Quatro obras que celebram a língua e a cultura do Brasil

O português é a quinta língua mais falada do planeta e a terceira entre as ocidentais, atrás apenas do inglês e do espanhol. Idioma oficial no Brasil, em Portugal, em Moçambique, em Angola, em Guiné-Bissau, no Timor Leste, em Guiné Equatorial, em Macau, em Cabo Verde e em São Tomé e Príncipe, é inegável o seu impacto na cultura e nos costumes do povo brasileiro. Para celebrar esta data, escolhemos uma lista de obras que abordam os brasileirismos que moldaram esta língua em nossa terra, inventando expressões e dialetos característicos de cada região do Brasil.

 

O santo e a porca

Ariano Suassuna foi um dos grandes defensores da cultura popular de nosso país, especialmente da cultura nordestina. O santo e a porca é uma peça teatral dividida em três atos: apresentação dos personagens, desenvolvimento e ápice. Lançada em 1957, foi inspirada em Aulularia, do romano Plauto. No Nordeste, acabou ficando bem diferente do original, sendo o tema central a avareza. Apesar de ser uma comédia, o texto propõe uma reflexão sobre a relação do ser humano com o mundo físico, representado pela porca, e o espiritual, ilustrado por Santo Antônio.

 

Lisbela e o prisioneiro

Leléu é um conquistador barato, com um amor em cada vilarejo. Até que conhece Lisbela, filha do tenente e de casamento marcado com o carioquíssimo Doutor Noêmio. É amor à primeira vista. Inconformado, o doutor manda o matador Frederico Evandro assassinar Leléu. As desventuras do galanteador apaixonado em fuga por sua vida e em guerra por seu amor fazem de Lisbela e o prisioneiro, de Osman Lins, um divertido texto teatral que ganhou as telas em 2003, sob direção de Guel Arraes.

 

A casa da Mãe Joana

Por que as pessoas dizem que a vaca foi para o brejo? Será que todo mundo que morre abotoa o paletó? E qual a vantagem de tirar o cavalo da chuva? A língua portuguesa é rica em expressões populares cuja origem acaba se perdendo na história.  A casa da Mãe Joana, ótimo trabalho de pesquisa de Reinaldo Pimenta, é uma coleção de origens curiosas de palavras, frases e marcas. É o tipo de livro que diverte informando.

 

O analista de Bagé

Publicado e editado em diversos jornais do país, o livro retrata o estereótipo da personalidade típica gaúcha. O sucesso dos contos foi tanto que gerou histórias em quadrinhos, peças de teatro e até quadros em programas de humor. Compiladas nesta obra estão as mais famosas histórias do analista, além de outras pérolas do mestre das comédias da vida privada, Luiz Fernando Veríssimo.

 

Qual o livro que mais representa os regionalismos da língua portuguesa no Brasil? Deixe sua opinião e participe da conversa. 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares