Vida de Livreiro – Josué e a Estação Coruja

Entre as estações Saúde e São Judas, no coração de São Paulo, os amantes da leitura encontram um porto seguro na Estação Coruja, o sebo dos irmãos Josué e Isac de Lima Leite.

“Eu sempre gostei de ler pelo menos um livro por mês. Surgiu a oportunidade de ajudar um amigo a administrar um sebo e eu tomei gosto pela coisa. Chamei meu irmão e resolvemos abrir nossa própria livraria. Isso foi há 10 anos”, conta Josué.

O nome Estação Coruja une a localização da loja e a sua função. “Como ficamos entre duas estações de metrô, a gente queria colocar o nome de ‘Estação Cultural’, mas já havia uma livraria com esse nome. Então, um amigo que trabalhava na Tele Sena sugeriu a Coruja, já que a ave é um símbolo de conhecimento e leitura”, explica.

Hoje, a livraria conta com um acervo de mais de 50 mil títulos, sendo que quase 17 mil deles estão cadastrados na Estante Virtual. “A gente escolhe com cuidado os livros que cadastramos na Estante. Se está lá, é porque acreditamos no potencial de venda da obra, considerando o gênero, o título e estado de conservação do exemplar”, afirma Josué.

Sobre o futuro, Josué se mostra confiante. “No metrô a gente vê cada vez mais pessoas lendo. Algumas lêem e-books, mas a maioria ainda prefere a cópia física. Eu mesmo não dispenso o livro de papel. Já passo bastante tempo trabalhando no computador. Na hora da leitura, o contato físico é fundamental”, afirma.

Apaixonado por biografias e livros sobre política e história, Josué recomenda duas obras que considera indispensáveis.

A primeira é a trilogia Getúlio, de Lira Neto. Nela, o autor investiga uma série de documentos – muitos inéditos – para decifrar o mito “Getúlio”. O resultado é um relato envolvente, com a vivacidade e o ritmo de um bom romance.

getulio
Veja livro

 

A segunda sugestão é Corações sujos, de Fernando Morais. O autor investiga a Shindô Remmei, ou Liga do Caminho dos Súditos, que acreditava, depois do fim da Segunda Guerra mundial, na vitória japonesa. Seus seguidores, cerca de 80% da população japonesa em São Paulo, passou a perseguir os imigrantes que sabiam da derrota do Japão. Um belo trabalho de reportagem de Fernando Morais a respeitor desta pouco conhecida parte da história do Brasil.

corac3a7c3b5es-sujos
Veja livro

 

A série “Vida de Livreiro” conta as histórias dos personagens da nossa rede. Quer compartilhar suas experiências com os leitores do Estante Blog? Conte a sua jornada pelo universo dos livros através do e-mail: suahistoria@estantevirtual.com.br

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares