Autores de infanto-juvenis decidem escrever livros para adultos

Escritores de infanto-juvenis decidem escrever para adultosA escritora britânica J. K Rowling, responsável pela criação da saga Harry Potter, surpreendeu a todos os seus fãs quando anunciou que lançaria mais um livro em 2012 – Morte Súbita. Para a tristeza de muitos, não se tratava de um 8º livro da saga, mas uma obra voltada para o público adulto que aborda temas como drogas, política, sexo, bullying e até mesmo violência doméstica – temas bem distantes dos mistérios e da magia dos livros anteriores.

Apesar de incomum, essa não é a primeira vez que um autor de infanto-juvenil se aventura em uma história voltada para um público mais adulto. O escritor brasileiro Caio Riter começou sua carreira em 1994 quando lançou o livro infantil Um Palito Diferente. E cinco anos depois publicava seu primeiro livro de contos adultos, Teia de Silêncios, que atualmente encontra-se esgotado nas livrarias convencionais.

E alguém aí se lembra da série Artemis Fowl que trazia como protagonista um menino maligno que queria destruir o mundo das fadas? Pois é, seguindo um caminho totalmente distinto, o último livro de Eoin Colfer, Aviador, foi considerado por muito de seus fãs uma obra muito mais madura, com uma história densa e que pode ser facilmente enquadrada em uma literatura para adultos. Há quem considere que Meg Cabot, autora que fez sucesso com a série O Diário da Princesa, também deveria entrar nessa lista, mas desconhecem que seu primeiro livro A Rosa do Inverno, lançado em 1998, sob autoria de Patrícia Cabot, já era voltado para o público adulto e possuía um enredo com teor sexual.

No caminho inverso: da literatura adulta para a infanto-juvenil

Se por um lado são raros os casos de autores de infantis que escrevem livros adultos, por outro, no universo literário é muito comum encontrarmos escritores que saíram da literatura adulta e rumaram para experiências dentro do universo infanto-juvenil. Graciliano Ramos é apenas um dos muitos exemplos. O escritor lançou seu primeiro livro em 1933. Caetés trazia a preocupação do autor com a temática social. E somente onze anos mais tarde, Graciliano publicou Histórias de Alexandre, um livro voltado para o público infantil que trazia uma coletânea de contos folclóricos alagoanos.

Caminho parecido foi o percorrido por Clarice Lispector. A autora de Perto do Coração Selvagem, seu romance de estreia, também se aventurou no universo infantil, com obras como A Mulher que Matou os Peixes, O Mistério do Coelho Pensante e Como Nasceram as Estrelas.

Se você conhece outros escritores que começaram carreira com literatura infantil e se aventuraram na literatura adulta, compartilhe conosco, comentando este post.

Comentários

Um comentário em “Autores de infanto-juvenis decidem escrever livros para adultos

  • 28.02.2014 a 9:03 am
    Permalink

    Na minha opnião acredito, que todos os escritores acima são esperimentadores de ambos os mundos, tanto o infanto juvenil, como o adulto, por isso fica bem óbviu as suas decisões de de mudarem tão derrepente de público. No meu caso que escrevo voltado para o público (jovem e adulto), me sinto confortado em saber que este é um universo mestiço com divesos parâmetros de teoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shares