreu pobre, viciada em heroína e já praticamente sem voz. Somente depois de morta foi reconhecido seu papel de vanguarda na criação e popularização de um estilo musical que veio a conquistar adeptos no mundo todo. Esta obra conta de maneira pungente e dramática a história de sua vida conturbada, da infância até o início da década de 1950. Expõe cruamente seus percalços com a polícia, a perseguição que sofreu por parte da imprensa, os dissabores amorosos e os meandros do submundo das drogas e do showbiz.


21. Miles: A Autobiografia – Miles Davis e Quincy Troupe, 1989

Espirituoso, divertido, combativo e profano, a voz singular de Davis salta de cada frase de sua autobiografia.


19. Girls Like Us: Carole King, Joni Mitchell, Carly Simon and the Journey of a Generation – Sheila Weller, 2008

Em sua biografia à três, Weller ilumina a arte e a vida interior dos ícones que ela examina, mostrando como seus caminhos se cruzaram dentro de uma cultura que ajudou a criar. Segundo a publicação, Girls atinge um raro equilíbrio high-low, servindo-se de fofoca, enquanto analisa o complexo papel de estralas como mulheres e criadoras.


17. Lost Highway: Journeys and Arrivals of American Musicians – Peter Guralnick, 1979

Como Guralnick escreve, “são as pessoas cujas histórias muitas vezes não tem sido contadas.” Apesar de ter sido publicado no final dos anos 1970, os retratos de Elvis, Bobby “Blue” Bland e outros tem uma qualidade atemporal que irá continuar a ser significativa para qualquer fã de música.


15. Abaixo de cão: Autobiografia – Charles Mingus, 1971

Mingus foi um dos verdadeiros esquisitões do jazz, um baixista talentoso e compositor, que mudou para um ritmo todo seu, tanto musicalmente e figurativamente. Não é nenhuma surpresa que sua autobiografia está longe de ser tradicional: este é um livro expressionista, poético, divertido e estranho, inflamado pela iconoclastia intelectual e musical de Mingus, bem como sua ira.


13. A criação da juventude – Jon Savage, 1991

Combinando visão em primeira mão de um participante com diligência e objetividade de um historiador, Savage baseia-se em centenas de horas de entrevistas, não só cronologicamente a ascensão vertiginosa The Sex Pistols e a queda, mas também para oferecer um retrato vívido do conturbado país, exausto que gerou um grupo historicamente explosiva de descontentes.


12. Confissões de uma Groupie – Pamela Des Barres, 1987

confissoes-de-uma-groupie

Contando, ninguém acredita, mas Pamela desfilou com Jim Morrison a tiracolo, foi namorada de Jimmy Page e, depois de resistir a muitas cantadas, acabou cedendo ao ardente desejo de Mick Jagger – para citar apenas três dos mais famosos -; cuidou dos filhos de Gail e Frank Zappa; formou o grupo GTO, Girls Together Only, e se tornou grande amiga de Robert Plant. E ela sabe contar como ninguém uma história muito peculiar da cena rock and roll numa época em que até o showbiz era ingênuo, mas nem por isso menos alucinante. Misturando sua narrativa com trechos dos diários que mantinha com afinco, letras de canções e transcrições de bilhetes, Pamela conduz os leitores com leveza e autenticidade pelos bastidores dos palcos onde se criaram grandes fenômenos do rock. E, ao mesmo tempo, abre o coração da garota que acreditou e viveu o amor livre acima de todas as coisas. A história de Pamela Des Barres inspirou Kate Hudson e Goldie Hawn em seus papéis de groupies nos filmes Quase Famosos e Doidas Demais.


9. Alta Fidelidade – Nick Hornby, 1995

Um namoro terminado, uma loja de discos prestes a falir e um amor incondicional por boa música: eis a vida de Rob, o herói deste romance que se tornou um clássico da melhor literatura pop. Rob é um sujeito perdido. Aos 35 anos, o rompimento com a namorada o leva a repensar todas as esferas da vida: relacionamento amoroso, profissão, amizades. Sua loja de discos está à beira da falência, seus únicos amigos são dois fanáticos por música que fogem de qualquer conversa adulta e, quanto ao amor, bem, Rob está no fundo do poço. Para encarar as dificuldades, ele vai se deixar guiar pelas músicas que deram sentido à sua vida e descobrir que a estagnação não o tornou um homem sem ambições. Seu interesse pela cultura pop é real, sua loja ainda é o trabalho dos sonhos e Laura talvez seja a única ex-namorada pela qual vale a pena lutar. Um romance sobre música e relacionamento, sobre as muitas caras que o sucesso pode ter e sobre o que é, afinal, viver nos anos 1990. Com rajadas de humor sardônico e escrita leve, a juventude marinada em cultura pop ganhou aqui seu espaço na literatura.


5. Só garotos – Patti Smith, 2010

“Tem gente que nasce rebelde. Lendo a história de Zelda Fitzgerald, identifiquei-me com seu espírito insubordinado. Lembro de passear com minha mãe olhando vitrines e perguntar por que as pessoas não chutavam e quebravam aquilo.” É com esse tom franco e irreverente — e ao mesmo tempo doce e poético — que Patti Smith revive sua história ao lado do fotógrafo Robert Mapplethorpe, enquanto os dois tentavam ser artistas e transformar seus impulsos destrutivos em trabalhos criativos. Só garotos é uma autobiografia cativante e nada convencional. Tendo como pano de fundo a história de amor entre Patti e Mapplethorpe, o livro é também um retrato apaixonado, lírico e confessional da contracultura americana dos anos 1970, desfiado por uma de suas maiores expoentes vivas.


3. Vida – Keith Richards, 2010

capa-de-vida-autobiografia-de-keith-richards

Existem quase tantas razões pelas quais Vida se tornou uma grande referência para as autobiografias do rock, como há páginas no livro. O que o mito do rock Keith Richards revela em livro surpreende até quem conviveu com ele, verdades até hoje não ditas. Imagina para os fãs do Rolling Stones?


1. Crônicas – Volume One – Bob Dylan, 2004

Concentrando-se em seus anos de fome, em meio a cena popular, no início dos anos 60 na rica Nova York, Dylan empresta um brilho romântico para os clubes enfumaçados da cidade e seus habitantes coloridos, como Dave Von Ronk, Richie Havens e Tiny Tim, saudando os poetas que primeiro acenderam seu desejo pelas palavras – Byron, Shelley, Poe – ao longo do caminho.

Mais tarde, ele destaca dois álbuns menos conhecidos, mas cruciais: New Morning, que capturou a necessidade de Dylan pela família e privacidade, e Oh Mercy, possivelmente, o seu trabalho mais interessante. Aqueles que procuram anedotas sobre suas mais conhecidas canções vão ficar enlouquecidos querendo as duas memórias seguintes prometidas por Dylan no futuro. Nesse meio tempo, ele oferece preces às inspirações musicais mais óbvias (Robert Johnson) e algumas nem tanto (Brecht e Weill). Contada em prosa e fiel à imagem astuta de Dylan, o livro é por vezes sincero, perspicaz e evasivo. Dada a natureza distante do artista, a narrativa é extremamente reveladora.


 

A lista completa de títulos está disponível no site da Billboard.

Comentários

Natália Figueiredo

Natália Figueiredo

Jornalista Multimídia em Estante Virtual
Natalia Figueiredo fez da escrita sua profissão. Começou a carreira no jornalismo impresso do Rio, mantém o blog de viagens Nat no Mundo (http://natnomundo.com/) e, hoje, escreve sobre literatura para o Estante Blog.
Natália Figueiredo

Natália Figueiredo

Natalia Figueiredo fez da escrita sua profissão. Começou a carreira no jornalismo impresso do Rio, mantém o blog de viagens Nat no Mundo (http://natnomundo.com/) e, hoje, escreve sobre literatura para o Estante Blog.

2 comentários em “Os 100 melhores livros sobre música

  • 01.06.2017 a 9:41 am
    Permalink

    Excelente artigo, ótimas leituras.

  • 27.09.2016 a 7:29 pm
    Permalink

    Só esta ausência já enfraquece esta lista. Maior manancial de casos de bastidores do rock 60’s e 70’s:

    Bill Graham: minha vida dentro e fora do rock.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares